Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

sábado, 17 de fevereiro de 2018

P E R I G O S O - Q U I T E P L A C E T



O tema é polêmico e merece ser estudado com seriedade pelos Irmãos.
Frequentemente, confundimos benevolência com negligência.

O instrumento do Quite Placet é um direito e até mesmo uma benesse que o IRMÃO pode requerer. Seja por motivo de trabalho, mudança, ou até mesmo por não querer fazer mais parte da Loja ou da Maçonaria. Existem milhares de motivos.

Mas compreendam que a proposição do Quite Placet deve vir do Irmão. Trata-se de uma escolha pessoal. Estando ele em dia com suas obrigações para com a Loja, basta apenas uma comunicação feita à direção da Loja.

O problema se apresenta com os “Irmãos Terríveis”, aqueles que trazem desarmonia, criam discórdia, não trabalham e dão trabalho. Muitas vezes, por falta de pulso e seriedade de toda a Loja, os Irmãos o “convencem” a pedir o Quite Placet, pois será o caminho mais fácil ou considerado o melhor caminho.

Melhor caminho para quem? Para a Loja que se viu “livre” do nome do Irmão em seu Livro de Obreiros, mas que constantemente gravará seu ne varietur no Livro de Visitantes?

Desta forma, ele continuará a falar despropósitos em Loja e sua presença será motivos para a ausência dos bons obreiros.

Se este Irmão não serve para trabalhar com os Irmãos da Loja “X”, por que servirá para a Loja “Y”?

Quando o problema está na Loja, o Irmão que não se sente bem ou não pactua com alguma situação, naturalmente se afasta, procurando outra Loja.

Assistimos também a desenrolares desarmoniosos em nível de Potências e Lojas co-irmãs. Uma Loja dá o Quite para o Irmão e este procura na sua cidade outra Loja que o acolhe, (pois ele esta devidamente regular), acaba por criar ressentimentos na Loja Mãe.

Sejamos objetivos: Se o Irmão não tem valor para sua Loja, não terá também para as outras.

Se identificarmos o Irmão como um “Profano de Avental” é hora de o colocarmos para fora da Sublime Ordem.

Comportamentos dentro ou fora do Templo que não coadunam com a moral e éticas maçônicas, devem ser punidos com exclusão ou expulsão.

Todas as Potências/Obediências têm em suas leis os instrumentos legítimos e adequados para esse essencial procedimento de “assepsia”. Não cabem aqui falsa tolerância e benevolência da fraternidade.

A pessoa expulsa pode continuar a ser seu parceiro de truco, companheiro de pescaria, amigo de buteco, mas não poderá ser um Maçom, pois suas atitudes negativas podem resvalar em todos nós.

A sociedade que assiste de fora ou que sofre com o comportamento inadequado, desonesto, ignorante deste profano de avental, desconhece o que seja uma Loja ou Potência.

Para a sociedade profana, a Maçonaria é uma coisa só.

Portanto, quando admitimos que um ou outro Irmão continue com comportamentos inadequados para a Sublime Ordem, estamos colocando sobre nós mesmos o olhar desconfiado, crítico das pessoas de fora da Maçonaria e muitas vezes trazemos para nós, o irado crivo da sociedade profana.

Vamos deixar de lado a negligência e atuarmos como corpo único. O que não serve para mim não vai servir para meu Irmão. Estudemos a Constituição da Potência/Obediência, o Regulamento Geral e os Códigos de Delitos e de Processo Penal Maçônico.

Não podemos deixar brechas para permitir a entrada e a presença de pessoas de mau caráter na Maçonaria.

TFA

Ir
Sérgio Quirino Guimarães
Delegado Geral do Grão-Mestre
G
LMMG
Fonte: Jornal do Aprendiz.



Postagens populares