Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

quarta-feira, 28 de março de 2012

INFLUÊNCIAS CRISTÃS NA MAÇONARIA



Além da lenda que norteia nossos trabalhos, as religiões judaico-cristãs exerceram e pode até parecer estranho, ainda exercem influências em alguns Ritos.

 No Brasil o Rito mais praticado é o Escocês Antigo e Aceito e percebemos, nos diversos graus que o constituem, citações explicitamente católicas (nome de santos por exemplo), porém não há dogmatismo religioso, mas em outros ritos temos situações muito interessantes: O Escocês Retificado tem seus princípios baseados e fundamentados na fidelidade à religião cristã, principalmente fé na Santíssima Trindade.

E não pensem que é um rito antigo, ou em desuso, etc e tal, e se eu citar o Rito Sueco? Certamente alguém responderá: - Nunca ouvi falar! Pois é, a Maçonaria chegou na Suécia há 275 anos e a Svenska Frimurare Orden (Grande Loja da Suécia) tem em seu Quadro de Obreiros algo em torno de 16.000 membros e uma das prerrogativas para ser admitido é ser praticante da Fé Cristã. 

Os rituais e graus são fundamentados não só na doutrina como na prática da liturgia católica. Mas, como fica a Igreja de Roma com suas Bulas Papais perante a Maçonaria Sueca? Fica o dito pelo não dito, afinal os Reis da Suécia sempre estiveram a frente da Grande Loja e um embate poderia gerar um problema de política internacional. "Mas, no nosso caso devemos compreender muito bem que existem diferenças muito grandes entre “baseado” e influenciado”. Apesar da formatação dos trabalhos da Sublime Ordem estar ligado ao Velho Testamento não devemos esquecer que também estão presentes em nossos labores entre outros, o zoroastrismo, a astronomia, as ciências matemáticas e valores da cavalaria medieval.

Em resumo, desde que houve a transformação da Maçonaria Operativa para a Maçonaria Especulativa foram codificados em SS.’.TT.’.PP.’. e Instruções, valores das mais variadas origens com o propósito de transformarem profanos em homens justos e de bons costumes. Portanto, nada mais natural que também tenhamos VALORES CRISTÃOS e esta é a “chave”, não sendo uma religião a Maçonaria não cultua o Cristo, mas recolhem em sua missão, instruções (valores) que devem ser observados.

 Esta é a tônica da maioria dos Ritos Maçônicos, pois o enlevo moral e ético está sempre em sintonia com valores espirituais. A Maçonaria usa símbolos cristãos, pois eles automaticamente nos remetem a significados que antes mesmo de sermos iniciados já conhecíamos. Por exemplo no ocidente uma cruz é símbolo de Fé e o que encontramos na Escada de Jacó? Ou mesmo a própria menção da Escada! 

Em nosso meio devemos tomar muito cuidado para não trazermos a religiosidade aos nossos trabalhos; a utilização de valores/símbolos religiosos/místicos/esotéricos destina-se exclusivamente ao aprimoramento do ser humano como cidadão, como pai, como filho, como profissional, como esposo e principalmente a prática material/profana do grande princípio cristão: "Ame a teu próximo como a ti mesmo e não faça aos outros o que não quer que façam contigo." Observem que há uma congruência entre o grande mandamento e as diretrizes maçônicas.

A história do nascimento de Jesus, da estrela guia, os três reis MAGOS, os três presentes e a possibilidade de todos nós virmos no exemplo do mais “poderoso” servir como o mais “humilde”, nos remete às nossas iniciações. Mais do que nos tratarmos como Irmãos, precisamos reconhecer no outro o genótipo de “Filho do Pai”.

Trinta e três anos passam muito rápido e é preciso muito comprometimento para erguer Templos e cavar Masmorras, pois há sempre aqueles que calam as vozes cortando gargantas ou pregando na cruz os arautos da Boa Nova.

Veja no exemplo desse menino que hoje nasceu, o ideário maçônico, ao seu redor criou-se uma instituição universal, essencialmente filantrópica e filosófica; ele levou a verdade, criou um estatuto moral pela prática da solidariedade e trabalhou para o bem da Humanidade.

Ensinou-nos os princípios da tolerância mútua, do respeito aos outros e de si mesmo e a liberdade absoluta de consciência. Ele foi o primeiro a ensinar que as concepções metafísicas são de domínio exclusivo da apreciação individual das pessoas e assim recusar toda a afirmação dogmática. 

Considerava o trabalho como um dos deveres primordiais do homem, honrando igualmente o trabalho manual e o intelectual. Juntou um grupo e os mandou a todos os recantos, afim de que todos compartilhassem os laços fraternais que unem todos os homens sobre a superfície da Terra, os quais se devem auxiliar, esclarecer e proteger, mesmo com risco da própria vida. Recomendou aos seus discípulos que fosse o melhor exemplo daquilo que acreditavam e que tivessem determinação para que o direito prevalecesse sobre os caprichos humanos e sobre a força.

O menino que hoje nasceu, viverá sempre tendo por divisa a Liberdade, a Igualdade e a Fraternidade pela honra e glória de seu Pai e de seus Irmãos.

Por conta disso, nós Maçons devemos respeito a este grande exemplo de vida. A palavra natal já foi natalis no latim, derivada do verbo nascor (nasceris, nasceris, nasci, natus sum) que tem sentido de NASCER. Que este dia seja também um novo nascimento para nós e que esta nova vida seja baseada na JUSTIÇA, na VERDADE, na HONRA e no PROGRESSO. Feliz nascimento querido Irmão.

Sérgio Quirino Guimarães
ARLS Presidente Roosevelt 025

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares