Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

terça-feira, 28 de junho de 2016

O PRIMEIRO MAÇOM


Nas pedreiras de antigamente, o trabalho de cortar, desbastar e lavrar pedras era uma atividade de caráter iniciático. Trabalhava-se com maço, ponteira e  cinzel em etapas distintas, conforme se quisessem pedras para alicerce, para parede ou para acabamento.

Cada tipo de pedra era trabalhado por operários especialmente treinados para o mister. Daí as graduações que se estabeleceram entre aprendizes e profissionais. Mais tarde, a atividade do artesão do maço (o maçom), evoluiu para um tipo mais sofisticado de trabalho, que já se podia chamar de arte.

Foi quando ele começou a tirar da pedra outras formas, imitando a natureza no seu trabalho de formatação das realidades físicas. Esse tipo de trabalho demonstrava que o homem possuía uma inteligência criadora e que sua consciência podia ser refletida na natureza através das obras de suas mãos. 

A história da aplicação do engenho humano nas pedras se confunde com a história da evolução do seu próprio psiquismo. O termo maçom é derivado dessa ocupação e a espiritualidade que acompanha essa profissão é decorrente dessa projeção da consciência sobre a matéria, formatando coisas e objetos, numa imitação da própria atividade criadora de Deus.

primeiro maçom foi o homem que desbastou a primeira pedra bruta, transformando-a em material de construção. Daí dizer-se que a Maçonaria é tão antiga quanto a presença humana sobre a terra, pois ela é uma prática que pode ser considerada contemporânea dos primeiros grupos humanos.

É bom que se diga, entretanto, que essa antiguidade só pode ser colocada enquanto prática operativa e atividade especulativa. Não é a Maçonaria como instituição, porquanto esta só apareceu no inicio do século XVIII a partir do trabalho de Anderson e seu grupo [1]
  
É também nesse sentido que podemos definir a Maçonaria como a arte de interar a mente humana com os elementos da natureza para produzir obra de criação. Como prática operativa ela é o trabalho que constrói o mundo, e como atividade especulativa uma fórmula que aprimora o espírito. Em ambos os sentidos ela é arte de construir, é arquitetura.  

Nos antigos canteiros de obras do Egito e da Mesopotâmia já se costumava separar os trabalhadores em grupos distintivos pelos seus graus. Aprendizes não comungavam com Companheiros nem estes com seus Mestres Um sistema de senhas e códigos eram usados nos diversos níveis profissionais, garantindo dessa  forma o segredo profissional e o método de transmissão dos ensinamentos. [2]

No próprio canteiro de obras do Rei Salomão, por ocasião da construção do Templo de Jerusalém, havia, segundo a Bíblia, profissionais e aprendizes de todos os tipos, desde cavou queiros para abrir as valas, serventes para acarretar e transportar cargas, até mestres arquitetos e fundidores, como Hiram e Adoniram, este último também administrador da obra.

E foi a partir dessas antigas fontes que nasceu a tradição iniciática que inspirou a divisão da Loja Simbólica dos maçons modernos em Aprendizes, Companheiros e Mestres.  Assim, podemos dizer que a organização da maçonaria tem inspiração nos antigos canteiros de obras egípcios e especialmente em suas pedreiras, cuja hierarquia contemplava essa divisão, sendo a congênere medieval – as antigas corporações de ofício, que congregava os pedreiros livres- uma adaptação de suas ancestrais egípcias.

De outra forma, podemos dizer também que a tradição iniciática que acompanha a profissão do construtor foi desenvolvida mais por necessidade prática do que por motivos religiosos, Constituía um sistema pedagógico, que ao mesmo tempo em que proporcionava segurança aos seus membros, representava um meio de defesa para os seus mercados, pois além de regular o exercício do ofício, mantinha um número ideal de profissionais.

Essa tradição foi repassada aos canteiros de obras medievais. Foi nestes últimos que a tradição de separar os trabalhadores por seus graus de profissionalização sacralizou-se, especialmente pelo fato das organizações dos pedreiros medievais estarem estreitamente ligadas á Igreja.

Sendo a época medieval um tempo de intensa busca espiritual, a prática do ofício de construtor passou a ser uma forma de ascese, onde o trabalho da mente se unia ao esforço das mãos para construir a obra externa, que era o edifício propriamente dito, e a obra interna, que era o próprio espírito do construtor. É dessa época a ideia de considerar o corpo humano como uma morada de Deus, da mesma forma que o era a Igreja.

O primeiro maçom especulativo

Não há consenso entre os historiadores de quem teria sido o primeiro maçom especulativo, ou seja, a primeira pessoa não pertencente aos quadros profissionais dos pedreiros livres a ser admitida como membro em suas Lojas.

O mais antigo registro de uma iniciação desse tipo é o de John Boswell, lorde de Aushinleck  que, em 8 de junho de 1600 foi recebido como maçom aceito na Saint Mary’s Chapell Lodge (Loja da Capela de Santa Maria), em Edimburgo, na Escócia. Essa Loja teria sido fundada em 1228, no canteiro de obras preparado para a construção da Capela de Santa Maria, naquela cidade, que então era a mais importante da Escócia.

Era costume, naquela época, a organização de Lojas entre os pedreiros, pois assim se chamavam às assembleias dos obreiros que se reuniam para discutir sobre os assuntos referentes às obras e à profissão.

Após a iniciação de Lorde Bosswel, o processo de aceitação de maçons não profissionais se tornaria comum.

Logo se espalharia pelos canteiros de obras da Escócia, Inglaterra, Alemanha, França e outros países, de tal maneira que, ao final do século XVI, o número de maçons aceitos- então chamados de especulativos   ultrapassasse, os operativos. Assim, na primeira metade do século XVII, encontram-se registros de várias pessoas importantes sendo admitidas nas Lojas dos pedreiros livres.

Nomes como os de William Wilson, aceito em 1622, Robert Murray, tenente-general do exército escocês, recebido, em 1641, na Loja da Capela de Santa Maria, que se tornou posteriormente, Mestre Geral de todas as Lojas do Exército; o coronel Henry Mainwairing, recebido, em 1646, numa Loja de Warrington, no Lancashire e o famoso antiquário e alquimista Elias Ashmole, recebido na mesma Loja e no mesmo dia (16 de outubro) que o coronel Henry.

Na área da arquitetura os maçons operativos já haviam perdido a maior parte do seu prestígio, já que a forma arquitetônica tradicional deles, a gótica, já havia caído em desuso, eclipsada pela modelo neoclássico. Porém, em 2 de setembro de 1666, um grande incêndio irrompeu na cidade de Londres, destruindo mais da metade da cidade -cerca de quarenta mil casas e oitenta e seis igrejas.

Nessa ocasião, os maçons operativos foram chamados para participar do esforço de reconstrução da cidade, sob a direção do renomado mestre arquiteto Cristopher Wren, que foi logo iniciado maçom.  Foi no canteiro de construção da igreja de S. Paulo, que ele presidia que em 1691, foi fundada a Loja São Paulo (em alusão à igreja), conhecida como Loja da taberna "O Ganso e a Grelha", uma das quatro Lojas que, em 1717, iria, juntamente com as outras três Lojas londrinas, se unir para a fundação da Grande Loja de Londres. Nasceria dessa fusão a Maçonaria moderna. Londres só iria terminar em 1710.

  
[1] Anderson, por exemplo, situa o nascimento da Maçonaria no Éden e indica seu filho Seth como sendo o primeiro maçom histórico. “Entretanto, antes do nascimento da moderna maçonaria, com a fusão das Lojas Londrinas e o advento das Constituições de Anderson, havia Lojas que atribuíam essa primazia ao rei Nenrode, citado na Bíblia como “poderoso caçador” perante o Eterno”,  pela construção da famosa Torre de Babel.

Há também os que sustentam ser Moisés o primeiro maçom pelo fato de ele ter fundado a primeira e verdadeira fraternidade do mundo, ou seja, a nação de Israel. Da mesma forma, existem teses que conferem esse título a Zorobabel, o rabino judeu que liderou a reconstrução de Jerusalém após a volta do cativeiro da Babilônia. Esse parece ter sido o pensamento de André Michel de Ransay, por exemplo.
 
[2] Em nosso trabalho “Lendas da Arte Real”, identificamos Moisés com Osarseph, um líder dos trabalhadores das pedreiras, que organizou e liderou essa classe de trabalhadores no Egito, fundando uma poderosa organização. Isso teria ocorrido no século XIV AC, época em que a maioria dos historiadores acredita ter ocorrido o Êxodo israelita. Segundo Apion, esses trabalhadores, escravos na maioria, eram estrangeiros e as regras estabelecidas por Osarseph eram bastante semelhantes às que Moisés escreveu para os israelitas.

Por: João Anatalino


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares