Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

domingo, 27 de setembro de 2015

POEMA MAÇÔNICO


Da vida nós aprendemos e reaprendemos

A construir escolhas e decisões

Lapidando a nossa pedra bruta

Em cima de uma escadaria que leva ao céu

Talvez não igual ao céu comum

Mas com certeza um céu justo e perfeito

Com esquadro e compasso damos forma

E nossa pedra vai polindo e polindo cada vez mais

Na sua poeira leva lembranças, alegrias e dores

E o que fica resplandece a luz do Oriente

Com uma régua de 24 polegadas sinto que posso medir tudo

Medir o coração, a vida que passa, pois brancos e pretos

É o que vejo no quadriculado da minha caminhada

Sobre a espada templária componho versos

Sobre o grande olho faço minha remissão e confissão

Não se pode entender o mistério, é segredo

Mas um segredo que nos constrói guardar

Entre sinais abro as portas do meu templo

Para o mundo, para minha dimensão

no meu pedaço de céu nos degraus da escada de Jacó

Entre as colunas da vida e da morte

Um doce dualismo que só a alma entende

Tão doce quando as romãs

tão extensa quanto uma corda de 81 nós

E ainda sim cabe na abóboda azul celeste

Do meu céu, meu Oriente

Minha Ácácia...


Autor: César Frozza
Ácacia 3612


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares