Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

terça-feira, 6 de junho de 2017

MAÇONARIA E RELIGIÃO


Existem aqueles que rotulam a Maçonaria como uma religião. Mesmo entre os metodistas britânicos, houve um protesto quanto ao uso da Maçonaria como meio de entrar em algumas profissões, onde apenas Irmãos adiantam Irmãos e onde os maçons britânicos negligenciaram a igreja em suas Lojas.

É triste dizer que algumas dessas críticas têm uma base de verdade na forma como “certos” maçons aplicam o que eles acreditam ser maçonaria. A aplicação, no entanto, muitas vezes está muito longe do verdadeiro espírito e do ensino real da Fraternidade. Descobri em meu conhecimento limitado que o Rito escocês e a Loja simbólica, não defendem a crença de nenhuma religião, mas fazem acepção de todas as principais religiões morais do mundo.

O rito escocês e a maçonaria da Loja simbólica, nunca inferiram nem declararam que seus edifícios deveriam ser casas de culto, mas lugares onde a religião de todos os homens seria igualmente respeitada e a perseguição com as crenças religiosas não seria tolerada. A democracia é ensinada por todas as principais Fraternidades maçônicas, em oposição às formas totalitárias de governo.

Um governo, ou Loja, que afirma que uma religião deve ser praticada para que possa existir pacificamente naquela sociedade é uma violação das liberdades que consideramos estimadas na sociedade americana.

Como ministro cristão, acredito que Jesus é o Filho de Deus. Eu também acredito que qualquer Loja que me proíba de defender essa crença ou me repreender por ser cristão, não é uma Loja de “Irmãos”, mas uma fortaleza de fanatismo. Essa mesma crença, no entanto, deve ser verdadeira em uma Loja de “Irmãos” para um Maçom judeu.

Enfrentando diretamente os equívocos e críticas sobre nossa Fraternidade é a única forma construtiva de lidar com essa questão. Grande parte do ritual da nossa Fraternidade, de fato, vem das Escrituras do Antigo e do Novo Testamento. É a mais solene de todas as responsabilidades, administrarem a Palavra de Deus. 

Também a maioria dos teólogos acredita que, nas Escrituras do Antigo e Novo Testamento, as comunidades judaicas e cristãs, são declaradas como cuidadoras primárias da fé. A maçonaria realmente reconheceu esse grande recurso bíblico e incorporou a crença em um Ser Supremo como sua base. A maçonaria, no entanto, não é o primeiro conselheiro da fé, mas uma prática respeitadora da fé.

Descobri que o Rito escocês e a Loja simbólica não defendem a crença de nenhuma religião, mas fazem acepção de todas as principais religiões morais do mundo.

A pratica na fé em um Deus é apropriadamente ritualizada e sacramentalizada na sinagoga, na igreja, na mesquita e etc. A maior parte das vidas que exibimos como maçons que acreditam em Deus, devem ser aprendida dentro dessas casas de culto. 

O comparecimento regular na Loja, não é um substituto de fé para o comparecimento regular na igreja ou na sinagoga. Nós também aprendemos que o agendamento das atividades maçônicas durante as horas de adoração, apenas aumenta as críticas justificáveis de nossa Fraternidade por líderes religiosos responsáveis.

Certamente, continuará a haver ensinamentos maçônicos de boa-fé que sejam contrários a algumas práticas religiosas sectárias. Os irmãos maçons que formaram nossos rituais, práticas e ordens maçônicas são suscetíveis ao erro humano, ao lidar com questões teológicas e seculares.

Devemos estar cientes disso e estar dispostos a mudar para melhor. Acredito, no entanto, que a Maçonaria está mais representada pela forma como vivemos a vida contemporânea do que apenas pelo que a antiga Maçonaria ensina. Os ensinamentos da Maçonaria e as vidas que você e eu vivemos como maçons, judeus e cristãos, se combinam com os outros da Fraternidade, para representar o que é a Maçonaria neste século.

Nossos irmãos judeus defenderão Moisés, Abraão e Davi, enquanto maçons cristãos também falarão de São Paulo e Jesus Cristo. Juntos, espero que possamos exibir unidade e “Irmandade” para aqueles que odeiam, com base na raça, credo, cor ou religião.


Reverendo W. Kenneth Lyons Jr., 32°, KCCH

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares