Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

quinta-feira, 8 de junho de 2017

EU TENHO ORGULHO DE SER MAÇOM!


Eu era jovem, um dos meus sonhos e aspirações favoritas que ficou comigo por muitos anos, até que minha petição fosse aprovada para a Iniciação na Maçonaria.

Olhando para trás ao longo dos anos, percebo que esse desejo veio de uma fotografia que eu admirava e queria imitar.

Esta fotografia era do meu pai, que ele descanse em paz, de pé com outros maçons nos degraus do Templo Maçônico em Greenville, Mississipi. 

Enquanto ele estava com seus Irmãos Maçons, era como se um sentimento de orgulho e alegria estivesse emanando deles; Como se não houvesse nada igual para eles. Quão orgulhoso eu era do meu pai, e a partir desse momento, eu sabia que queria ser um Maçom e seguir os ensinamentos maçônicos como ele fazia.

Fui criado numa casa religiosa, um filho de rabino com sete gerações de rabinos que me precederam; E, no entanto, com essa base religiosa, senti que ainda poderia receber e dar muito a essa Fraternidade, pelo bem-estar e prosperidade da humanidade.

Quando cheguei ao meu 21º aniversário, um dos meus primeiros pensamentos foi enviar meu pedido para se tornar um Maçom! Não houve hesitação ou segundo pensamento, pois este foi o começo do cumprimento de um sonho vitalício.

Com oração e trepidação, aguardava a resposta que meu pedido tinha sido aprovado.
Tendo sido informado, há mais de 40 anos atrás, fiquei cheio de orgulho e expectativa de que em breve eu seria recebido nos Corpos Maçônicos. Caminhei no ar e agradeci a Deus, pois eu poderia seguir os passos de meu pai e lhe trazer alegria e prazer de saber que seu filho foi aceito nas fileiras de homens de integridade e justiça.

Nunca esquecerei meu primeiro pensamento ao fazer minha entrada inicial na Loja Maçônica que me conferiu o grau de Aprendiz, e segui com os Graus de Companheiro e Mestre Maçom. Imediatamente senti que estava cercado por Irmãos e que não havia nenhum estranho presente. Esta era uma grande família que parecia ter me adotado, e eu, por sua vez, estava entusiasmado por adotá-los como minha família.

Tendo completado meus graus da Loja Simbólica e aprovado em todos os exames com perfeição, imediatamente me tornei um instrutor para os outros e me tornei ativo na Maçonaria, nunca deixando de assistir as reuniões e participar da fraternidade sempre que minha profissão permitia, e devo dizer que isso foi bastante frequente em uma base regular.

Meu cálice estava cheio de orgulho, e aguardo com expectativa o meu avanço aos graus superiores. Rapidamente, avancei pelos Graus do Rito Escocês, sendo um candidato em vários, me ofereceram a honra e o privilégio de falar para os presentes, quanto aos meus verdadeiros sentimentos e impressões sobre os graus para os quais eu era candidato.

Meu horizonte de Maçonaria se expandiu e meu orgulho e alegria eram borbulhantes e efervescentes. Eu não podia esperar para poder conferir graus aos outros, pois havia tanto o que eu queria explicar e elaborar sobre cada grau.

Foi-me oferecida esta oportunidade e imediatamente comecei a estudar e memorizar muitas partes, e ao longo dos anos tornei-me muito ativo, ocupando cargos, palestrando e participando ativamente em todas as fases da Maçonaria, onde meus talentos e habilidades poderiam ser usados.

Um aspecto da Maçonaria que me causou uma grande impressão foi à capacidade de todos os Irmãos, independentemente da religião, perguntar-me por que eu precisava da Maçonaria, como rabino, porque minha profissão era de integridade, bondade, honestidade e todos os atributos expostos na Maçonaria.

Era difícil para muitos entender minha necessidade dessa adição e complemento à religião. Eu trabalhei com homens de diferentes religiões, bem como aqueles de fé hebraica, e ficaram impressionados quando eu diria que a Maçonaria não é uma religião, mas para ser um Maçom, devemos acreditar em Deus, e se isso fosse o único aspecto de nossa religião e não tenhamos outra religião formal, ainda sim aderimos a todos os ensinamentos morais da Maçonaria; Isso também nos colocaria na categoria de homens de integridade e honra. No entanto, a Maçonaria não é um substituto da religião, nem é uma religião.

Minha experiência me mostrou que os maçons são, na maioria, homens religiosos. Tenho orgulho de ser um Maçom e de fazer parte de uma organização dedicada a ajudar as viúvas e os órfãos principalmente, e também àqueles que têm necessidades, sem questionamento ou vergonha.

Tenho orgulho de ser um Maçom e ser parte de uma Fraternidade dedicada à defesa da Constituição dos Estados Unidos da América e à Declaração de Direitos.
Tenho orgulho de ser um maçom que acredita na liberdade da humanidade e na santidade da vida humana.

Tenho orgulho de ser um Maçom que acredita na dignidade dos filhos de Deus e se opõe ao ódio e ao fanatismo, e representa a verdade, a justiça, a bondade, a integridade e a justiça para todos.

Tenho orgulho de ser maçom e sempre me agrada me incluir entre aqueles que defendem os princípios fundamentais e os padrões morais da vida, que são tão necessários para que a nossa organização continue no alto nível que tem sido a sua base desde a sua criação. 

Que Deus lhe conceda força contínua para ir, crescer e brilhar, para que eu e todos os maçons exclamemos: “Estou orgulhoso de ser maçom”.

Rabino Seymour Atlas, 32°, KCCH – Sinagoga Beth Judah, Nova Jersey


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares