Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

domingo, 3 de janeiro de 2016

SOMOS MAÇONS?


A indagação que faço está intimamente ligada à atual condição e situação da Maçonaria como um todo, pois, se temos uma entidade que se intitula de Sublime Instituição, como sermos maçons e, não apenas, estarmos maçons?

A pergunta tem fundamento na crise que, atualmente, impera no mundo em geral, no Brasil com ênfase e na Maçonaria, como consequência dessa disparidade de comportamentos que existe.
A crise no mundo contemporâneo abrange a ética, a economia, o direito das pessoas, dentre outras, pois, não se conhece ausência de corrupção em nenhum lugar no mundo; na economia vemos a concentração de renda e capital cada vez mais nas mãos de poucos, em detrimento do todo e da Paz; e o direito das pessoas ao bem estar, à saúde, à liberdade, quer de pensamento, quer de ações, tudo se encaminhando para um confronto mundial de forças, com resultados os mais escabrosos e desastrosos possíveis.
No Brasil, não há nem o que se comentar, pois, qualquer tema que se busque, temos o negar de todas as boas qualidades do ser humano, atualmente, desvirtuadas em razão do TER em lugar do SER, como é sabido e como a grande mídia nos passa, em total negação da boa convivência.
Será que a humanidade precisa disso?
Será que isso não é a negação de tudo o que os grandes filósofos pregaram no que foram acompanhados por todos os líderes religiosos do passado, que sempre nos deram muitos exemplos de amor e fraternidade?
E na Maçonaria, o que ocorre nos dias atuais?
Nossa instituição atravessa, atualmente, uma fase extremamente difícil e, até mesmo, perigosa, pois, a persistir os sintomas de sua deterioração, irá se extinguir e, em futuro não muito distante, será apenas um verbete de dicionário, cuja significação será, aproximadamente, a seguinte: “Antiga instituição que abrigava cidadãos proeminentes da sociedade, que visava instaurar, no mundo, a trilogia Liberdade, Igualdade e Fraternidade, que desapareceu por completo, por incúria de seus adeptos”.
O que se assiste neste momento, em especial aqui no Brasil, é que nossos irmãos convidam os homens com os quais têm interesses econômicos ou políticos, em geral, não levando em consideração tudo aquilo que consta como condição para o ingresso daquela pessoa, como, por exemplo, ser livre e de bons costumes, ou seja, livre de quaisquer amarras a vícios e extremismos, para que possa se modificar, construindo seu templo interior, a fim de servir de bom exemplo no mundo profano; homem dotado de boa convivência social, com impoluta conduta no seio do grupo social onde exerce seu mister e convive, pois, se tiver qualquer falha de conduta, não irá buscar uma nova forma de vida, objeto maior de nossa Maçonaria.
Por falar em objetivo maior de nossa Sublime Instituição, gosto de lembrar a lição deixada pelo Octacilio Schüller Sobrinho, no seu Desafio das Mudanças, de que “Maçonaria é uma ESCOLA DO CONHECIMENTO e nada mais. Não é nunca foi e nunca será um partido político. Não é, nunca foi e nunca será uma instituição econômico financeira.” (P. 17), ou seja, que nós devemos estar cientes e conscientes, ao ingressarmos nas fileiras maçônicas, de que nossa meta maior é o estudo, a reflexão e a conscientização, que leva ao Conhecimento e este, à Sabedoria que, no meu entender pessoal, é a aplicação do Conhecimento em prol de todos, não visando receber nada em troca, a não ser a discussão dos temas para a síntese, tão necessária.
Outro escritor maçom, Ubyrajara de Souza Filho, em recente obra: Ensinamentos Maçônicos (Mitologia, Filsofia e Gnose Aplicada à Maçonaria), nos traz lições que traduzem, com maestria, minha opinião a respeito de sermos ou não maçons.
Diz ele, referindo-se à Cultura Maçônica:
“Na verdade o conceito de Cultura Maçônica deve congregar a interpretação de seus Símbolos, a prática de tradições maçônicas e suas lendas míticas; não somente aquelas que foram incorporadas dentro dos Rituais e são exemplificadas em suas Cerimônias, mas também aquelas que, embora não figurem nas Instruções das Lojas, foram transmitidas oralmente como partes de sua história e enunciam em seu cânone de Instrução verdades fundamentais e pensamentos sobre a natureza humana, através do frequente uso de arquétipos, sem se referir à veracidade dos relatos.

Assim sendo, o futuro da maçonaria está diretamente ligado ao desenvolvimento cultural do Maçom. … o Maçom deve estar consciente de que se cultura é informação, isto é, um conjunto de conhecimentos teóricos e práticos que se aprende e transmite aos contemporâneos e aos vindouros, a Cultura Maçônica deverá ser o resultado da forma como os Maçons receberam e transmitem seus ensinamentos; se cultura é criação, é importante estar atento que ele não só receber a cultura dos seus antepassados como também cria elementos que a renovam; e se cultura é um fator de humanização, deve compreender que esta transformação só ocorrerá porque ele é parte de um grupo em constante aperfeiçoamento cultural. (P. 20/21).
Mais adiante, o mesmo autor afirma que “O desafio maior do Maçom deve ser trabalhar incessante e incansavelmente no difícil ofício de ser Maçom em tempo integral, não somente dentro da Maçonaria.” (P. 23).
Na página 25 faz algumas afirmações, a meu ver, imprescindíveis para nos conscientizarmos do que é ser maçom:
“ Ser Maçom é fazer prevalecer a igualdade entre os Irmãos, para que as Lojas possam se tornar um catalisador de união e harmonia e promover a prática de um legítimo sentimento de Fraternidade entre os Irmãos para que, aprendendo a respeitar o que é específico de cada um e entendendo essa diferença como uma riqueza matizada que confere sentido à vida, consiga criar e difundir profundos e sólidos laços de amizade.
Por fim, Ser Maçom é questionar o mundo que o rodeia. …”
Finaliza:
“Para que aconteça “Maçonaria” é indispensável que sejamos Maçons o tempo inteiro, não somente dentro das Lojas ou em ambientes maçônicos. É necessária a conscientização de que devemos estar sempre comprometidos com os valores maçônicos nesse grande desafio de sermos reconhecidos como Homens Livres e de Bons Costumes. 
Como se pode perceber, ser Maçom não é, apenas, passar pela cerimônia da Iniciação, galgando, posteriormente, os outros graus, muitas vezes, até o ápice dos graus filosóficos, se não permitirmos que a Maçonaria faça, de nós, homens diferentes dos demais, para que nos destaquemos na sociedade, servindo, com nosso exemplo, aos princípios maiores da Moral e da Ética – a boa ética, pois, assim agindo, estaremos cumprindo nosso papel de construtores de uma nova sociedade.
O que devemos praticar, em Loja, é discutirmos os temas que envolvem a Maçonaria, a fim de conhecer sua história, suas realizações e, principalmente, o que ela ainda pode fazer pela humanidade; discutir, ainda, temas candentes da sociedade, como o que ocorre na política deste país ou nos conflitos do oriente médio, buscando saber o que pode ocorrer e quais as consequências advindas da violência que por lá graça e atinge as populações locais, onde há um enorme desprezo pela vida e integridade humanas, dentre outros assuntos.
E qual a finalidade dessas discussões?
Buscar orientar nossos filhos e netos para que eles aprendam o verdadeiro sentido da vida, nosso papel no mundo que nos cerca, a fim de que possamos deixá-lo mais seguro e habitável para as gerações futuras.
Fazer, da nossa Loja um centro de estudos e difusão do conhecimento, a fim de nos prepararmos na luta pela vida profana, atendendo aos princípios de Maçonaria, deixando de lado nossas aspirações e sonhos pessoais, a fim de, efetiva e realmente, contribuirmos, decisivamente, para um mundo melhor, mais bonito e mais pacífico para a sobrevivência do ser humano sobre o orbe em que vive a raça humana.
Bibliografia:
Schüler Sobrinho, Octacílio, O Desafio das Mudanças, Ed. Maçônica “A Trolha”, julho de 2004.
Souza Fº., Ubyrajara, Ensinamentos Maçônicos (Mitologia, Filosofia e Gnose Aplicada à Maçonaria), Ed. Maçônica “A Trolha”, setembro de 2014.
Fonte: JB News


Um comentário:

  1. "Oh! Quam bonum est et quam jucundum, habitare fratres in unum!"

    Pra que eu seja acompanhado dos anseios do Grande Arquiteto do Universo.

    ResponderExcluir

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares