Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

terça-feira, 17 de maio de 2016

O CAMINHO MAÇÔNICO DE COMPOSTELA


De Aprendiz a Mestre Maçom.

O Caminho de Compostela, na Espanha, ficou famoso como sinônimo de caminho de peregrinação.

Dessa tradição, podemos tirar algumas lições.

Só extraímos valor daquilo que nos custa algo. A ideia não é de sacrifício, mas de experienciar aquilo que se faz.

Ir a Compostela de avião ou num carro de luxo, nos mostra o resultado final, o ponto de chegada, mas não nos permite incorporar, e incorporar significa tornar-se parte de nosso corpo, cada passo, cada gota de suor, cada esquina do caminho, cada árvore florida, cada córrego fresco, cada canto de pássaro, cada entardecer ou cada amanhecer.

Chegamos a Compostela, mas ela não fará parte de nós.

Se o caminho é tão importante quanto o ponto de chegada, o tempo deixa de ser importante.

Quando temos pressa de chegar, o caminho não tem a menor importância. O tempo, sim.

Os veículos, também. Nesse caso, os fins justificam os meios. Quando o experienciar é que é importante, os meios passam a ter valor em si mesmo.

O tempo passa a ser secundário, pois cada passo é um chegar.

Cada pequena experiência se soma à grande experiência que é o caminhar.

Estar lá é fundamental. Se vamos a Compostela por avião, as esquinas do caminho, as árvores floridas, os córregos frescos, o canto dos pássaros, o entardecer e o amanhecer continuarão lá.

Mas não farão parte de nós.

Não farão parte de nossa bagagem. Quando, ao entardecer dos anos, sentarmo-nos à frente da lareira, examinando, em silêncio, a bagagem de nossa vida, essas coisas não estarão lá.

Estaremos, incontestavelmente, mais pobres. Há alguns anos, eu e os Irmãos Mestres, que me leem, éramos Aprendizes.

Curiosos e apressados como todos os Aprendizes.

algum tempo, começamos a achar que não havia nada no grau de Aprendiz, que correspondesse àquela expectativa que tínhamos quando fomos iniciados.

Púnhamos, então, nossas esperanças no grau de Companheiro. Quando fôssemos elevados, os segredos nos seriam revelados e o que tínhamos vindo buscar nos seria entregue.

Após mais algum tempo, novamente, a rotina se instala e passamos a desejar sermos Mestres. Aí, sim, a Maçonaria seria desvendada e encontraríamos o pote de ouro no fim do arco-íris. Creio que essa pressa, tão típica do espírito moderno, é normal.

Afinal, vivemos uma época onde o importante é chegar. Muitas vezes até de forma escusa, arrancando de forma ilegítima as “palavras de passe”, os “sinais”, os “toques” e as “palavras” de cada posição social.

Mas que valor, então, teve o nosso caminhar?

Nós, meus Irmãos, estivemos lá. Estivemos presentes em cada passo, vertemos cada gota de suor, paramos em cada esquina do caminho, admiramos cada árvore florida, bebemos em cada córrego fresco, ouvimos cada canto de pássaro, admiramos cada entardecer e cada amanhecer.

Estivemos presentes a cada sessão. Ouvimos cada palavra, as boas e as más, as inspiradas e as cansativas. Hoje, o caminho faz parte de cada um de nós.

Cada experiência está em nossa bagagem. Somos mais ricos. E descobrimos que o grande segredo da Maçonaria não está onde se chega, mas no caminhar juntos, compartilhando nossa humanidade no que ela tem de melhor e de pior.

Dizem os místicos que “quando o discípulo está pronto o Mestre aparece”. Para que isso aconteça, é necessário que o discípulo esteja pronto, quer dizer, esteja lá e esteja atento.

Não façamos meus Irmãos, como as dez virgens da parábola evangélica, que, quando o noivo chegou, estavam dormindo e não tinha mais azeite em suas lâmpadas.

É estando presentes que veremos que o verdadeiro tesouro da Maçonaria nos é dado, sim, mas não na chegada.

A cada sessão nos é dada uma moeda. Jogamo-la na bolsa sem muita consideração.

Um dia, meus Irmãos, e isso tantos Irmãos mais vividos nos têm testemunhado, acordamos e descobrimos, entre espantados e extasiados, que temos um tesouro acumulado.

Nesse dia, cada vez que declamarmos: “Ó, quão bom e quão suave é viverem os Homens em união. É como o perfume que desce sobre a cabeça e sobre a barba de Aarão...”, as palavras nos farão sentido e nossas almas exultarão.


A/D

2 comentários:

  1. Texto execlente ! Mostra que para alcançarmos o segredo temos que viver um dia de cada na augusta ordem .

    ResponderExcluir
  2. Estive caminhando neste maravilhoso Caminho de Santiago de Compostela, como caminho no templo maçônico há 20 anos, chegar no grau 33 é como chegar na Praça do Obradoiro e sentir vontade de começar de novo, pois sempre haverá novas descobertas. Trevisan José loja Ordem e Progresso CL, 1300 Oriente de Indaiatuba.

    ResponderExcluir

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares