Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

domingo, 12 de fevereiro de 2017

A ORDEM MAÇÔNICA



Há dificuldades para se desvendar as origens da Ordem Maçônica. O calendário maçônico faz remontar suas origens ao próprio Adão; por isso, acrescenta à data da era cristão mais 4 mil anos, que seria a idade do mundo antes de Cristo. Desse modo, estamos no ano de 6017 (2017).

Outras origens são ou certamente lendárias, como a vinculação com a Ordem dos Templários, ou pelo menos, secundárias, como a ligação com a Rosa-Cruz. Em 1723, um novo Livro das Constituições, estabelecido por ordem da Grande Loja da Inglaterra pelo pastor Anderson, foi adotado e constitui desde então a carta magna maçônica, modificada em 1738.

As  Constituições de Anderson são simples. Declaram que um maçom é obrigado, por sua natureza, a obedecer à moral e que não poderá nunca ser um ateu estúpido nem um libertino anti-religioso.  Acrescenta   mais que, se  no passado os  maçons estavam sujeitos em cada  país à obrigação de praticar a religião de seu país, agora se considera mais conveniente não lhes  impor nenhuma  religião.

Enfim, especifica-se que o maçom deve ser um “pacífico súdito dos poderes civis”. Da  maçonaria operativa (pedreiros) as Lojas conservaram a linguagem dos ritos e dos símbolos.

Na França, formaram-se Lojas sob a obediência da Grande Loja da Inglaterra. As primeiras datariam de 1725. Em 1737, Ramsay, escocês naturalizado francês, escreveu o célebre livro “Discours du chevalier”, onde tratava da maçonaria da França e expunha o que denominava as virtudes maçônicas: a humanidade, uma sadia moral, manter o segredo, ter o gosto pelas ciências úteis e pelas artes liberais.

Acrescentava o ideal remoto de uma República universal, pela maçonaria. Eis o primeiro esforço de unidade realizado sem a cooperação inglesa. As Lojas maçônicas reuniram-se para instituir um grão-mestre, que foi o duque d’Antin (1738). No resto do século XVIII, a maçonaria desenvolveu-se com incrível rapidez na França, nas outras nações da Europa e nas Américas.

Todas essas organizações pareciam proceder de um mesmo espírito, mas não tiveram  relações muito estreitas. As Lojas maçônicas criaram dignidades novas, os Altos Graus. Entre os maçons operativos (pedreiros) havia apenas 3 graus: aprendiz, companheiro e mestre. Algumas Lojas, como as Loja azuis, também conservam apenas esses graus.

Além dos três graus, a maçonaria anglo-saxônica reconhece ainda graus secundários. Outros ritos têm os chamados graus superiores. Os Altos Graus constituíram uma espécie de maçonaria aristocrática, ao serviço das pessoas distintas da Corte e da Cidade. Tais graus, traduzidos por títulos pitorescos, perpetuaram-se até nossos dias. Para mediar a anarquia nos agrupamentos maçônicos franceses, a Grande Loja, cedeu lugar, em 1773, ao Grande Oriente, que perdura até hoje.

Apesar disso, não se logrou realizar a unidade, visto que a maçonaria escocesa preservou sua existência distinta. Idéias principais que caracterizam o substrato do espírito maçônico: Fidelidade à existência de Deus. De um Deus bastante incerto, o GRANDE ARQUITETO DO UNIVERSO que não é necessariamente o Criador.

A maçonaria não assume como finalidade a fraternidade e a solidariedade humana. Professa a filantropia. Pode-se atribuir-lhe uma espécie de filosofia moral, que consiste em reconhecer a legitimidade dos apetites humanos, mas com a obrigação de satisfazê-los com ordem, medida e método.

A ideia da tolerância lhe advém de uma tendência acentuada ao sincretismo. A maçonaria crê na bondade natural do homem, no progresso humano indefinido. Pretende ser o guia da humanidade a caminho para uma harmonia universal.

No século XVIII, os chefes aparentes da maçonaria eram grandes senhores próximos do trono. Os nobres exerciam o papel de atração. Membros do clero (secular e regular) eram numerosos. Havia até mesmo bispos maçons. Ainda não se estudou o que aconteceu com os frades maçons durante o período revolucionário.

A maçonaria declarava-se fiel à monarquia. Alguns maçons, como José de Maistre, que foi monarquista, viam na organização um instrumento de conciliação, segundo a idéia de Ramsay, que queria reconduzir o ímpio ao deísmo e à fé.

Geralmente se afirma que a maçonaria em nada contribuiu para o nascimento das idéias filosóficas, que se desenvolveram quando a organização ainda não existia. Assim, parece que a filosofia foi somente um dos meios de sua difusão e de sua aceitação. O espírito que a inspirou parece ter sido de numerosos maçons. Essa era, aliás, a lógica de uma instituição sem Credo pessoal e que refletia o espírito de seu tempo e o servia.

A primeira notícia certa acerca da maçonaria propriamente dita no Brasil data do manifesto, de 1823, fornecido por José Bonifácio, dirigido aos maçons do todo o mundo, dando conta de que fora instalada a primeira loja, em 1801, com o título de “Reunião”, filiada ao Grande Oriente da França e adotado o Rito Moderno ou Francês. No ano seguinte, em 1802, encontramos na Bahia a loja “Virtude e Razão”, funcionando no mesmo Rito Francês. Portanto, podemos dizer que a maçonaria brasileira é filha da maçonaria francesa.

Da França veio o Rito Moderno com que o Grande Oriente atingiu a maioridade. Quando o Grande Oriente de Portugal soube da existência, no Brasil, de uma loja regular e obediente ao Oriente Francês enviou, em 1804, um delegado, a fim de garantir a adesão e a fidelidade dos maçons brasileiros. Mas o delegado não foi feliz no modo com que queria impor suas pretensões.

Com a fundação da loja “Comércio e Artes”, em 1815, no Rio, iniciou-se uma era mais sólida para a maçonaria brasileira. Esta loja existe até os nossos dias, mas só conseguiu firmar-se definitivamente em 1821. Com efeito, em 1818, D. João VI proibiu “quaisquer sociedades secretas, de qualquer denominação”. Mas a campanha da Independência do Brasil preservou a existência da Loja “Comércio e Artes”.

Durante o Segundo Império, teve a maçonaria grande prestígio e influência, inclusive e principalmente na política, pois contava entre seus membros altas personalidades na atualidade à maçonaria brasileira, quer queiramos ou não, embora muito grande tanto em quantidade e qualidade, não tem a  força, a importância  e nem a influência que teve no Império e no começo da  República.

 É fácil se dar bem com pessoas iguais a nós, com as mesmas crenças e culturas semelhantes. Mas é só quando temos contato com pessoas diferentes  é que  realmente colocamos à prova a nossa capacidade de aceitação humana.

A humanidade, em toda a sua história, está acostumada a julgar e matar quem é diferente, porque é mais fácil exterminar o desconhecido do que tentar aprender com ele.

A/D



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares