Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

sábado, 11 de outubro de 2014

SIMBOLISMO INICIÁTICO


A maçonaria tem uma história profana e outra iniciática, isto é, um aspecto interior e outro exterior, há exemplo de todas as religiões.
A parte exterior é para os profanos, enquanto que a interior é para os iniciados que estão amadurecidos para recebê-la.
A parte mística (de misto, segredo) é essencialmente iniciática, isto é , quando a sua consciência chega ao seu desenvolvimento pode então entender o mistério, conhecê-lo senti-lo e realizá-lo.
Como em todas as escolas herméticas há uma cerimônia com a qual se recebe o candidato, chamada “Cerimônia da Iniciação”.
Esta cerimônia, longe de ser compreendida pela maioria dos candidatos, é um ato muito significativo, cuja importância está oculta sob a verdadeira aparência do véu exterior.
A palavra iniciação em sua etimologia leva ao significado de ingresso no mundo interno para começar uma nova vida.
A iniciação maçônica é joia inestimável na coroa do simbolismo. Como sabemos na loja há um quarto de reflexão, símbolo do interior do homem.
Todo homem ao fechar os olhos encontra-se em seu quarto de reflexão, isolado na obscuridade, em estado de consciência do profano que vive fora do templo.
A simbologia é como a verdadeira arte: nunca deve falar aos sentidos e sim excitar a imaginação. Dissemos que os símbolos são alegorias da verdade, mas na verdade, apenas exprimem a imagem simples da realidade das coisas.
O símbolo é o corpo físico da ideia; mas para conhecer a ideia temos que senti-la e concebê-la.
Assim compreendemos que os símbolos na maçonaria têm por objetivo redescobrir a luz oculta pelos véus dos sentidos.
Bem verdade é que a maçonaria é uma escola de aperfeiçoamento moral, onde nós homens nos aprimoramos em benefício de nossos semelhantes, desenvolvendo qualidades que nos possibilitam ser, cada vez mais, úteis à coletividade.
Não nos esqueçamos, porém, que, de uma pedra impura jamais conseguiremos fazer um brilhante, por maior que sejam nossos esforços.
Alvonir Anderle
A.: M.:
Bibliografia:
Grau do Aprendiz e Seus Mistérios, Editora Pensamento, 2005, 18ª. Edição.
Ritual do Grau de Aprendiz Maçom


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares