Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

A LETRA "G" E O COMPANHEIRO


A letra “G”, dentro do triângulo, constitui um símbolo da sublime interpretação do “gênio do homem” subjugado pela força da vontade.
Simboliza o nome do Grande Geômetra, ou seja, do Grande Arquiteto do Universo.
Começamos a buscar algo sobre este assunto na Segunda Instrução do Grau de Companheiro. Segundo a instrução, o Companheiro “é o obreiro reconhecido apto para exercer a sua arte e consciente de sua energia de trabalho. Que tem por dever realizar, praticamente o plano teórico traçado pelos mestres”. 
Quanto à letra “G” diz a instrução, que significa geometria, geração, gravidade, gênio e gnose.
A geometria, tratada aplicável à construção universal; da que nos ensina a polir o homem e torná-lo digno de ocupar o seu lugar no edifício social.
A geometria, que é a ciência da medida das extensões, ou medida da terra, lembra as regras do Grande Geômetra para realizar a arquitetura do universo.
Na sabedoria dos gregos ela provou os diálogos sobre ordem, equilíbrio e harmonia do universo. A geometria ensina-nos a construir um mundo mais pacífico e menos arrogante.
A geração é a conservação da espécie, devendo esta ser bem estudada, para uma melhor produção futura, é a forma vital.
A gravidade para Newton é uma lei, que diz que a matéria atrai a matéria, já para os iniciados tem um sentido mais íntimo e profundo que para os profanos, já que não limita-se a considerar as relações entre os corpos físicos, mas sim o domínio moral e espiritual, sentindo e expressando constantemente a presença da vida.
O estudo e perfeita compreensão desta lei é, por consequência, de uma importância soberana para a Arte Real da construção individual e universal. 

Esta arte tem que ser praticamente uma constante elevação de idéias, pensamentos, palavras, propósitos e ações. Esta elevação não se consegue se não tiver sua base edificada sobre a lei do amor, que une todas as coisas pelos laços invisíveis de sua unidade original.
O gênio é a exaltação profunda de nossas faculdades intelectuais e imaginativas. No gênio, encontramos, pois, a mais elevada e sublime manifestação da geração; a criação ou produção do que pode haver de mais belo, atrativo e agradável. a ciência, a arte e a religião, em todos os seus aspectos, são igualmente obra do gênio interior do homem, que tende fazer do homem um mestre. Cultivar o gênio deve ser o objetivo fundamental do Comp.'..
 A gnose como ciência, está muito acima do “conhecimento vulgar”. é um processo muito utilizado pela Maçonaria, onde os maçons estudiosos aprofundam seu exame do “eu interior”, com a finalidade de aprimorar seu próprio espírito.
Não é uma religião, e sim uma ciência, toda de um processo dos mais naturais da consciência, do autoconhecimento, seu nome é de origem grega, e tem como sustentação a filosofia, a ciência, as artes e as religiões.
É filosofia, um conhecimento mais apurado em busca de uma elevada moral mais espiritualizada, a fim de ser procedida sua reforma intima, desde que haja realmente um esforçado interesse de encontrar os instintos inferiores ainda ativos, para dar-lhes combate e consequentemente fortificar os bons princípios que sempre existem em todos nós; arte pelas investigações do belo em seu interior; aprecia as religiões apoiando-as em tudo de bom que elas proporcionam aos fiéis, para uma formação mais bem espiritualizada; ciência por não aceitar dogmas, só aceitando o que seja concreto e possa ser provado cientificamente como real.
Podemos dizer, então, que a letra “G” é o espírito da genialidade que reflete no Comp.'.. 
Através desta genialidade, depois de buscar os conhecimentos e reconhecimentos interiores, poderá demonstrar na prática a qualidade de Comp.'., um obr.'. de inteligência construtora, que tem se convertido em tal, como resultado de um aprendizado fiel e perseverante.
Ir.'. José Helio Otoboni C.'.M.'. .
Bibliografia:
Trabalho do Ir.'.Cloves de Sena - Or.'.de Curitiba/PR.-
Revista A Trolha – Janeiro/02-
Trabalho do Ir.'.Xisto P. Ezquerro.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares