Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

UM “TOQUE” PARA DESPERTAR


O mundo tem mudado vertiginosamente. Ocorreram avanços em todas as áreas e o mundo se globalizou trazendo benefícios e malefícios. Benefício, porque possibilitou o acesso rápido às informações, aproximou as pessoas.

Malefício, porque se acirrou os conflitos, concorrência. Como está a Maçonaria nesse mundo moderno e transformado? Será que continuamos unidos no mesmo ideal “Liberdade, Igualdade e Fraternidade?”.

O neoliberalismo prega a concorrência pura e simples, a ética muitas vezes. Para o neoliberalismo, o próximo é meu concorrente, meu inimigo, ferindo os anseios da fraternidade maçônica.

O capitalismo reinante nos torna cada vez mais escravos do consumo nos rebaixa a uma busca material abominável, maculando a ideia de liberdade e de supremacia do espírito sobre a matéria.

A concentração das riquezas nas mãos de poucos, premeditada pelo capitalismo, orquestrado pelo neoliberalismo, divide o mundo em uma legião de miseráveis e uns poucos de multimilionários, escarnecendo o princípio da igualdade.

A Maçonaria tropeça enfraquecida num momento tão importante da história da humanidade.

A humanidade hoje precisa mais do que nunca que a Maçonaria reencontre sua identidade e desperte para combater os vícios, os preconceitos e a desigualdade, encarcerando-os numa masmorra de onde não poderão sair.

É preciso proteger a singela igualdade para que floresça nos campos verdejantes, sob o orvalho da fraternidade, faça brotar a formosa flor da liberdade, perfumando este mundo.

A Maçonaria precisa mais do que ações isoladas de alguns heróis idealistas, precisa de coesão e unidade de suas colunas, fazendo tremer a terra dos maus com o estrondoso ruído de sua marcha unificada e cadencial, como um gigante que caminha para a vitória.

Mais do que pessoas bondosas, a Maçonaria precisa de obreiros comprometidos com sua causa, comprometidos com a Ordem, que se dediquem para a construção de um mundo mais justo e perfeito.

A Maçonaria está chamando para o trabalho! Vamos dar às nossas sessões mais qualidade, aos trabalhos, mais profundidade, mais entusiasmo.

Vamos melhorar nossos conhecimentos, formemos ciclos de estudos, troquemos informações, pratiquemos mais a caridade, amemo-nos uns aos outros, levantemo-nos para o trabalho.


O mundo é como um diamante bruto há de ser lapidado para reluzir o brilho da luz que se derrama luz que vem de Deus, o Grande Arquiteto do Universo.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

O MIOSÓTIS E A MAÇONARIA ALEMÃ


Voltando a 1934, a Grande Loja Alemã do Sol se deu conta do grave perigo que iria enfrentar. Inevitavelmente, os maçons alemães estavam partindo para a clandestinidade, devido à radicalização política e ao nacionalismo exacerbado.

Muitos adormeceram e alguns romperam com a tradição, formando uma espúria Franco- Maçonaria Nacional Alemã Cristã, sem qualquer conexão com o restante da Franco- Maçonaria.

Declaravam eles abandonarem a ideia da universalidade maçônica e rejeitar a ideologia pacifista, que consideravam como demonstração de fraqueza e como uma degeneração fisiológica contrária aos interesses do estado.

Os maçons que persistiram em seus ideais precisaram encontrar um novo meio de identificação que não o óbvio Compasso & Esquadro, seguramente um risco de vida.

Há uma pequenina flor azul que é conhecida, em muitos idiomas, pela mesma expressão: não-me-esqueças  – o miosótis.

Entenderam nossos irmãos alemães, que esse novo emblema não atrairia a atenção dos nazistas, então a ponto de fechar-lhes as Lojas e confiscar-lhes as propriedades.

Através de todo o período negro do nazismo, a pequenina flor azul identificava um Irmão.

 Nas cidades e até mesmo nos campos de concentração, o miosótis adornava a lapela daqueles que se recusavam a permitir que a Luz se extinguisse.

Em 1945, o nazismo, com seu credo de ódio, preconceito e opressão, que exterminara, entre outros, também muitos maçons, era atirado no lixo da História.

Nas fileiras vitoriosas que ajudaram a derrota-lo, estavam muitos maçons – ingleses, americanos, franceses, dinamarqueses, tchecos, poloneses, australianos, canadenses, neozelandeses e brasileiros.


De monarcas, presidentes e comandantes aos mais humildes pracinhas.

domingo, 27 de setembro de 2015

POEMA MAÇÔNICO


Da vida nós aprendemos e reaprendemos

A construir escolhas e decisões

Lapidando a nossa pedra bruta

Em cima de uma escadaria que leva ao céu

Talvez não igual ao céu comum

Mas com certeza um céu justo e perfeito

Com esquadro e compasso damos forma

E nossa pedra vai polindo e polindo cada vez mais

Na sua poeira leva lembranças, alegrias e dores

E o que fica resplandece a luz do Oriente

Com uma régua de 24 polegadas sinto que posso medir tudo

Medir o coração, a vida que passa, pois brancos e pretos

É o que vejo no quadriculado da minha caminhada

Sobre a espada templária componho versos

Sobre o grande olho faço minha remissão e confissão

Não se pode entender o mistério, é segredo

Mas um segredo que nos constrói guardar

Entre sinais abro as portas do meu templo

Para o mundo, para minha dimensão

no meu pedaço de céu nos degraus da escada de Jacó

Entre as colunas da vida e da morte

Um doce dualismo que só a alma entende

Tão doce quando as romãs

tão extensa quanto uma corda de 81 nós

E ainda sim cabe na abóboda azul celeste

Do meu céu, meu Oriente

Minha Ácácia...


Autor: César Frozza
Ácacia 3612


sexta-feira, 25 de setembro de 2015

A MAÇONARIA E AS SETE ARTES LIBERAIS E CIÊNCIAS


A Maçonaria, em dos seus graus simbólicos, estuda as Sete Artes Liberais e Ciências da antiguidade, que são gramática, retórica, lógica, aritmética, geometria, música e astronomia. Cada uma dessas áreas de conhecimento está repleta de significado para os maçons.
Existem gravuras antigas que mostram uma deusa segurando um livro e uma vara. Ela é chamada de Sabedoria ou Sophia. O amor da sabedoria ou o “philio de Sophia” é o significado da palavra Filosofia. Vemos a seiva da sabedoria derramada em todas as artes e ofícios representados como os homens jovens, são ilustrações que unem todo o conhecimento em pintores, arquitetos, músicos e soldados, todos recebendo sabedoria.
Provérbios 9:1 diz: “A sabedoria já edificou a sua casa, já lavrou as suas sete colunas.” Estudiosos religiosos têm especulado sobre os sete pilares da sabedoria, a Sabedoria derramada para sete vocações. A Sabedoria também é vista presidindo ramos do conhecimento.
Representações alemãs da idade média mostram um livro e uma vara, símbolos do professor, supervisionado pela sabedoria alada de três cabeças que cuida de sete donzelas. No mesmo livro aparecem as Sete Artes Liberais e Ciências.
Marciano Capella, em Cartago, no ano 420, desenhou uma alegoria da Phoebus-Apolo, deus do sol, apresentando as Sete Artes Liberais como empregadas domésticas para sua noiva Filologia, um amante das palavras. Depois disso, os artistas têm ilustrado as artes liberais e ciências como empregadas domésticas.
As empregadas domésticas se reúnem em torno da sabedoria. Conhecimento é desenhado dentro de um círculo. Acima da Sabedoria estão a moral e teologia. Nos cantos inferiores são Aristóteles e Platão, possivelmente. Mas as figuras centrais são as Sete Artes Liberais e Ciências.
A escada em caracol
Juventude, adultez, e maturidade são representadas nos três graus simbólicos da Maçonaria. O primeiro constrói uma base de amor fraterno, respeito e verdade. O segundo leva em direção a masculinidade bem sucedida com o ouvido atento, a língua instrutiva, e um coração fiel. O terceiro grau ensina, entre outras coisas, que o tempo e a paciência vão realizar todas as coisas.
A vida progride como se estivéssemos subindo uma escada em caracol. Não enxergamos ao longe, o progresso exige esforço para crescer e amadurecer. Vencemos as primeiras três etapas, depois aprendemos a dominar os cinco sentidos com os quais observaremos o mundo que nos cerca.
Dessa forma poderemos subir os degraus das sete artes liberais e ciências. Semelhante a escada em caracol a educação maçônica é um processo onde começamos a ler e escrever ideias simples e terminamos com alta escolaridade e conceitos de idéias abstratas.
A História da Lista
Boa parte da população bem instruída da antiguidade não gostava de trabalhar, e quando alguém se transformava em aprendiz não era livre para estudar ou fazer o que quisesse e sim fazer o que era lhe mandado. As Artes Liberais Latinas eram estudos profissionalizantes voltados para uma finalidade econômica, algo que rendesse o sustento. A Maçonaria especulativa as adotou e lhes deu o significado esotérico necessário para a compreensão de determinados graus de seus estudos.
A história das sete artes liberais e ciências estão ligada a Pitágoras, Platão e Santo Agostinho, personagens que desempenharam importantes papéis no estabelecimento de suas bases.
Pitágoras, grego que viveu em 520 a.C., era um grande matemático e também um mestre filósofo e teólogo. Com seus alunos na Academia observou conexões entre a geometria e o Divino. Seus discípulos procuraram relacionamentos na música, aritmética e astronomia assim estabelecendo a relação de Pitágoras com as quatro últimas das Sete Artes Liberais e Ciências.
Platão, 400 a.C., escreveu sobre a importância da educação para os cidadãos da República. Platão enfatizou a lógica, a filosofia e dialética. Para Platão, a lógica representa a maior faculdade cognitiva, possibilitando examinar argumentos e compreendê-los.
Santo Agostinho de Hipona, que viveu no século III d.C., deixou escrito 5 milhões de palavras que ainda hoje existem. Ele foi o maior professor de retórica da humanidade. Ele declarou que, se alguém quisesse defender a verdade, deveria ser eloquente para refutar a mentira através do poder da oratória. Ele preencheu o Sete Artes Liberais e Ciências, com sua ênfase na gramática e retórica.
A ordenação da Lista das Sete Artes Liberais e Ciências
Aprendemos a falar para descrever o mundo que nos cerca. Palavras organizam nossos pensamentos. A linguagem é essencial para a aprendizagem. À medida que progredimos aprendemos a falar com eloquência e graça, que é retórica. Aprendemos a usar a lógica para fazer os nossos argumentos convincentes e verdadeiros.
Avançamos até lições de níveis mais elevados de aritmética, geometria e música. Estas matérias exigem pensamento abstrato e maiores níveis de concentração. À medida que amadurecemos na vida vamos adquirindo sabedoria e aprendendo a desfrutar das magníficas obras da criação, as estrelas e os planetas, astronomia, e o divino. A ordem desses temas foi desenvolvida por mais de mil anos e ainda hoje preservam sua validade e sua magnificência.
As três primeiras artes derivam do Trivium que em latim significa Três Vias ou Estradas, um cruzamento onde o público se encontra. Poderíamos chamar o trivium de praça pública, onde o público se reúne para discutir os temas habituais do dia: o tempo e a colheita. Aqueles que se destacam em lembrar experiências comuns são bons em “trivialidades”. Trivia está no centro do conhecimento cotidiano utilizando a gramática, a retórica e a lógica.
Vamos repassar as Sete Artes e Ciências Liberais e suas características.
Gramática
Em Gênesis, a primeira tarefa de Adão é nomear todas as coisas e e ter domínio sobre a criação. Saber o nome das coisas dá autoridade ao homem para falar e entender.
Na escola primária ou Primeiro Grau aprendemos a recitar o alfabeto, números e cores. Gramática envolve palavras e significados. As primeiras lições de falar envolvem repetição, teríamos palavras trava-línguas e recitamos frases para aprender a falar, fazemos exercícios de articulação. As crianças aprendem a sua própria língua, bem como línguas estrangeiras, para tanto a gramática e a estrutura são essenciais.
A Gramática envolve declinações e aprendizagem para verbos e substantivos, inclui aprender o significado das palavras, suas nuances, e como elas se relacionam em diferentes configurações.
Retórica
Estudar retórica é estudar como falar e escrever para persuadir os outros. Retórica é essencial no estudo da lei e dos regulamentos. Roscoe Pound, Albert Mackey, e Allen Roberts foram alguns dos maiores escritores em jurisprudência maçônica da língua inglesa e eram experts em retórica.
Todos os Romanos influentes da antiguidade aprenderam a falar em público com fluência e oratória. Falar em público é aterrorizante para alguns, mas para os maçons é tarefa cotidiana, pois aprendem tanto de falar como ouvir o discurso dos outros.
Retórica acrescenta força e elegância aos nossos pensamentos, podemos cativar nosso ouvinte com a força dos nossos argumentos e a beleza da nossa expressão. Nosso domínio da retórica nos ensina a rogar e exortar os nossos irmãos a atos de caridade, elogia e aplaude a excelência da boa conduta. Saber ouvir é dominar um dos nossos sentidos e nos proporciona ouvir a poesia da linguagem e a ordem das palavras. Sabemos que de alguma forma Fé, Esperança e Caridade soa melhor do que caridade, fé e esperança, nossas consagradas virtudes teologais.
Lógica
A lógica é a terceira etapa do Trivium. Ela nos leva a conclusões baseadas em nosso conhecimento, dirige e nos orienta na busca da verdade. Ela consiste em uma sequencia regular de argumentos nos levando a deduzir ou inferir a partir dos fatos. A lógica treina a mente a pensar com clareza usando as nossas faculdades de conceber, julgar e raciocinar.
A dialética é o termo usado para descrever o pensamento crítico. Nós pesamos os prós e contras para encontrar a melhor escolha. Observamos o mundo procurando ver padrões e relações, começamos a fazer previsões usando o raciocínio indutivo. A educação de nossas mentes inclui provas e raciocínio dedutivo. Aprendemos a evitar argumentos de que algo é verdadeiro ou falso, simplesmente por que se diz que é, em vez de sua verdade inerente.
Gramática, retórica e lógica compõem o trivium, ou as três primeiras das Sete Artes Liberais e Ciências.
O Quadrivium
O Quadrivium está associado com a ciência que nos ajudam a entender os mistérios do universo. Pitágoras é o principal responsável por estes quatro ramos da ciência: aritmética, geometria, música e astronomia.
O Quadrivium significa Quatro Vias ou Caminhos que convergem para o centro da cidade ou localidade, após ter percorrido as tres estradas. Uma mente forte progride pelos caminhos em direção aos segredos da sabedoria. Um homem sábio percorre os caminhos da ciência.
Aritmética
Como ciência a matemática é progressiva através da construção de habilidade e familiaridade com a prática frequente, é ensinada passo a passo. Primeiro aprendemos a contar, depois a somar e a subtrair. Assim desenvolvemos operações abstratas, tais como adição e multiplicação. A Aritmética oferece um sistema estruturado, tem regras, ordem, e opera em termos de equações.
Equilíbrio e igualdade são princípios aprendidos na aritmética que deve lembrar-nos de agir sobre o nível. O a beleza em aritmética e matemática. Descobrimos simetria e proporção.
Os números nos fascinam quando observamos a espiral de Fibonacci (Leonardo Fibonacci,1201) e a proporção perfeita presente da concha à galáxia (1,618). Encontramos padrões fractais em biologia, química e física que se repetem.
A Matemática nos mostra retas e curvas e indiretamente nos ensina sobre a moralidade.
Geometria
A Maçonaria coloca especial ênfase na geometria como sinônimo de auto-conhecimento, como compreensão da substância básica do nosso ser. A Geometria descobre áreas não medidas dentro do ser.
As ferramentas de geometria são o esquadro, o compasso, o nível e o prumo. Estas são as ferramentas básicas de maçons operativos que hoje usamos na Maçonaria especulativa para ensinar lições de comportamento correto, retidão de caráter e veracidade.
O sentido da visão é desenvolvido em Geometria, percebemos a profundidade das estruturas, se estão em ordem e quais não são as bem organizadas. Reconhecemos que a geometria é a base da arquitetura universal.
Música
A música é a sexta das sete Artes Liberais e Ciências. Pitágoras e seus seguidores estavam interessados em estudar música como uma ciência. A música é parte de nós, nosso batimento cardíaco é o padrão básico primário, do bebê intra-útero ao seu primeiro choro até nosso último suspiro.
O sentido da audição é melhorado pela música, de modo que podemos reconhecer cantigas e ritmos. Vibrações causam sons de determinada a freqüência, aprendemos a ouvir diversas escalas, combinamos sons com cantos. A Maçonaria nos ensina que é preciso disciplina para alcançar a harmonia e escutar os sons do universo.
Astronomia
O espaço e o tempo nos fazem pequenos, contemplar as estrelas nos faz perceber a glória do grande arquiteto e a sabedoria de Deus. A Astronomia nos ensina a admirar e estudar o universo.
Os globos sobre os capitéis das colunas das Lojas nos ensinam a compreender a rotação da Terra em torno do Sol. A essa observação nos é dado compreender os Solstícios e Equinócios, os tempos de venerar a natureza e a eterna renovação do universo. Os recomeços de uma jornada sem fim, isso nos mostra a astronomia.
A compreensão das Artes e Ciências Liberais
As Sete Artes Liberais e Ciências são ramos da Sabedoria e do Conhecimento. A compreensão do nosso mundo nos tornará melhores homens. Para tanto as sete artes e ciências são fundamentais para o aprendizado de outras áreas do conhecimento, incluindo história e psicologia, entre outras tantas.
Se compreendermos melhor o uso da música e da arte em nossas vidas, se usarmos a matemática e a geometria, se observarmos a perfeição do universo, se expandirmos a nossa redação e vocabulário, tudo isso ao longo da nossa vida vamos nos tornar melhores seres humanos e merecedores das graças e da bondade do altíssimo.


quinta-feira, 24 de setembro de 2015

QUEM É MEU IRMÃO?



“Senhor, se meu Irmão pecar contra mim, quantas vezes eu deverei perdoar-lhe? Até sete vezes? – Disse-lhe Jesus: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete” (Mat. l8:21-22)

É sabido que só os Irmãos de sangue possuem características comuns que conduzem ao afeto sólido e desinteressado, cultivando o amor familiar.

A Maçonaria resolveu sugerir aos seus iniciados o tratamento cordial e afetuoso de “irmão”, que o receberam com todo o agrado, sem nenhuma restrição, passando a ser uma norma obrigatória nos diversos Corpos da Instituição.

Já no Poema Regius, também chamado de “Manuscrito de Halliwell’ do ano de 1390, o mais antigo que se conhece, recomenda o tratamento de “caro irmão” entre os maçons. Por isso o tratamento de Irmão dado por um Maçom a outro, significa reconhecimento fraternal, como pertencente à mesma família.

De fato, traduz uma maneira de proceder muito afetiva e agradável a todos os corações dos que militam em seus augustos Templos. Assim passaram os iniciados ao uso desse tratamento em todas as horas, quer no mundo profano, quer no maçônico.

Há certo grau de satisfação quando nas Lojas maçônicas, partilhamos de momentos gratificantes de bem estar espiritual para o convívio em união. É na verdade uma extensão da nossa própria família e os laços de amizade e fraternidade ali estabelecidos, só poderão ser comparados aos do mesmo sangue.

A essência da Fraternidade é o amor; os maçons dedicam muito amor uns para com os outros; é essa prática que funde o sangue para que haja no grupo uma só criatura.

O bem-querer, a tolerância e a Fraternidade dentro da Loja transformam o homem em criatura dócil, espontânea e fiel, apta a desempenhar a cidadania no mundo profano.

A rigor, o amor fraternal deveria estender-se a toda a humanidade; no entanto, ainda não estamos preparados para isso.

Fisiologicamente, os Irmãos provindos dos mesmos pais são denominados de “germanos”, que em latim significa “do mesmo germe”. Na Maçonaria não há esse aspecto; porém, a Fraternidade harmoniza os seres por meio da parte espiritual; diz-se que os maçons são Irmãos porque provêm da mesma Iniciação, os mesmos modos de reconhecimento e foram instruídos no mesmo sistema de moralidade; morrem na Câmara da Reflexão para renascerem produzidos ou procriados por meio do germe filosófico que transforma integralmente a criatura, refletindo-se no comportamento posterior.

Os Maçons, qualquer que seja o seu grau, dão-se o tratamento de Irmão. Este tratamento existe em todas as sociedades iniciáticas e nas confrarias, onde o seu significado é a condição adquirida com a participação de um mesmo ideal baseado na amizade. É o tratamento que se davam entre si os Maçons operativos.

Além da amizade fraternal que deve uni-los, os Maçons consideram-se irmãos por serem, simbolicamente, filhos da mesma mãe, a Mãe-Terra, simbolizada pela deusa egípcia Ísis, viúva de Osíris, o Sol, e a mãe de Hórus. Assim os Maçons são, também, simbolicamente, irmãos de Horus e se autodenominam Filhos da Viúva.

Os membros de nossa Ordem são estimulados a praticarem um modo de vida que produza um nível elevado em suas relações com seus Irmãos, assim como, com toda a humanidade.

Em outras palavras, é preciso não perder o significado e emprestar dignidade à expressão IRMÃO, desprezando as futilidades mundanas e amando o próximo; que cada um de nós se torne útil segundo as capacidades e os meios que o Grande Arquiteto do Universo nos colocou nas mãos para nos provar; que o forte e o poderoso devem apoio e proteção ao fraco, pois aquele que abusa de sua força e de seu poder para oprimir seu semelhante faz desaparecer o sentimento da personalidade.

Quando os homens tiverem se libertado do egoísmo que os domina, viverão como irmãos, não se fazendo nenhum mal, ajudando-se mutuamente pelo sentimento natural da solidariedade; então o forte será o apoio e não opressor do fraco, e não se verão mais homens desprovidos do indispensável para viver, porque todos praticarão a lei da justiça.

Para melhor descrevermos a importância do tratamento “Irmão”, é preciso mencionar a egrégora, atuação da força-pensamento coletiva de pessoas reunidas num local, emitindo vibrações fortes e idênticas, pensamentos da mesma natureza, animado de força boa ou má, conforme o gênero dos pensamentos emitidos. Cada Loja possui a sua egrégora. Em muitas Lojas se forma uma antiegrégora. É quando os Irmãos lá vão para aparecer, disputar primazia, brigar, discutir cargos, assumir a postura divina de donos da verdade, etc.

Membro ativo é o maçom que frequenta assiduamente a Loja e cumpre com as obrigações estatutárias. A Loja conta com a presença assídua de seus associados. É dever de o maçom dar assistência à sua associação, sob pena de enfraquecê-la e até adormecê-la.

Membro adormecido é o maçom que deixa de frequentar a Loja, licenciado ou eliminado, com a chance de sempre poder retornar à frequência.

Outro elemento de vida e valor que deve ser observado e ocorre com muitos Maçons em Lojas e Potências podemos chamá-lo “chorão”. É o que vê a vida como um terremoto: o chão ameaçando a abrir, o mundo caindo sobre ele. Corre desesperado para lugar algum ao encontro do nada. Não devemos receber esses estados depressivos, com a ideia de que estaremos ajudando o Irmão a carregar seu fardo.

A rigor, o amor fraternal deveria estender-se a toda a humanidade; no entanto, ainda não estamos preparados para isso.

Há, também, o “desagregador”, criador da discórdia e do sofrimento. Sua atmosfera mental fica carregada de uma força destruidora. Vai à Loja dominado por sentimento de angústia, de obrigação institucional, com ódio, melindres e ressentimentos para gerar culpa ou acusações ou tentar criar tensões nos demais e jamais se entender com os que divergem de suas opiniões.

Planta a semente da desintegração nos que são suscetíveis às suas influências. Sua mente se torna como que uma nuvem escura que encobre a luz e o poder da verdade. Ele abafa sua alma com pensamentos maus. Regozija-se com o mal de seus irmãos, pois, no seu orgulho, imagina que o não afetará.

Aqueles que se deixam fascinar pelas suas falsidades, não podem ver a verdade e são levados a crer que o falso é justo, que só a vontade egoísta triunfa. Suportar este tipo de Irmão em Loja não é aconselhável, pois ele está tirando o valor da vida dos Irmãos e impondo a sua. Não os condenem, esses por si se destroem.

Outro problema na Loja maçônica são Irmãos “Cometas” com aparições inesperadas, trocam a festa, a TV, o passeio, a viagem, pela tarefa que assumiram livremente.

Quando o Venerável lhes cobra comportamento responsável, zangam-se. O argumento usado é que eles dão a sua colaboração à Loja e têm o direito de comparecer quando lhes convier. Afinal, trabalham de graça e têm seus compromissos particulares para atender.

Se o dirigente for rigoroso, é comum que se afastem da Oficina, procurando abrigo no pedido de licença ou até do quite placet. É da máxima importância que todos aprendamos a conhecer o poder dos que podem causar males, assim como para fazer o bem.

Estamos todos sujeitos a cometer erros. Ninguém alcançou a alta posição em que se ache tão livre do erro, que possa julgar com retidão todas as causas que levaram seu Irmão ao erro, e quando alguém chega a esse estado, não condena; compadece-se das condições limitadas de seu Irmão e procura fazer-lhe mais fácil a vida pela alegria e a bondade. Perdoemos nossos erros, pois até o direito de errar é sagrado, desde que corresponda ao intransferível dever de assumir a consequência do que se praticou.

Saibamos reconhecer os nossos defeitos para vencê-los. É ao estudarmos o que nos desagrada em nossos Irmãos que chegaremos a eliminar os nossos defeitos, que são muitas vezes semelhantes. Isto nos incitará à benevolência. Sejamos tolerantes para com as opiniões e os atos dos nossos semelhantes. Aprendamos a perdoar as ofensas que nos são feitas. Não tenhamos senão sentimentos, atos e pensamentos positivos.

Esqueçamos nossas desavenças, nossas dificuldades, passemos ao entendimento mútuo, e nos irmanemos em torno do bem e da tolerância.

Denilson Forato 


quarta-feira, 23 de setembro de 2015

EQUINÓCIO DE OUTUBRO


Mais uma vez a Grande Loja Maçônica do Estado da Bahia se reúne em Assembleia Geral Ordinária para celebrar o equinócio de outono em nosso hemisfério que corresponde ao equinócio da primavera no hemisfério norte.

A palavra equinócio vem do latim, aequus (igual) e nox (noite), e significa “noites iguais”, ocasiões em que o dia e a noite, duram o mesmo tempo, ou seja, durante os equinócios o dia e a noite tem igualmente 12 horas de duração. 

Equinócio é um fenômeno astrológico definido como o instante em que o Sol em sua órbita aparente (como vista da terra), cruza o plano do equador celeste (a linha do equador terrestre projetada na esfera celeste) em sua marcha do sul para o norte e do norte para o sul. Mais precisamente é o ponto em que a eclíptica cruza o equador celeste.

Caracteriza-se pela distribuição igual da luz solar nos dois hemisférios, pois é quando os raios solares incidem perpendicularmente sobre eles e diretamente sobre o equador.

Isto ocorre duas vezes por ano. Numa dessas vezes, a órbita aparente do sol corta a linha do equador do sul para o norte no dia 20 de março, o que aconteceu às 08hs02min (horário de Brasília) de quarta-feira passada.

Os equinócios ocorrem nos meses de março e setembro quando definem mudanças de estação. Em março, o equinócio marca o inicio da primavera no hemisfério norte como na Europa, Estados Unidos e do outono no hemisfério sul como no Brasil, Argentina, Austrália, Nova Zelândia.

Mas por que celebramos os equinócios e os solstícios e quais suas relações com a maçonaria?

O homem primitivo distinguia a diferença entre duas épocas: uma de frio e outra de calor que eram atribuídas à ação do sol. Graças a isso surgiram os cultos solares, sendo o Sol proclamado fonte da vida, com influencia marcante sobre todas as religiões e crenças da época, pois o Sol na sua trajetória aparente determina a mudança das estações climáticas, nos equinócios e nos solstícios, quando a natureza passa por formidáveis transformações.

Por este fato as religiões de então consideravam os dias de equinócios e solstícios como dias mágicos em virtude das transformações da natureza nestes dias. 

E assim os antigos povos realizavam rituais a cada mudança de ciclo da natureza sempre com um grande significado esotérico e místico, pois acreditavam em bênçãos divinas que decorriam principalmente do Equinócio de Outono, quando depositavam as maiores esperanças na concretização dos mais puros desejos para o homem, as bênçãos do equilíbrio, da equidade e da justiça. 

Nossos precursores, os membros das organizações de ofício, também realizavam essas celebrações, as quais chegaram à maçonaria operativa, e desde a instituição da maçonaria especulativa, os maçons continuaram a celebrar as festas equinociais e as solsticiais, reconhecendo o simbolismo e misticismo delas. 

Diversas são as relações do equinócio de outono. Segundo a astrologia o ano realmente começa quando o sol, na sua trajetória anual, encontra-se no grau zero de Áries. É o equinócio de outono no Hemisfério Sul (Brasil), e de primavera no Hemisfério Norte, 21 de março.

Segundo o cristianismo todo o calendário cristão baseia-se no equinócio. A Páscoa, por exemplo, ocorrerá no 1º domingo de lua cheia após o equinócio de outono (Brasil), nunca devendo ser antes do dia 22 de março e nunca após o dia 25 de abril.

A tradição diz que o Ano Maçônico no hemisfério sul inicia-se no equinócio de outono que hoje celebramos mais precisamente no dia 21 de março, quando o Sol ingressando no primeiro signo do Zodíaco, Áries, inicia um novo ciclo e que a Abóboda Estrelada do teto da Loja, representa o céu durante o equinócio da primavera no hemisfério norte no dia 21 de março. 

Todos nós já ouvimos falar de Verdadeira Luz-VL- época em que começa a contar a era maçônica. Mas como definir a data da VL? Para tanto a maçonaria adotou o calendário do Rito Adonhiramita que se inicia no dia 21 de março, equinócio da primavera no hemisfério norte, juntando 4.000 anos aos da EV.

Na elaboração das pranchas é costume constar a data da EV e ainda, se, se, desejar, a data da VL, que se obtêm acrescentando 4.000 ao ano do calendário Gregoriano que desejamos. Por exemplo, hoje são 23 de março de 2013 da EV e 6013 da VL.

Muito ainda poder-se-ia dizer sobre este fenômeno astrológico que para nós maçons contem relevantes ensinamentos esotéricos. Aos irmãos que desejarem conhecer mais sobre as festas da maçonaria, existe vasta literatura escrita por respeitáveis maçonólogos.

Esperamos, no entanto, que com estas poucas informações possamos perceber as inter-relações e influencia dos corpos celestes sobre a vida em geral e o comportamento dos homens em particular e, saibamos entender por que a GLEB, ou seja, a maçonaria celebra e comemora, anualmente, os equinócios e os solstícios.

E, por fim, que consigamos, todos nós, inspirados no significado e simbolismo do equinócio de outono, demonstrar por palavras e pelo exemplo, que a Maçonaria e os Maçons no mundo de hoje, estejam onde estiverem, sejam quais forem às condições ou situações, continuem sendo, como sempre foram instrumentos de paz, de equilíbrio, de tolerância, de libertação e principalmente de transformação social.


Por Ubaldo Santos

M.’.Gr.’.Orador – Grande Loja Maçônica do estado da Bahia (GLEB)


Postagens populares