Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

FÉRIAS MAÇÔNICAS? VOLTEMOS AO TRABALHO!




Mais um ano se foi e iniciamos nossas "Férias Maçônicas".

Mas, espere um pouco... Nosso trabalho é tão pesado assim, que exija que descansemos de tão "fatigante" labuta?
  
Permito-me transcrever trechos de um artigo publicado pelo Ir.’. José Castellani, insigne pensador maçônico. Mesmo que não concordem, por favor, reflitam sobre suas considerações a respeito do assunto:

Segundo Castellani: "Férias maçônicas" é uma invenção brasileira deste século e que vem sendo cada vez mais "esticadas", para satisfação daqueles que creem que trabalho maçônico é estafante.

No Grande Oriente do Brasil temos, ultimamente, o alentado período de 30 dias -- 20 de dezembro a 20 de janeiro –-para que "cansados" maçons repousem de seu "pesado" trabalho ... simbólico de operário. Isso, todavia, nem sempre aconteceu.

A partir do final do século passado, algumas Lojas começaram a fazer um pequeno hiato em seus trabalhos, da véspera de Natal até ao dia de Reis, a 6 de janeiro. Posteriormente, porém, iria haver um aumento, em uma Obediência --- queria se estender às demais e até ser esticado -- de forma pitoresca: A 25 de janeiro de 1955, era inaugurado o edifício-sede do Grande Oriente de São Paulo que, para os padrões da época, era um prédio opulento: 2.320 metros quadrados de construção; quatro templos para trabalho de 24 Lojas e mais um templo nobre; um subsolo e mais três andares, servidos por elevador; templos aerificados, através de um sistema de insuflação de ar fresco; dez instalações sanitárias completas; oito Câmaras de Reflexão, com dispositivo para ver-se, de fora, o que se passa dentro, sem que, do interior, se perceba.”

Castellani prossegue: “Evidentemente, um prédio tão grande e complexo é de difícil manutenção; em menos de três anos depois de sua inauguração, o edifício já necessitava de reparos. Diante disso, o Grão-Mestre Benedito Pinheiro Machado Tolosa estendeu as férias maçônicas -- que, então, iam de 24 de dezembro a 6 de janeiro -- até ao dia 18 de janeiro, diante da necessidade de se proceder a reparos, limpeza geral e pintura parcial do edifício-sede. Nos dois anos seguintes, pelo mesmo motivo, elas foram estendidas até ao dia 20.

E a coisa acabou, rapidamente, se tornando "tradicional", mesmo que os motivos tenham sido esquecidos e mesmo que nem se pense em reparos e pinturas, chegando, mesmo, até às Constituições do Grande Oriente do Brasil, as quais, antigamente, eram omissas, não fazendo qualquer alusão a férias. Acabou, alem disso, chegando a outras Obediências, que, até, talvez adorando a ideia, esticaram mais ainda as tais "férias" e os maus exemplos, geralmente, frutificam; ou seja: passarinho que anda com morcego acaba dormindo de cabeça para baixo.

E, até hoje, não apareceu ninguém para extirpar essa prática, que é esdrúxula, porque o trabalho maçônico é constante e ininterrupto, como o de outras entidades filosóficas, iniciáticas, assistenciais e de aperfeiçoamento do Homem (seria, realmente, cômico, se a Igreja, por exemplo, entrasse em férias). Coisas como essa é que desgastam a Maçonaria brasileira, reduzindo-a a condição de simples clube, ou sociedade recreativa, o que contribui para corroer a sua credibilidade pública.”

Castellani finaliza: “Como, notoriamente, o uso do cachimbo faz a boca torta, será difícil acabar com essa invenção, pois as justificativas são muitas: Uns alegam que é preciso dar férias aos funcionários das Lojas, esquecendo-se de que qualquer empresa, ou sociedade, dá férias aos seus funcionários, sem fechar assuas portas.

Outros, no exercício do mais profundo egocentrismo, justificam as tais férias, com a necessidade de aproveitar as férias escolares e viajar com a família, esquecendo-se -- intencionalmente, é claro -- de que, se os filhos têm três meses de férias escolares, qualquer trabalhador tem, no máximo, 30 dias, anão ser que seja um nababo miliardário, ou um desocupado crônico. “Alem disso, muitos maçons, já maduros e sem filhos em idade escolar, gostariam de frequentar os trabalhos maçônicos, constantemente, mas são tolhidos pela ditadura egoísta dos que acham que, se eles não podem frequentar os outros também não podem.”

Agora, digo eu:

É muito provável que meus mestres, com longos anos de vivência na Ordem e já acostumados com este período de recesso, argumentem: Mas como é que um Companheiro que chegou ontem aqui tem a petulância de insubordinar-se contra algo já enraizado em nossos costumes?

Ocorre, meus IIr.’., que vivemos outros tempos; tempos que parecem correr mais depressa; tempos que sugerem ações mais rápidas e eficientes.Vivemos numa época em que nossos inimigos não dormem (e, muito menos, tiram férias).

Não podemos nos dar ao luxo de baixar nossa guarda, de fechar às portas de nosso templo de 19 de dezembro a 1º de março. São quase 2 meses e meio de paralisação total de nossas atividades.

Os tempos atuais não mais nos permitem tal condescendência.
Pelo exposto, peço que meus Mestres me perdoem por discordar da ordem vigente, mas, foi-me ensinado que deveria trabalhar a Pedra Cúbica com Liberdade (liberdade para expressar meus pensamentos sempre que mandar minha consciência); com Firmeza (firmeza que me permita arguir com elegância àqueles que não concordarem comigo); e, por fim, com Dedicação (dedicação para defender a plena liberdade de expressão do pensamento, como direito fundamental do ser humano).

Por tudo isso, solicito que os IIr.'. reflitam se não haverá chegado o momento de revermos nossa posição sobre o assunto e se não seria hora de nossa Administração voltar a ter o mandato de 2 anos e não pouco mais de 1 ano e meio, como está acontecendo hoje, se considerarmos os meses de recesso.

VOLTEMOS AO TRABALHO!!!

Autor: C.’.M.’. Paulo César Fiuza Lima
B.’.A.’.R.’.S.’.L.’. Regeneração Catarinense n. 138
Florianópolis – Santa Catarina


2 comentários:

  1. Bom dia a todos,

    Gostaria de saber mais detalhes sobre como se tornar um membro da Maçonaria e si posso ser um membro.
    Caso seja possível me informar fico muito agradecido, pois tenho vontade de ser um membro.
    Meu cel. 11 - 998975813/ email - ferreirawillian@ig.com.br

    Obrigado pela atenção.

    Willian Ferreira

    ResponderExcluir
  2. É possível, desde que cumpridas algumas formalidades. Entre em contato com a Loja Maçônica mais próxima de sua atual residência e manifeste seu interesse em ingressar na Ordem.

    ResponderExcluir

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares