Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

terça-feira, 4 de março de 2014

MEU RENASCIMENTO


Creio poder afirmar que minha iniciação começou antes mesmo da chegada ao templo, quando uma Ir:. em especial vai à minha casa, pede minha confiança, e que deixe de lado minha visão, sendo que mesmo na escuridão, a partir daquele momento não estaria mais sozinho, e sempre haveria uma mão a me ajudar.

Eis, que confiando nas palavras desta Ir:. percebo que estas eram mais que verdadeiras, pois o sentimento de confiança a qual ela se referiu perdurou em toda esta jornada, e ainda, além dela.

Dentre as várias caminhadas por lugares a mim desconhecidos, sendo eles hora estreitos, hora amplos, hora de degraus e hora gélidos, foi-me permitido refletir sobre tudo o que estava se passando, sobre a responsabilidade de entrar para tal Ordem, sobre a dificuldade de confiar nas pessoas no mundo profano, sobre a rapidez com que esta vida passa, sobre a insignificância das riquezas materiais, levando a descobrir dentro de mim uma enorme vontade de crescer como ser humano, de estar mais atuante em prol da sociedade na qual vivo.

Tudo isso foi enormemente fortificado no momento em que tiraram minha venda e vi que me encontrava em uma Sala de Reflexões, cuja qual já havia tido a oportunidade de ler um pouco sobre. Eis que nesse momento, me recordo da lenda que conta que Alexandre o Grande antes de morrer solicita três coisas aos seus Generais. Que os melhores médicos carregassem seu caixão, que seus tesouros fossem espalhados no caminho até seu túmulo e que suas mãos fossem deixadas vazias para fora do caixão. 
Ao ser questionado sobre o porquê de tais desejos, responde: Os médicos, para demonstrar a todos que quando sua missão neste mundo dá-se por findada, nenhuma medicina poderá curá-lo. O tesouro no chão, para que todos vejam que a riqueza material não é permanente, e que seus inimigos a roubarão enquanto seus amigos choram em seu túmulo. E por fim, as mãos vazias, para demonstrar que neste mundo, de mãos vazias chegamos, e de mãos vazias partimos.

Assim, elaboro meu testamento, visando cortar as más conexões que me prendem ao mundo profano, tendo agora a consciência de que somente as boas ações, as ações e sentimentos nobres são o que realmente valem, e o que permanecem neste mundo por meio das pessoas que amamos.

Além desta viagem, a da Terra, sou levado por mais três viagens, a do Ar, da Água e do Fogo, nas quais confio plenamente nos IIr:. que me guiavam, tendo que pular de alturas, e em terrenos não conhecidos, chegando a passar ao meio de uma batalha onde pude ouvir vários metais se chocarem, sendo que após isso, após passar pela água e pelo fogo, senti-me de acordo com as palavras proferidas pela V:. M:., de que minhas mãos haviam sido purificadas, e que assim as devia manter, sempre exercendo apenas boas e honrosas ações no mundo profano, e preocupar-me em nunca sujá-las.

Confesso que senti medo de ter feito ou escrito algo que levasse à minha rejeição desta família no momento em que o doce se transformou em amargor. Mas, após o que pareceu ser uma longa espera, onde meus pensamentos voavam em turbilhão, veio a explicação de que na vida do maçom, nem tudo são doçuras, havendo sim, momentos de amargor, e que devíamos estar preparados para isto.

Pouco tempo após minha iniciação, leio no evangelho de São João, Nicodemos questionando Jesus: “Como é que um homem pode nascer de novo, se já é velho?”, e Jesus lhe responde: “Eu garanto a você: ninguém pode entrar no reino de Deus, se não nasce da água e do Espírito. Quem nasce da carne é carne, quem nasce do espírito é espírito. Não se espante se eu digo que é preciso vocês nascerem do alto. O vento sopra onde quer, você ouve o barulho, mas não sabe de onde ele vem, nem para onde vai. Acontece a mesma coisa com quem nasceu do Espírito”. 
Foi então, que entendi minha iniciação como um renascimento.
Autor: Luiz Fernando Da Silva 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares