Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

O SIGNIFICADO DAS SIGLAS S.’.S.’.S.’. E S.’.F.’.U.’. NA MAÇONARIA


Duas siglas, com significações diferentes, que merecem um estudo especial, diante das constantes demonstrações de dúvidas, não apenas quanto às respectivas significações, mas quanto ao uso correto de cada uma e, face à quantidade crescente de informações sobre o tema, torna-se interessante buscar-se um aprofundamento no assunto, visando, desta forma, não expor-se a situações vexatórias diante daqueles que dominam o conhecimento da origem e dos Ritos a que se subordinam.
De conformidade com informações dadas por Maçons mais antigos, grande parcela dos erros cometidos em relação a estas Siglas ou formas abreviadas, é atribuída aos Secretários das Lojas, alguns dos quais, durante a leitura do expediente, das pranchas recebidas com essas abreviaturas, por desconhecerem a sua exata significação, pronunciavam, de forma rápida, em relação aos três “S” (S.’.S.’.S.’.), o seguinte: *saúde, saúde, saúde*ou, ainda, *salve, salve, salve* formas que causavam indignação àqueles que conheciam a representação exata das ditas letras.

Segundo José Wilson Ferreira Sobrinho, em sua obra Legislação Maçônica, publicada pela Editora Maçônica “A TROLHA” Ltda., foge à lógica que algum Maçom possa valer-se da repetição, por três vezes seguidas, de um mesmo termo de significação repetitiva, em que pese como dizia o saudoso Castellani, os modismos e achismos que se instalaram na Maçonaria, para corresponder a uma saudação, a um cumprimento relativo à maneira de intróitos vocativos epistolares. Destarte, não há que se conceber válidas qualquer das traduções supra destacadas, isto é; *saúde, saúde, saúde* ou *salve, salve, salve* e, no entanto, há escritores e dicionaristas maçônicos, que aprovam a tradução ou a significação de *S.’.S.’.S.’.* como sendo *saúde, saúde, saúde*, a exemplo de Joaquim Gervásio de Figueiredo, à p. 486, do Dicionário de Maçonaria, editado em São Paulo, pela Editora Pensamento.

Ainda, na conformidade com José Wilson Ferreira Sobrinho, dedicando-se o devido respeito a essa opinião do dicionarista, não é recomendável aceitar-se tal concepção, por não corresponder a uma saudação epistolar maçônica, mas simplesmente vulgar, e talvez criada por aqueles secretários de que falamos, para encontrar satisfação, ainda que aparente, da significação dos três “S”.
O dicionarista, no item 2 (dois), da explicação dicionaria, refere-se ao grau 28 (vinte e oito) dos Graus Filosóficos, do Cavaleiro do Sol, que é uma homenagem ao Sol, infundidor de calor da alma e da luz da inteligência, imagem tangível da divindade.

Esta imagem do Sol ocupa o centro de um triângulo inscrito em um círculo, contendo em cada ângulo um “S”. Portanto, três “S”. Estes “S”, significam, respectivamente, *Stella, Sedet e Soli* e, também, *Sciencia, Sabedoria, Santidade* (idem, ibidem) sendo que a primeira pode ser considerada pela seguinte tradução: “Da terra, a estrela está sempre presente” e maçonicamente ela pode ser interpretada como se enquanto o homem permanece na realidade material (terra) deve alçar-se na direção do espiritual (estrela) ou para referir que existe um elo entre o homem, representando a terra e a esfera metafísica, representando a estrela. Mas estes três “S”, nada tem, pois, a ver com a forma abreviada S.’.S.’.S.’., já que estes são uma saudação vocativa e não verbal, enquanto as três letras “S” nos ângulos do triângulo, corresponde, uma delas, ao verbo SEDERE, utilizado na forma verbal SEDET, que inviabilizaria a saudação epistolar, por não ser vocativa e, ainda, por ser uma importação dos altos Graus e que não se compatibiliza com os Graus Simbólicos.

Infere-se, deste modo, que a significação das três letras “S”, tem sido desviada, pela maioria dos Maçons, da sua verdadeira significação. Nem é *saúde, saúde, saúde* e nem *salve, salve, salve.* No julgamento de que a tradução das letras S.’.S.’.S.’. tem sido, deturpada, desfigurada, modificada, deformada, descaracterizada, etc., pela, pasmem vocês, maioria dos Irmãos de todos os ritos que a usam, que as traduzem, interpretam, manifestam e as exprimem por “saúde, saúde, saúde” e outros que as demonstram, explanam, vertem e entendem por “salve, salve, salve”, cumpre-nos referir que a significação real, não corresponde a nem uma e nem outra das formas acima apresentadas.

Estas três polêmicas (porque alguns assim as fazem) letrinhas, significam abreviadamente, a princípio, as três colunas de sustentação do Templo Maçônico, que assim se escreviam no antigo e maravilhoso Latim, as quais, em ordem alfabética teriam a seguinte disposição: *SALUS, SAPIENTIA, STABILITAS.* Contudo, considerando a hierarquia a que as colunas representativas dos sustentáculos da Loja estão subordinadas, tais palavras da expressão latina, passaram a ser traduzidas, na significação dos S.’.S.’.S.’., na seguinte ordem: *SAPIENTIA, SALUS, STABILITAS.* *SABEDORIA, SAÚDE, ESTABILIDADE*. O que podemos entender como correspondentes de cada uma dessas palavras?:

Por SAPIENTIA, entendemos agnação, ciência, cognição, compreensão, conhecença, conhecimento, consciência, cultura, domínio, educação, entendimento, equilíbrio, erudição, estudo, experiência, gnose, ilustração, informação, instrução, luz, juízo, percepção, proficiência, razão, reflexão, saber e sensatez e tantos outros vocábulos que traduzem a extensão do quanto se espera daquele que representa a coluna da Sabedoria, isto é: o Venerável Mestre.

Por SALUS, entendemos bem-estar, disposição, energia, higidez, resistência, robustez, saúde, vitalidade e mais algumas acepções que consubstanciam a Força, ou seja: o Primeiro Vigilante.

Por STABILITAS, entendemos, no aspecto de moral, calma, constância, continuidade, duração, equilíbrio, estabilidade, firmeza, fixidez, harmonia, imobilidade, impassibilidade, imperturbabilidade, imutabilidade, invariabilidade, manutenção, permanência, preservação, segurança, serenidade, solidez, subsistência e tranquilidade, requisitos que caracterizam a Beleza, isto é: o Segundo Vigilante.

Daí, infere-se que em um Templo, inteira e adequadamente composto, vemos, por essa razão, as três colunas de Minerva, Hércules e Vênus, que correspondem, respectivamente à Sabedoria, à Força e à Beleza, ou SAPIENTIA, SALUS e STABILITAS e, finalmente, aos Venerável Mestre, Primeiro e Segundo Vigilantes, representados por *S.’.S.’.S.’.*.

Como eu pratico o R.’.E.’.A.’.A.’., resta-me lembrar a todos os Maçons que também o praticam, que estas palavras são apostas no início dos Documentos Maçônicos e são pronunciadas, com vigor, ao se encerrar a Cadeia de União, respeitando, na Cadeia de União, a ordem Latina, isto é: Saúde (SALUS), Sabedoria (SAPIENTIA) e Segurança (STABILITAS).

Registre-se, outrossim, ao contrário de muitos Maçons que por desconhecerem os ritos existentes e suas origens, usam de forma errônea as palavras *S.’.F.’.U.’.*, que significam SAÚDE, FORÇA e UNIÃO, as quais nunca pertenceram e não pertencem ao R.’.E.’.A.’.A.’. e sim ao Rito de Emulação (York) e, portanto, jamais devem ser usadas e pronunciadas no Rito Escocês Antigo e Aceito e os que assim o fazem, expõem-se ao ridículo perante outros que têm o conhecimento da origem e do rito a que elas pertencem.
Autor: Reinaldo Kazuo Shishido


Um comentário:

  1. Querido Ir.'. Em conversa com o venerável mestre de minha loja, ele me pediu a fonte para averiguação. Desde já agradeço para elucidar nossas dúvidas.

    ResponderExcluir

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares