Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

OS “MAÇONS” INVENTADOS


Recentemente li um texto, onde o autor proclamou ter sido Martin Luther King maçom. Sabendo que os maçons são pródigos em “iniciar famosos à revelia” fui investigar o fato, fazendo contato com a “Masonic Research Society” (Sociedade de Pesquisa Maçônica).

De lá, respondeu-me o Dr. Tom Lewis Jr, Past Master (lá não existe a figura do MI) da Loja Mariner nº 2, oriente de Charleston – Carolina do Sul,  e também  membro da Loja Jackson nº 45 de Jackson - Tennessee.

Esclareceu-me o aclarado Irmão não existir na entidade qualquer registro pertinente à iniciação do Reverendo M. L. King Jr. E aduziu que, havendo consultado seu Venerável Irmão Nelson e ao Grão Mestre da Grande Loja, irmão T. A. Posey, também eles afirmaram não terem ouvido falar, nem visto documento algum que pudesse indicar eventual iniciação do entelado Reverendo.  Aguardo resposta do Memorial  Rev.  Martin Luther King Jr.

Como membro de uma Loja de Pesquisa que sou, fui atrás de outras fontes, havendo encontrado um texto do Dr. Brock H. Winters onde, em sua escrita, a exemplo dos demais consultados, nega peremptóriamente a existência de qualquer fonte a indicar a iniciação daquele líder.  Por mais umas semanas, continuei a investigar em fontes diversas, e descobri que após 32 anos de sua morte do Reverendo, numa ação totalmente absurda e sem precedentes , um Past Master da Loja Prince Hall, da Georgia, fez Martin Luther King Jr. “Maçon at Sight” (Maçom de Vista).  Uma Ordem Iniciática, não pode prescindir do Batismo ritualístco.

Em face desse aloprado ato, que culmina desacreditar nossa Sublime Ordem, o PM “Most Worshipful Master” da Loja Prince Hall, atual Grão Mestre da Grande Loja, da  Georgia, Irmão B. Barksdale, sustou a prática então adotada, pondo termo ao ato “post mortem”,  por falta de coerência do ato com a iniciação, vez que admitida unicamente em razão da fama e notoriedade do falecido.  Muitos famosos são apontados como Maçons por detratores da maçonaria, que acham estarem prejudicando os  indicados e a Maçonaria, em suas listas.

Fica o alerta; se um mestre disser que o Saci  Pererê  é maçom; não acredite.

Conclusão: os Maçons (os mestres) gostam de dizer que vultos eméritos revelados no passado e no presente foram Irmãos, talvez para se sentirem também famosos e importantes. Agindo dessa forma, parecem estar atribuindo à Ordem uma sociedade estabilizada por homens mortos, com o que desdenham a importância da iniciação e elevações e exaltações, atos que conduzem o espírito às alturas, autorizando serem reconhecidos como verdadeiros irmãos. 

O reverendo Luther King é apenas um caso entre centenas, onde se inclui Disney, Chaplin, Fernando Pessoa, Louis Armstrong, Mandela, Obama, Tiradentes, Aleijadinho e Castro Alves, nenhum deles com comprovação, por pífia que seja.  

Uma Ordem iniciática não pode prescindir da Cerimônia de Iniciação. Sem essa passagem não existe Maçom. Será que o atual estado de “anemia” da Ordem, com desprezo dos cerimoniais de iniciação, não tem origem nas veleidades desse tipo?  

Por - Laurindo R. Gutierrez*
*Loja de Pesquisas Maçônicas Brasil* -Londrina –PR
*Loja Pesquisas Chico da Botica-Porto Alegre






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares