Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

TOLERÂNCIA - TEXTO MAÇÔNICO


A tolerância é uma das virtudes mais discutidas na Maçonaria. A palavra é bonita e usada com muita freqüência. Entretanto, a sua prática é demasiadamente difícil. Não porque evitamos praticá-la, mas porque é terrivelmente complicada, a demarcação dos seus limites, para sabermos onde ela termina, e onde começa a complacência ou mesmo a conivência.

Estabelecer esses limites não é fácil. Em cada caso, em que empregamos a tolerância, devemos analisar uma infinidade de ângulos, nos quais sempre estão em julgamento os procedimentos de Irmãos. Muitas vezes até a mudança de comportamento de um Irmão, nos obriga a usar de maior ou menor tolerância. Daí se nota a existência de uma gradação da tolerância. Como se estabelece ou situá-la, em determinados problemas.

É pôr este motivo, que não se pode colocar em cargos de decisão. Irmãos sem um elevado grau de bom senso e vivência maçônica, pois somente com essas condições, pode o Maçom, estabelecer o grau de tolerância, na gradação citada e adequada a cada caso.

O Venerável Mestre ou mesmo o Grão-Mestre, normalmente responsáveis pôr decisões deste tipo, têm o cuidado de estabelecer parâmetros determinantes ou uma espécie de círculo imaginário, em que se circunscreverá a tolerância.

Digamos que esses Respeitáveis Irmãos estabeleçam um grande círculo e nele circunscrevam dois círculos menores. No menor estará a tolerância, no médio a complacência e no maior a conivência.

O cuidado para não sair do círculo menor, o da tolerância, é uma constante. Isto porque, um descuido na lapidação das informações recebidas, pode dar a idéia de transigência com o erro, a permissão da violação do direito ou a conspurcação da moral. Se, pôr outro lado, mesmo sabendo que o erro foi realmente cometido, que a transgressão dos ensinamentos maçônicos foi verificada, temos que adicionar, como importante ingrediente para a tomada de decisão, os atenuantes inerentes ao faltoso.

Como assim? Atenuantes inerentes ao faltoso? Sabemos que o erro é próprio do homem. Determinadas circunstâncias obrigam a pessoa humana, ao deslize do caminho correto. Se um Irmão sempre agiu corretamente e, de um momento para outro, percebe-se um desvio em sua conduta, porque não colocarmos na balança, os dados positivos existentes em seu favor, e que até outro dia era motivo de aplausos. 

Esse passado bom representa um fator atenuante de suas faltas. Pelo sentimento de tolerância e porque não dizer de justiça, devemos considerar nesse julgamento, as coisas boas realizadas.

Pela tolerância, também devemos procurar ouvir o Irmão. Saber o que está acontecendo com ele, Quais são os fatos novos em sua vida, que o obrigam a descarrilar dos trilhos da virtude. Uns dizem que quando uma pessoa atinge idade avançada, transforma-se em sábio, pelos conhecimentos e vivência obtidos, mas alguns dizem que essas pessoas são simplesmente velhas.

No meu conceito, algumas realmente, ficam simplesmente velhas. Isso acontece com pessoas que atingiram a velhice, sem viver a vida, sem adentrar na arena, lutando pôr um ideal, procurando ser útil à coletividade a que pertence.

Esses são realmente velhos. Mas aquele idoso que lutou que não se importou com a possível derrota, que soube levantar-se, que analisou o motivo das quedas, que respeitou os seus adversários, que tirou proveito dos obstáculos encontrados, que compreendeu o procedimento alheio, que defendeu o seu ideal e o seu direito, que não se acovardou diante do perigo, esse não se transformou num simples velho com a idade avançada.

Este se transformou, realmente, num sábio. Na Maçonaria, os velhos são respeitados como sábios. Porque o Maçom é um líder. Na mocidade, eles trabalharam para nos legar esta Ordem, tão tranqüila e promissora. Esses velhos sábios têm o conceito de tolerância muito nítido dentro de si.

Eles sabem aumentar o raio de círculo da tolerância, nas horas em que um Irmão é julgado.

Eles viveram o bastante, para se enriquecerem com inúmeros exemplos de comportamento o erro, no extrapolar o círculo da tolerância e algumas vezes, até aceitam uma pequena incursão no círculo da complacência, mas nunca admitem a entrada no círculo da conivência, que seria a degradação moral.

Falando nos velhos, lembro-me que certa feita fui visitar uma Loja muito antiga. Lá estavam nas cadeiras do Oriente, quatro velhinhos. Verifiquei com a minha peculiar observação crítica, que aqueles Irmãos, não faziam corretamente os sinais, cochilavam, conversavam, ficavam muito alheios aos procedimentos ritualísticos.

Ao sairmos do Templo, o Irmão que me acompanhava naquela visita comentou: "Você viu aqueles Irmãos do Oriente? Conversavam o tempo todo, alguns dormiam, além do que, faziam tudo errado". Aquilo era um mau exemplo para os Aprendizes e Companheiros que estavam presentes. Achava ele, que o Venerável Mestre exagerava na tolerância, pois devia corrigir aquelas falhas.

Outro Irmão pertencente ao Quadro daquela Loja, e que nos acompanhava, respondeu, que um daqueles velhinhos que cochilava, foi o fundador da Loja e Venerável em mais de uma administração. Os outros foram também, verdadeiros baluartes no crescimento da Loja.

Representavam praticamente, a história da Loja. Um deles tinha cinqüenta anos de Maçonaria. Agora vejam só, a situação do Venerável Mestre.

Poderia ele chamar a atenção daqueles Irmãos? Pedir-lhes que não viessem a Loja, que estavam dispensados? Privar esses Irmãos, que tanto fizeram pela Loja, daquele convívio, que para eles a sua própria razão de viver? É evidente que o Venerável, com todas a sua sabedoria, jamais faria qualquer coisa, que viesse a aborrecer aqueles veneráveis Irmãos.

Os Irmãos Aprendizes e Companheiros, é que deveriam ser instruídos ou informados, da razão porque a Loja aceitava tais comportamentos. (grifo nosso). Hoje nós vemos Irmãos, que querem mudar tudo em Loja, porque tomaram conhecimento através de livros maçônicos sobre os fundamentos de determinadas práticas Maçônicas ou mesmo sobre a simbologia e ritualística.

Os Irmãos mais velhos, normalmente reagem a essas mudanças, mesmo ouvindo os fundamentados argumentos. Isso é louvável, porque esse desejo de mudanças nos jovens e o desejo de permanência dos velhos provoca um equilíbrio, fazendo com que as mudanças, que porventura venham a ser feitas, o sejam de forma racional e aceitas pôr todos, já que a evolução deve existir entre os Maçons, como vemos na simbologia existente na abertura da corda dos oitenta e um nós.


Portanto, meus Irmãos, a tolerância é o sentimento que tem o poder de propiciar a recuperação do culpado, conduzindo-o ao caminho do bem, da justiça e do dever.

Extraído do livro "ACONTECEU NA MAÇONARIA" de Alci Bruno Editora A GAZETA MAÇÔNICA - 1ª edição - outubro/1996

-- 
Votos de Paz Profunda e Prosperidade no Amor de Deus Pai, e de N.S.S.J.C.,
Agora e Sempre !

Ir. Waldemartins Bueno de Oliveira
" Omne nihil separat nos coniungit "

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares