Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

sábado, 8 de junho de 2013

MAÇONARIA SOB ALERTA VERMELHO NA FRANÇA.


Paris, 28 de maio de 2013 (AFP) - José Gulino, Grão-Mestre do Grande Oriente da França (GODF), primeira obediência maçônica do país, denunciou, terça-feira, “um crescimento da violência da extrema direita” em “um clima perigoso”, ao qual “é preciso colocar um fim o mais cedo possível”.

Gulino deu como prova disso a multiplicação dos atos antimaçônicos interpostos na semana passada, como a manifestação de “alguns 200 doidivanas de extrema direita, que vieram gritar slogans hostis ao Grande Oriente, sexta-feira, sob pretexto de que ele defende o casamento homossexual”.

Em uma ligação telefônica à AFP, o Grão-Mestre do GODF denuncia da mesma forma os “slogans antimaçônicos lançados (domingo) por grupelhos de extrema direita no cortejo conduzido pelo Instituto Civitas, que reuniu cerca de 2.800 integristas católicos e jovens nacionalistas”.

Ao longo de todo o percurso, os manifestantes cantaram “Nem laica, nem maçônica, a França é católica”, ou “o Grande Oriente tem que sair do governo”, após ter acusado as “forças ocultas” de sustentá-lo.

Para José Gulino, “eles reproduzem esquemas repugnantes, como o complô judaico-maçônico. Recordo que o primeiro decreto tomado pelo governo de Vichy implicou na dissolução do Grande Oriente da França”.

“Uma vez mais”, acrescentou ele, “não se sabe sair de uma situação difícil sem encontrar bodes expiatórios. Hoje, é o Islã que substituiu os judeus. Estamos em um clima de crescimento do integrismo, do fascismo, do racismo”.

Este é um “clima perigoso”, alarma-se o Grão-Mestre. “Este crescimento do obscurantismo, estas violências verbais e físicas, temos de interrompê-las o mais rápido possível. Devemos dar segurança aos nossos locais, tomar precauções, fazer um trabalho de memória, repetir a História. 60% das pessoas com menos de 24 anos não conhecem a palavra Vel d’Hiv (Razia Velódromo de inverno, de 16 e 17 de junho de 1942, em Paris, onde houve o maior aprisionamento de massa de judeus realizado na França durante a Segunda Guerra Mundial).

Ele está igualmente indignado com a demissão do padre Pascal Vesin, pároco da paróquia de Megève en Haute-Savoie, proibido pelo Vaticano de exercer sua missão em razão de sua dupla pertença à Igreja e ao Grande Oriente.

“Tenho a impressão”, confiou ele, “de me achar no tempo da Inquisição. Releio esta decisão como uma forma de obscurantismo medieval, a um recuo do viver fraternalmente, dos valores humanos. Para nós, a liberdade de consciência é absoluta”.

Para o Grão-Mestre do GODF, “há entre os políticos uma ausência de reação forte. Mas quando a República está em perigo, temos de preservá-la e defendê-la”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares