Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

sexta-feira, 29 de junho de 2012

ASSIDUIDADE, PONTUALIDADE e POSTURA DO MAÇOM.




“Assiduidade, pontualidade e postura do maçom”; são atributos importantíssimos, que deve ter o verdadeiro maçom, sendo que a  “assiduidade” é de vital importância, pois dele depende a sobrevivência da loja, senão, como entender o funcionamento de uma loja, se seus membros não comparecem aos trabalhos?

Quem abrirá o templo?
Quem o adornará?
Quem preparará as ferramentas?
Deter-nos-emos com mais vagar neste primeiro atributo, mais abrangente e os outros só existem em função deste.
O que é assiduidade? Consultando o dicionário, deparamo-nos com a definição de que é a qualidade ou caráter de assíduo; e assíduo é o que comparece com regularidade e exatidão ao lugar onde tem de desempenhar seus deveres ou função.
São deveres do maçom, entre outros, o de “frequentar assiduamente os trabalhos da loja e corpos a que pertencer”.
Aliás, nós, hoje aprendizes, companheiros ou mestres, ao preenchermos nosso pedido de ingresso nesta Sublime Instituição, nos comprometemos a frequenta-la com assiduidade e à pergunta do sindicante sobre o mesmo assunto, afirmamos ter disponibilidade de tempo para frequentar os trabalhos semanalmente.
E reafirmamos este propósito, às perguntas do Venerável Mestre, durante a solenidade de iniciação, quando recebemos a LUZ.
Meus irmãos, tudo o que dissemos até agora, refere-se simplesmente aos aspectos legais, necessários e essenciais ao bom funcionamento de toda e qualquer instituição, organização, sociedade e também da maçonaria.
Mas o aspecto que vamos abordar, embora não se divorcie do legal, reveste-se de sentimento de amor, de solidariedade, de fraternidade, de irmandade.
Lembremo-nos do Livro da Lei, ao abrimos os nossos trabalhos, nos exorta à união, ao declamar o salmo 133 “Oh! Quão bom e suave é que os irmãos vivam em união”.
É esse bom viver entre os irmãos que nos animam, nos confortam nos fortalecem, nos alegram.
Falamos de esse bom viver que aqui, semanalmente, nós experimentamos e compartilhamos com os que estão aqui conosco e queremos dividir com mais irmãos.
Conta-se que em uma pequena cidade no interior da Inglaterra, havia um pastor que conhecia praticamente todos os seus habitantes; nos cultos dominicais, era comum que algumas pessoas se sentassem sistematicamente nos bancos da frente; entre essas pessoas, havia um senhor muito conhecido e respeitado naquela localidade que se sentava sempre no mesmo banco.
Num determinado domingo, o pastor observou que aquele banco estava vazio; não se preocupou, porque era normal que alguns irmãos, por algum motivo tivessem faltado àquele domingo.
Na semana seguinte o banco continuou vazio; o pastor começou a ficar preocupado, começando a especular-se sobre o fato.
Na terceira semana, repetiu o episódio, novamente o banco continuava vazio.
Terminado o trabalho religioso, o pastor resolveu ir à casa do irmão para saber do motivo de suas ausências.
O irmão arguiu que já frequentava o culto há muitos anos, sabia de cor e salteado o que o pastor iria pregar, conhecia todos os livros da bíblia, os cultos já estavam se tornando enfadonhos, cansativos, repetitivos, enfim, não via mais nenhum atrativo para ali se dirigir.
Então o pastor nada disse; foi até a lareira, retirou de lá uma brasa e colocou-a em cima do parapeito da janela. Sentou-se e esperou. Dentro de poucos minutos, a brasa começou a apagar-se.
Passados alguns instantes de silêncio entre os dois, o irmão faltoso disse ao pastor: pastor compreendi a sua mensagem. E voltou a frequentar o culto, como sempre o fizera.
Moral da história: uma brasa sozinha perde o seu calor muito rapidamente.
O que aconteceu com o irmão dessa história é bem parecido com o que acontece hoje com nossas lojas, de modo geral.
Muitos irmãos não comparecem às reuniões, alegando motivos vários, parecidos com os da história; ora porque não tem tempo, ou que as reuniões não têm motivação e são demoradas ou que tem compromissos mais importantes, que os temas abordados não tem interesse, ou são enfadonhos, cansativos, repetitivos; que para ouvir simplesmente o bater de malhete, melhor seria ficar em casa, etc., etc., etc.
É fácil reconhecer um maçom desinteressado: é aquele que está sempre reclamando que a sessão está demorando muito e que precisa ir embora por um motivo ou outro; aquele que sempre encontra razões para não colaborar com os afazeres da Loja.
Que esses irmãos não nos sirvam de lição; que não o imitemos; antes, porém que sejamos com eles tolerantes, não coniventes; que o incentivemos que o apoiemos, enfim que com ele dialoguemos como irmãos e amigos, propiciando assim, a formação de uma corrente positiva, a que chamamos EGRÉGORA MAÇÔNICA, tão necessária durante os nossos trabalhos.
A Maçonaria visa à mudança do homem em seu interior, tendo como objetivo a sua evolução interior, contribuindo assim, para a evolução não só dos maçons em particular, mas de toda uma sociedade.
Os irmãos que desejam verdadeiramente evoluir em seu íntimo devem fazê-lo, mudando inicialmente sua maneira de pensar.
Devemos perguntar-nos, a exemplo do Presidente Kennedy em seu discurso de Posse, não o que a Maçonaria poderia fazer por mim, mas o que eu posso fazer para a Maçonaria?
PONTUALIDADE DO MAÇOM
Superado esse primeiro atributo, o da assiduidade, deparamo-nos com o segundo, também de suma importância para que nossos trabalhos possam ser considerados justos e perfeitos:
A Pontualidade.
O que será essa pontualidade? Consultando ainda mais uma vez o dicionário, constatamos que é a qualidade de pontual; exatidão no cumprimento dos deveres ou compromissos; rigor, donde pontual é o que chega parte ou cumpre as obrigações à hora marcada.
Assim, deve o maçom, sempre que possível, estar presente pelo menos quinze minutos antes da hora marcada de adentrar o templo, oportunando com isso um melhor congraçamento na sala dos passos perdidos, sem estar sujeito ao rigor e à solenidade ritualística de que se revestem as nossas sessões. Bem é estarem unidos os irmãos.
Um segundo enfoque para essa pontualidade está prescrito, precisamente, quando diz que são deveres do maçom, satisfazer, com pontualidade, contribuições pecuniárias ordinárias e extraordinárias que lhe forem cometidas.
Um irmão zeloso de seus deveres e de suas obrigações, não deve esperar que o irmão tesoureiro o procurasse para saldar suas contribuições, antes, porém de ser procurado, nivelará seus metais junto à tesouraria. Esse é o comportamento de um verdadeiro maçom.
POSTURA DO MAÇOM
Por fim, passemos a tecer algumas considerações sobre o terceiro atributo, a Postura que junto com os demais, formam uma das mais marcantes e principais características do maçom.
Ensina-nos o Mestre Aurélio que Postura é a posição do corpo; aspecto físico; atitude.
A primeira instrução que o aprendiz maçom tem, após ter recebido a luz é: quando de pé, deveis estar perfeitamente eretos, isto é, aprumado, direito, pois é assim, nesta posição que se comunicam as instruções do grau; quando assentado, também deveis estar com o tronco ereto, tendo as mãos apoiadas sobre os joelhos, em posição confortável e propícia a receber e absorver todos os eflúvios emanados dos irmãos.
Num outro sentido, não físico, a postura significa atitude, conjunto de conceitos, principalmente de cunho moral, de que deve estar revestido o maçom. A melhor forma de o maçom demonstrar sua postura maçônica é pelo exemplo; palavra, discurso, intenção, nada substitui o exemplo, que deve ser o de um homem livre e de bons costumes.
O mais importante é que os irmãos criem em seu viver diário, o salutar hábito da prática do bem, não como mero cumprimento dos deveres e obrigações, mas imbuídos dos mais puros propósitos maçônicos, nascidos espontaneamente do coração.
Tomara possamos ter a capacidade de absorver e adotar como prática em nossa vida maçônica e profana a assiduidade à pontualidade e a postura; se assim o fizermos, certamente nos tornaremos verdadeiramente obreiros úteis e dedicados.
(Autor Desconhecido)

2 comentários:

  1. Se não pensarmos, aliás, mais, se não SENTIRMOS que é uma honra - e não uma obrigação - frequentar às reuniões da Ordem, que lá que tiramos os tijolos pra construir nossa loja, e não um local onde se vão bater malhetes e sempre conversar as mesmas coisas; e se não formos para servir, e sim ser servidos, não aprenderemos nada do que dito neste artigo.

    Mas este artigo é, sem dúvidas, um pontapé para que reflitamos sobre nossas posturas e assiduidade, e renovemos nossos votos como verdadeiros maçons. Parabéns pela matéria.

    Djoni de Araújo Neves Filho - Apr∴M∴
    A∴R∴L∴S∴ Fraternidade Caucaiense nº 63
    G∴L∴M∴E∴CE∴ - djonifilho@icloud.com

    ResponderExcluir
  2. PARABÉNS EXCELENTE TRABALHO. O importante creio eu, é ser sincero nos sentimentos e em nossas obrigações, assim embora não seja maçom, penso que todos podem contribuir para elevação de uma Loja, temos que pensar em sermos a massa, o cimento, que liga todos os tijolos, assim deve - se sempre pensar não o que a Instituição neste caso a Maçonaria pode fazer por nos, mas sim, o que podemos fazer pela Maçonaria. José Luiz, e-mail: jl.monteiro1706@bol.com.br (Rosacruz)

    ResponderExcluir

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares