Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

sexta-feira, 15 de junho de 2012

SELO DE SALOMÃO



O Selo de Salomão ou o Escudo de David é uma figura hexagonal composta por dois triângulos entrelaçados, formando assim os contornos de estrela de seis pontas. Sobre ele foi inscrito um dos nomes sagrados de Deus, de cuja inscrição se opunha principalmente para derivar os seus poderes talismã. 

Esses poderes foram muito extensos, pois se acreditava que iria extinguir o fogo, prevenir feridas no conflito, e realizar muitas outras maravilhas. Os judeus chamavam o Escudo de David, em referência à proteção que deu a seus possuidores. Mas para os outros orientalistas foi mais familiarmente conhecida como Selo de Salomão. 

Ele foi estimado, antes, como um grande mago do que como um grande monarca, e pelo selo que ele usou em que este selo talismã foi gravado, ele deve ter realizado as ações mais extraordinárias, e por ele ter se alistado no seu serviço os trabalhos dos gênios para a construção de seu templo célebre. 

De todos os talismãs, não há ninguém, exceto, talvez, a cruz, que era tão prevalente em geral entre os antigos como este Selo de Salomão ou Estrela de David. 

Os triângulos entrelaçados ou Selo de Salomão pode ser considerado, por excelência, por mérito, o talismã Grande Oriental. 

Com o tempo, com o progresso da nova religião, ela deixou de ser investido com uma reputação mágica, embora os filósofos herméticos do Oriente Médio Idade fez empregá-lo como um de seus símbolos místicos, mas é verdade a teoria de que as superstições podem ser repudiadas, mas nunca será esquecido, ele foi adotado pelos cristãos como um dos emblemas de sua fé, mas com interpretações diferentes. 

Os dois triângulos foram ditas, por vezes, ser símbolos de fogo e água, às vezes de oração e de remissão, por vezes, de criação e da redenção, ou da vida e da morte, ou da ressurreição e o julgamento. Mas afinal os ecclesiologists parecem ter resolvido na ideia de que a figura deve ser considerada como representando as duas naturezas de nosso Senhor, Sua Divina e sua natureza humana. 

- Fonte: Enciclopédia Mackey de Maçonaria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares