Páginas


“SÓ TRATAMOS DE ASSUNTOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ESSE BLOG É DEMOCRÁTICO: ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.

OS COMENTÁRIOS ESTARÃO SUJEITOS A MODERAÇÃO

“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

terça-feira, 12 de junho de 2012

CADEIA DE UNIÃO - COLABORAÇÃO DE UM APRENDIZ



A “cadeia de união” é uma tradição que se encontra ao mesmo tempo nas Associações de Operários e na Maçonaria. Ela consiste em formar uma cadeia, dando-se mutuamente as mãos, depois de cruzados os braços.

O novel iniciado é convidado, desde sua admissão, a formar um elo dessa cadeia. Na maioria das vezes, forma-se a cadeia de união no final dos trabalhos.

Dizer que essa cadeia simboliza, escreve Plantageneta, a universalidade da Ordem e lembra a cada um que “todos os maçons, seja qual for a sua pátria, formam uma única família de irmãos espalhados pela superfície da terra” é, imagino, supérfluo.


A cadeia de união também aproxima afetivamente todos os corações, ao mesmo tempo em que reanima nas consciências o sentimento de solidariedade que nos une e a interdependência que nos liga.


Podemos fazer essa experiência, e não há dúvida de que quem participa conscientemente, e sem reticências, da cadeia ritual, sente - na falta de uma transmissão correta do vizinho – os efeitos sugestivos e reconfortantes.


Foi, portanto, intencionalmente que essa cerimônia foi introduzida no ritual. Ela parece preparar de um modo feliz um ambiente propício para fazer do encerramento dos trabalhos algo mais do que uma simples formalidade.

Algumas oficinas, desprezando o valor do ritual e “mágico” da Cadeia de união, só se formam duas vezes por ano, para a comunicação das palavras semestrais.

Marius Lepage expôs excelentemente os princípios essências que fazem da cadeia de união algo mais do que um simples gesto sem importância.


Ele escreve:
“Os ritos entre outras funções essenciais, unem o visível ao invisível. Eles constituem um elo fluídico que une o corpo maçônico, constituído pelo espírito maçônico que se desprende das lojas materiais. Não deve, portanto, constituir causa de admiração ver esse espírito retirar-se pouco a pouco das lojas onde ninguém o possui mais. E a mais surpreendente das descobertas é encontrar ainda, no caos de pretensos rituais de hoje em uso, uma fagulha de fé.


“As mãos continuam entrelaçadas, mas o espírito não se comove mais com o valor e as repercussões do ato realizado.

No entanto, de todos os ritos, a cadeia de união, é, talvez, o mais importante do ponto de vista oculto quanto do ponto de vista simbólico.


E todo Venerável que se preocupa com a prosperidade material e moral de sua Loja não deveria deixar de repetir essa verdadeira “invocação” a cada assembléia.”

“O princípio da cadeia de união deve ser provavelmente procurado na teoria do ponto ou sinal de apoio”. Toda vontade que quer se manifestar, tem necessidade de um intermediário, que seja, ao mesmo tempo, uma sólida base de partida.”

O segredo da Cadeia Mágica, escreve Stanislas de Guaita, resume-se num aforismo cujos termos são os seguintes: Criar um ponto fixo onde se possa tomar apoio; estabelecer aí um cadeia psicodinâmica; e, desse ponto, escolhido como centro, fazer brilhar através do mundo a luz astral, fortalecida por uma vontade nitidamente definida e formulada.


Ao mesmo tempo criadora e receptiva, a cadeia de união representa junto ao maçom o duplo papel de escudo protetor e de aparelho receptor de influências benéficas.

Toda coletividade, toda associação tem o seu correspondente nos mundos invisíveis. O espírito de um grupo é um ser vivo mais poderoso, salvo raras exceções, que cada uma das pessoas que o compõe.


Além do mais, o Egrégoro (ou Egrégora), para designá-lo pelo nome que lhe é atribuído comumente, tende a diminuir sua autoridade e aumentar seu domínio à expensa do Egrégoro vizinho.


Aí o indivíduo isolado, orgulhoso de sua vontade oscilante, quer entrar em luta contra a formidável força do Egrégóro. Ele logo será varrido, submergido... E o menos que lhe poderá acontecer é ver desabar sobre ele os males materiais mais variados, sem que ele consiga se defender.

Quantas cadeias de ódio são assim tramadas no invisível contra os Maçons por seus adversários ignorantes ou de má fé!

Para resistir a esses ataques, também temos que formar nossa cadeia, tomando sempre o cuidado de não responder ao ódio com ódio, porque os dois Egrégoros celebrariam uma forte ameaça para nosso maior dano.


Algumas questões de ordem ritual podem ser colocadas quanto à formação da cadeia de união.

Por que cruzar os braços sobre o peito, e não darem-se as mãos, simplesmente, como crianças brincando de roda?


Nosso modo de proceder, aproximando os corpos e comprimindo o peito, parece facilitar a concentração da vontade necessária à elaboração de uma cadeia eficaz.

Um irmão partidário das lojas mistas queria que, ao formar nossa Cadeia, se alternassem as malhas, masculinas e femininas.

Isso é o mesmo que dizer que toda Cadeia formada por indivíduos do mesmo sexo seria menos eficaz do que as Cadeias eventualmente bissexuadas.


A prática nos revela que não é nada disso, e a teoria confirma a prática. Com efeito, trata-se no caso de uma ação de inteligência e de vontade, e não de sexos.

Para atingir o máximo, escreve ainda Stanislas Guaïta, é preciso agrupar certo número de elementos negativos – inteligências mais intuitivas e reflexivas do que expansivas e espontâneas – sob a predominância de um elemento absolutamente positivo, isto é, sob o influxo de um homem rico de qualidade de organização, acrescidas de uma vontade enérgica e dominadora.


É então que, perfeitamente disposta, a bateria psicofluídica fornece seu máximo de rendimento. Pois os pensamentos, mesmo os mais rudimentares, as reminiscências, fossem elas as mais vagas, que povoavam nebulosamente os cérebros negativos, se desenvolvem e se tornam claros – que é o que se quer – sob a reação do espírito positivo.


É aqui que se manifesta em toda a sua força, diz Marius Lepage, o papel unificador do Venerável, daquele que dirige Oficina, da qual é a emanação e a síntese.


Entre ele e os irmãos, estabelece-se uma dupla corrente, e suas forças são duplicadas para, depois, serem usadas da melhor forma, segundo os interesses espirituais da Ordem em geral e dos membros da Loja em particular.

Contudo, parece possível afirmar que nenhuma Loja, hoje, pode formar uma cadeia de união eficiente.


Todavia, nunca insistiríamos bastante com os Veneráveis para que restabeleçam, onde puderem, o rito tradicional da Cadeia de União no fim de cada assembleia.


Quando, com as mãos juntas, o Venerável, antes de encerrar os trabalhos, evoca a união de todos os Maçons, quando ele invoca sobre todos os irmãos à descida do verdadeiro espírito maçônico, parece que um sopro mais puro perpassa pela atmosfera da Loja.

Esse é o motivo pelo qual seria de desejar e seria necessário que cada Oficina terminasse seus trabalhos por uma Cadeia de União, concentrando-se sobre uma única ideia relacionada com o ideal Maçônico.

Bibliografia: SIMBÓLICA MAÇONICA: OU A ARTE REAL REEDITADA - Por JULES BOUCHER (editora Pensamento) disponível em:
http://books.google.com.br/books?id=su0-

(*) - Título Original: La Simbolique maçonnique, Paris 1948/1979;

Um forte e fraternal abraço a todos!
Contribuição do Ir. Ap .’. M .’. Samir Lemos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares