Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

terça-feira, 24 de outubro de 2017

AS SETE CIÊNCIAS DO GRAU DE COMPANHEIRO

1. Introdução.

Este trabalho objetiva demonstrar aos amados IIr.'. as origens das Sete Artes Liberais e o seu simbolismo na Maçonaria.


2. O Nascimento do Homem.

Em sua essência física, os homens nascem todos iguais, chegamos ao mundo nu, assustado, chorando, cada novo ser humano, porém, têm suas particularidades, uns serão no futuro mais inteligentes, outros mais humanos, alguns mais violentos, uns voltados par o bem de todos e outros voltados ao seu próprio bem.

Cada um com seus dons desenvolverão uma profissão, alguns não serão nada, outros ainda serão um peso a ser carregado pelos demais por ter enveredado pelos caminhos do vício e desperdiçado todos os dons que recebera. Embora sejamos todos física e organicamente semelhantes, cada homem tem suas particularidades intelectuais e sua consciência bem definida, cada qual estabelece suas prioridades de vida, uns desejam ser bons pais, outros desejam fortuna, uns se contentam em ter poucas posses e empregar todo seu tempo em ser mais sábio. seria a sabedoria um dom tão valioso que não poderia ser comprado nem vendido?

Nos primórdios da humanidade a situação era semelhante, os homens de modo instintivo foram vencendo as dificuldades e os perigos e vivendo, com o descobrimento do fogo, da roda, das ferramentas de pedra, dos metais, da fala e da escrita, através das gerações transferiram o lento conhecimento acumulado. Nos dias atuais, podemos aplicar diversos conceitos simples que nossos antepassados descobriram ao custo de muitos anos.apesar de elementares, estas grandes descobertas, foram basilares na evolução do homem e do conhecimento.


3. A Evolução do Conhecimento.

A Epistemologia ocupa-se da definição do saber e dos conceitos correlatos, das fontes, dos critérios, dos tipos de conhecimento possível e do grau de exatidão de cada um, bem como da relação real entre aquele que conhece e o objeto conhecido. Os sofistas gregos duvidavam da existência de um conhecimento objetivo e confiável, em contraposição Platão, e quase na mesma linha Aristóteles, afirmavam que era possível adquirir conhecimento com base na observação dos fatos, tomando como base o raciocínio abstrato da matemática e da filosofia (Platão) e que o conhecimento deriva da experiência e da aplicação da lógica (Aristóteles).

A partir do Séc. XVIII até o Séc. XIX, surgiram outros movimentos filosóficos como o racionalismo, o empirismo, o fenomenológico, os neo-realistas e os realistas críticos. Tantas vertentes sobre o mesmo assunto culminaram em tal emaranhado de conceitos resultando numa enorme confusão verbal.

Atualmente duas correntes filosóficas parecem se sobrepor à antiga epistemologia, trata-se do positivismo e da filosofia analítica, apostando numa só forma de conhecimento, o científico. Baseia seus trabalhos no conhecimento, na percepção e na probabilidade.

O fato de a história nos apresentar tantas correntes de pensamento filosófico, muitas vezes conflitantes, aqui brevemente comentado, nada mais serve para ilustrar quão importante é o exercício de usar o intelecto, cada uma destas correntes pode se apresentar obsoleta, gasta, atrofiada, porém, deu sua colaboração para atingir o atual estágio de conhecimento no qual hoje vivemos.

Alguns destes conceitos filosóficos foram à base dos ensinamentos ministrados nos antigos Gymnasium , centros de ensino de corrente humanista organizados a partir do Séc. XVI e quase sempre nas mãos da Igreja Católica ou por ela dirigidas. Em latim eram ministrados as ciências do Companheiro, conhecidas no mundo profano como as Artes Liberais.

O Trivium abrange os conhecimentos da Gramática, Retórica e da Lógica, e o formado nestas ciências recebia o título de diplomado. O Quadrivium outorgava o título de licenciado em artes, abrangia o estudo da Aritmética, Astronomia, Geometria (englobava o estudo da Geografia e da História Natural) e da Música.


3.1 O Trivium.
3.1.1 A Gramática.

Esta antiga arte liberal, etimologicamente oriunda da letra grega Grama, é arte de escrever de forma ordenada e qualificada, de forma a repassar o integral conteúdo do que se deseja transmitir a quem lê.

A Gramática pode ser considerada a base das demais ciências liberais e também das novas ciências, já que se torna necessário que o conhecimento tenha o ideal registro histórico através da escrita, para que as gerações acumulem os conhecimentos adquiridos em cada época.


3.1.2 A Retórica.

Muito parecida com a Gramática, a Retórica usa a oratória para repassar a ideia, o ensinamento, o conceito a quem se dirige à palavra. Não apenas com a simples comunicação, mas fazendo o uso da persuasão e da eloquência, tornando a fala elegante e comunicativa.

Falar bem é por si só uma forma de convencimento, e independe dos dons natos tratados no início deste trabalho como bem esclarece Rizzardo da Camino: “A Eloquência é a arte de bem falar, inata em alguns e cultivada em outros; pode ser o resultado de estudo, transformando-se em algo artístico, como também pode resultar de um dom natural”.

A Retórica pode ser conquistada por qualquer um, podendo ser comparada a pedra bruta quando mal sabemos nos comunicar, e a pedra cúbica quando por meio do exercício da leitura, da prática da escrita e do uso da reflexão convergimos o esforço no sentido de expressar o que desejamos corretamente e através da palavra.

Em particular, é importante aos Maçons o exercício da Retórica, pois se devemos servir de exemplo devemos cuidar especialmente do que proferimos a outrem, fazendo sempre o uso da verdade, e quando o fizer, tomar sempre o cuidado de fazê-lo com propriedade e buscando a verdade.

Deve ainda o Maçom, interpretar bem quando ouvinte, buscando decifrar os laços e armadilhas enrustidas em tão bem maquiavelicamente tramados discursos dos que fazem uso da retórica para alcançar objetivos muitas vezes escusos.


3.1.3 A Lógica.

A Lógica clássica ou tradicional foi enunciada pela primeira vez por Aristóteles, que determinou as leis para um raciocínio correto mediante silogismos .

Pode ser definida como a ciência que trata dos princípios válidos do raciocínio e da argumentação. Em síntese, a Lógica é o meio pelo qual se chega à conclusão baseadas em determinadas proposições ou premissas. É um conjunto de regras, ou normas que regulam e padronizam o pensamento em busca do correto, do verdadeiro, do certo, do justo.


3.2 O Quadrivium.
3.2.1 A Aritmética.

De origem árabe, os números são a representação de quantidade. Fazemos uso destas representações para realizar cálculos aritméticos, bem como de ciências correlatas como a Álgebra por exemplo. De um modo bem conpêndioso, é o domínio das quantidades, das operações básicas, adição, subtração, multiplicação e divisão.


3.2.2 A Astronomia.

Antes de qualquer coisa é preciso esclarecer a diferença entre Astronomia e Astrologia. Pesquisando o dicionário encontramos a definição de cada um: astronomia: S. F. Ciência que trata dos astros e de tudo que lhes é relativo. (do gr. Astronomia.); enquanto Astrologia é: S. F. Suposta arte de predizer o futuro pela observação dos astros. (do lat. Astron+logos.).

Desta forma, enquanto a Astronomia estuda os astros e corpos celestes tentando desvendar seus mistérios, descrever suas órbitas e movimentos, sua idade, sua luminosidade, a Astrologia fazia uso dos astros para fazer adivinhações.

A confusão em torno da Astronomia e da Astrologia advém dos tempos mais remotos, algumas civilizações antigas tinham nos astros, diurnos ou noturnos seus deuses, e a eles dirigiam suas celebrações rogando por boas colheitas, por vitórias nas guerras, etc.

Não passa de uma conjectura, porém, a partir desta ótica pode mesmo ser a Astrologia a grande motivação da Astronomia, já que, com a prática sequenciada da contemplação dos corpos celestes com fins religiosos e místicos, foi possível estabelecer relações dos astros com determinados comportamentos das colheitas, assim como do movimento das marés, mas repetindo, não passa de mera suposição particular ainda que com alguma validade, já que na literatura consultada nada consta nesse sentido. Desta forma, astronomia não pode ser declarada como uma ciência, mas sim como arte.

A Astronomia, esta sim uma ciência, teve grande importância no passado, e não se sabe os limites de sua expansão. Os antigos navegadores tinham como o instrumento de orientação o Astrolábio , inventado pelos gregos ou alexandrinos em 150 A.C. e posteriormente aperfeiçoado pelos árabes; este instrumento determinava a localização da embarcação e o rumo que devia tomar com base nos astros.

A Astronomia foi também motivo de disputas entre estudiosos e a igreja, resultando em algumas condenações e mortes na fogueira, num flagrante exemplo de intransigência e de censura à busca da verdade que se contrapõe a dogmas e esdrúxulos.

Por fim, apenas ensaiamos a conquista espacial, as dúvidas são muitas: estamos sós? Vamos colonizar algum planeta? Vamos conquistar outros planetas? Poderemos ser conquistados? Muitas verdades ainda virão à tona no campo da Astronomia.


3.2.3 A Geometria.

A Geometria é a parte da matemática que estuda as possibilidades métricas aplicadas a um espaço. A Maçonaria Operativa fez uso dos conceitos da geometria nas edificações por ela erigidas, e num breve olhar, veremos representados pelo Templo Maçônico veremos vários símbolos com ela relacionados, são triângulos, ângulos, retas, círculos, instrumentos necessários para traçar e medir estes espaços; todas essas referências tornam a geometria a ciência com maior representação simbólica no Templo Maçônico.

Cabe ainda chamar a atenção para a Letra G, que no Rito Moderno tem seu lugar no centro da Estrela Flamígera, com forte iluminação interna, a dois metros de altura ao lado da Coluna B. Esta letra representa entre outras coisas a Geometria, que é um dos fundamentos da ciência positiva, que vem nos ensinar “...a modelar os indivíduos no sentido de manter o seu lugar aqueles que lhes convier melhor, no edifício social”.


3.2.4 A Música.

É a combinação de sons de instrumentos ou vocalizados de forma harmoniosa e organizada resultando numa composição. Pode ser solo ou conjunta com outros instrumentos iguais ou diferentes, pode ser sacra ou profana.

A Música faz parte do folclore de cada região, podemos citar o Fandango de origem espanhola e regionalizado pelos gaúchos e nordestinos, o Repente e a Embolada, o Caipó, o Cateretê, Maxixe, Macule, para ficar somente no Brasil, mas cada época e cada região do mundo tem na música e por extensão na dança a representação da sua cultura.

As musicas tem como função, o entretenimento, auxílio ritualísticos profanos ou religiosos inclusive os fúnebres. Pode ainda manifestar movimentos e apelos sociais como na música Brasil – mostra a tua cara (que devia neste período de moléstia em que vivemos na política brasileira se transformar em nosso hino). E num sentido amplo, a música representa os valores centrais de uma sociedade.


3.3 As Ciências Derivadas das Artes Liberais.

Se nos remotos tempos onde os conhecimentos eram transmitidos no Gymnasium as artes restringiam-se apenas a Sete Ciências, estas formam a síncope de todo o conhecimento moderno, do rudimentar tambor que marcava a marcha dos guerreiros ou ecoava avisos partimos para as orquestras que reúnem dezenas de músicos afinados e harmonizados em uma mesma construção musical.

A Geometria pode não ter evoluído muito, mas a sua aplicação parece não ter limites, por ela podemos fazer a distribuição da nossa sala de estar e é o instrumento pelo qual arquitetos e engenheiros erguem pontes, viadutos, represas, arranha-céus.

Se a Astronomia era o grande meio de orientação nas navegações na idade média, foi ela que proporcionou o novíssimo GPS (Global Positioning System) por meio do entendimento dos movimentos terrestres e da órbita. Assim como a Geometria a Aritmética quase não mudou com os tempos, embora alguns matemáticos cada vez mais criam fórmulas complexas buscando através da Matemática comprovar suas teorias; também a Aritmética não tem limites à sua aplicação.

As ciências do Trivium, Retórica, Lógica e a Gramática, seguem esta mesma linha, sua aplicação é universal, e até quem não as conhece faz uso delas sem saber que um dia foram disciplinas das mais importantes.

As Artes Liberais, ou Ciências do Companheiro, são o ponto de partida da evolução, do detalhamento de cada uma destas ciências, surgiram às ciências modernas, e o modo que vivemos atualmente. O conhecimento humano analisado graficamente segue em uma progressão geométrica infinita, onde a cada período o nosso conhecimento é elevado ao quadrado. Poderia a Matemática provar que nosso conhecimento é finito? Graficamente, o conhecimento humano poderia ser representado em uma linha reta (ápice do conhecimento)? Fica a questão para ser respondida por quem entende de Matemática, ciência na qual nunca passei de Aprendiz.


4.0 O Nível e a Alavanca.

A Terceira Viagem na Iniciação do Aprendiz a Companheiro é dedicada às ciências, ou artes liberais. O iniciando caminha pelo Ocidente segurando na mão esquerda uma Alavanca apoiada sobre o ombro esquerdo, na mão direita retém o Nível. O Ir.'. 1° Experto conduz o candidato a Companheiro até próximo do triângulo do Secr.'. onde lê a placa com os dizeres as ciências.

O simbolismo da Terceira Viagem vem nos ensinar sobre as dificuldades e como suplantá-las, a Alavanca, símbolo do esforço e da força, é o instrumento pelo qual devemos nos inspirar a não nos reter em contemplar os problemas, devemos partir para ação, para a execução, para a materialização; por outro lado o Nível, simbolizando a ciência, transmite o conceito de que o esforço deve ser malhado pelos golpes do conhecimento, de forma a não desperdiçar nossa força.


5.0 Conclusões.

O conhecimento humano não tem limites, comparando as Artes Liberais com o atual estágio do nosso conhecimento, talvez não fossem estas mais do que algumas páginas de uma volumosa enciclopédia; difícil mensurar, da mesma forma não há como relegar a sua importância por dois motivos: formam a base do conhecimento e tem aplicação comprovada até nossos dias.

A Terceira Viagem vem corroborar alguns dos fins da Maçonaria, o progressismo e o evolucionismo. Oras, como maçons devemos ainda abraçar a causa da evolução e do conhecimento verdadeiro, e, portanto defender as cores da evolução e do progresso, sem, no entanto nos atermos simplesmente com a força da alavanca, antes de tudo, humildemente, é preciso que vistamos o manto do saber procurando nos instruir.

Por fim, o saber mais não deve ser nunca motivo de superioridade, devemos nos lembrar de que, apesar de progressistas e evolucionistas os Maçons combatem a ignorância, que é: “...saber pouco, saber mal o que sabe, e saber coisas outras que deveria saber...", portanto, quem tem o saber deve antes de tudo, usando a Aritmética, somar o seu conhecimento com os IIr.'., multiplicando o saber e dividindo trabalhos, para que se diminuam os obstáculos.



6.0 – Fontes Bibliográficas.

1. O Companheirismo Maçônico, Rizzardo da Camino, Edição Digital, Livraria Maçônica Paulo Fuchs.
2. Ritual do Grau de Aprendiz, Grande Oriente do Brasil, Edição de 1999.
3. Ritual do Grau de Companheiro, Grande Oriente do Brasil, Edição de 1999.
4. O Companheiro no Rito Moderno, Melkisedek – A Gazeta Maçônica (em revisão).
5. Enciclopédia Microsoft Encarta,


Um comentário:

  1. Excelente Trab.'.
    À titulo de contribuição, no final do 4º parag.'. cap.'. 3.2.2, há um erro de grafia; ali está escrito "Astronomia" quando deveria ser "Astrologia".
    Um TFA
    Washington Farias de Araujo
    washington@vetorial.net

    ResponderExcluir

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares