Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

quinta-feira, 14 de julho de 2011

DEVEMOS AJUDAR A UM IRMÃO NECESSITADO?



Meus irmãos,  outro dia, li um texto  em nosso Grupo,  que nos escreve,   que  um  irmão Maçom, não deve ficar procurando ajudar  demais irmãos, em empregos, ingresso em hospitais públicos, etc... etc, devendo focar objetivos maiores relacionados com o desenvolvimento ético e de crescimento da Sociedade  em que vivemos...


Algumas  considerações:

    Peço-vos, paciência, pois serei um pouco cansativo em conceitos já arraigados, no consciente de todo o Maçom  que já está acima do segundo degrau, mas minhas considerações vão para os nossos aprendizes, aqueles que estão a iniciar-se  nesta eterna caminhada na escada de Jacó..


    Por não ser o dono da verdade, mas com a liberdade de expressão do pensamento permissível a todo Maçom, solicito aos irmãos  a complementação, ou a discordância do que aqui escrevo.


  Alguns conceitos copilados de nossa tradição literária:


    Dentre outros  objetivos  em nossa  missão  institucional acessível  a profanos e maçons, pois que  registrados em  livros,   Estatutos, Constituição  , como  deve ser,  em  qualquer  sociedade  civil,  a Maçonaria  visa:

    Combater a  ignorância  em todas as suas modalidades, tornando-se  uma escola  mutua que impõe o seguinte programa:


   Obedecer às leis do  País, obedecer aos governos e as autoridades  se são justos,  viver segundo os ditames da honra, praticar a justiça, amar ao próximo,  trabalhar incessantemente pela felicidade do gênero humano,   conseguindo   a sua emancipação progressiva e pacífica.


 A liberdade é a  fonte de todos os sentimentos de honra e de dignidade,  e ela, defende a   expressão  do pensamento, desde que  mantida a correlata responsabilidade.


  O verdadeiro maçom pratica o bem  e leva a sua solicitude aos  infelizes, na medida de suas forças, reprimindo  com sinceridade e desprezo o egoísmo e a imoralidade.


  Os ensinamentos maçônicos, dentre outros, induzem a seus adeptos  a dedicarem–se a felicidade de seus semelhantes, não porque a razão e a justiça imponham este dever, mas porque este sentimento de solidariedade,  é a qualidade  inata que faz os filhos do Universo  fieis às leis do amor e simpatia, com que o  G.:A.:D.:U.:  nos brinda  neste   planeta.


   A maçonaria em uma de suas definições,  pugna pelo aperfeiçoamento moral,  intelectual e social da humanidade,  fazendo isto, por meio do cumprimento  inflexível do dever, da pratica desinteressada da  beneficência e da investigação constante da verdade.


  Ela determina  que os maçons estendam  e liberalizem os laços fraternais que os unem,  a todos os homens espalhados pela superfície da terra.  Ela condena a exploração do homem, os privilégios e as regalias,  enaltecendo, porém, o mérito da inteligência e da virtude, bem como o valor demonstrado na prestação de serviços à Ordem, à Pátria e a Humanidade.    


 Ela exige  um combate sem tréguas aos hipócritas, aos pérfidos, aos ambiciosos e aos corruptos,  ela deve  buscar  eliminar  a ignorância,  os preconceitos de grande parte  da humanidade, que se encontra cega,  pelas paixões e inerte,  pela ausência  do saber.


   A maçonaria não  é uma Sociedade de auxílio mútuo ou de caridade. Aquele que não cumprir o seu dever como maçom, será  considerado traidor à Maçonaria.


   Mas Respeitáveis irmãos, assim como em toda a Associação, temos  direitos e deveres  a cumprir e  enumero  um deles :


Reconhecer como Irmão todo Maçom e prestar-lhe a proteção e ajuda de que carecer,  defendendo em tudo que for justo  e necessário.


Tornar-se enquanto maçom, um elemento da paz, de concórdia e harmonia no seio da Maçonaria.


Os Maçons devem ser  amigos  dedicados e leais, e estarem sempre prontos  a  correr no auxílio de seus irmãos, nos momentos mais difíceis de suas vidas.


Devem os maçons  brandirem sempre suas espadas, no socorro  à vida e a honra de um irmão necessitado.


  Prezados irmãos, terminados parte dos  conceitos  já de conhecimento de todos,  entendo  no meu ponto de vista, que  nós Maçons somente poderemos  atuar em defesa  dos legítimos interesses da Ordem,  se pudermos não apenas  brandir  a espada , a caneta, ou a voz, mas efetivamente  em nosso dia a dia, atuarmos como verdadeiros agentes  transformadores  das situações que cerceiem  a  Liberdade, a cidadania  e a humanidade e realmente nos irmanarmos  no  auxilio a um irmão necessitado. Afinal somos filhos de uma mesma viúva.


 Resumindo -  O verdadeiro maçom, prima por atuar em  três   frentes:


A  primeira:  Um  maçom deve  buscar conhecer a si mesmo  em comunhão espiritual, procurar no recôndito de sua alma, de sua mente  a razão de sua existência. Aprender  a desbastar a pedra bruta de seu templo interior, preparar-se para a grande Obra, que está predestinado a lapidar. Descobrir a sua Verdade.


A  segunda:    Um maçom deve pelo exemplo,  atuar  com vigor, na sociedade em que se encontra inserido. Em  quaisquer de  suas áreas de atuação, no serviço,  no convívio social, em sua crença religiosa, na participação política ou econômica. 


Deve procurar galgar os degraus superiores da sociedade em que inserido.  Deve transformar-se  em verdadeiro Líder, pois somente enquanto Líder, poderá  utilizar-se da pedra filosofal que transmutará  os corações e mentes  adormecidos, somente enquanto Líder, poderá trazer a  Luz   do esclarecimento, que tornará possível  o combate aos usurpadores da ética, da moral e da liberdade.


A terceira:   Ajudar a seu irmão, em tudo que for  justo necessário  e possível, pois as nossas espadas, nossa amizade, nossa dedicação, estarão sempre a postos,   para correr em socorro da vida e da honra de um verdadeiro irmão, sempre que as vicissitudes da vida  o colocarem em  eminente  perigo.


Sendo assim, com relação à questão  inicialmente proposta,
discordo  com respeito  da opinião do Irmão,   pois  devemos  sim,  ajudarmos  no que pudermos
e nos for possível, dentro  de um  espírito ético  e moral , a um irmão  que esteja em  necessidade.


                      AFINAL ,  ASSIM   JURAMOS   UM    DIA !!!

Gustavo Velasques Santos – M.’.M.’.


2 comentários:

  1. Bela colocação meu Ir.:, hoje suas palavras alegraram meu coração. Um TFA

    Flavio R. Freitas
    ottokar59flavio@uol.com.br

    ResponderExcluir
  2. Está corretissimo, Irmão.
    Roberto Wallim robertowallim@hotmail.com

    ResponderExcluir

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares