Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

MORTE E RENASCIMENTO


Crenças, ideais e opiniões servir para fugir da realidade, para iludir o que é. E, longe de nossa própria realidade, é impossível trabalhar corretamente. Então nos afundaria no caos e na miséria. É importante descobrir o que cada um de nós entende a morte e reencarnação, a verdade, não o que nós gostamos de acreditar, não o que alguém disse ou o que algum instrutor ensinou-nos sobre isso.
É a verdade que liberta que quebra as cadeias e as restrições que nos ligam à confusão, desordem e dor. É a verdade que nos liberta, nenhuma conclusão pessoal próprio, a própria opinião.
Queremos garantir que não há morte e viver outra vida, mas que não há nenhuma felicidade ou sabedoria. A busca pela imortalidade através da reencarnação é essencialmente egoísta; por conseguinte, não é apropriado.
Nossa busca pela imortalidade é apenas outra forma de desejo de continuar nossas reações autodefesa contra a vida, é simplesmente um desejo que vai contra a inteligência. 
Tal desejo só pode levar a ilusão. O que importa, então, não é se existe reencarnação, mas para compreender a plenitude da realização no presente, se estivermos conscientes e agimos corretamente. E que só se pode fazê-lo se a sua mente e seu coração já não são contra a vida. 
A mente é astuta e sutil em autodefesa, e deve discernir por si só a natureza ilusória de autoproteção. Isso significa que é preciso pensar e agir de uma forma completamente nova. Você deve se livrar da rede de falsos valores que o ambiente impôs. Deve haver uma nudez interna total. Depois, há a imortalidade, a realidade desconhecida.
Para entender a questão da morte e reencarnação deve nos libertar do medo, que inventa várias teorias da vida após a morte ou a imortalidade ou reencarnação. Assim, diz-se que há reencarnação, renascimento lá, a renovação constante que continua e continua e continua o que é a alma, que chamamos de alma.
Apesar de não termos visto, nós gostamos de pensar que existe, porque dá prazer, porque é algo que nós colocamos além do pensamento, além das palavras, além.
Nós conceber a alma como eterna, "espiritual", que nunca pode morrer, e então pensei que se apega a isso. Mas poucas pessoas sabem ao certo se é que existe tal coisa como a alma, algo que está além do tempo e do pensamento, algo que não é inventada pelo homem, algo que está além da natureza humana, que não tenha sido tornada pela mente astuta.
Porque a mente vê que grande incerteza, essa confusão, você vê que não há nada permanente na vida, nada. A relação que temos com nossas esposas, nossos maridos, nossos filhos, nossos empregos, nada disso é permanente.
Então a mente inventa algo que é permanente, e chama-lhe alma. Mas desde que a mente pensa sobre isso, tal coisa ainda está dentro do campo de tempo e pensamento. É óbvio. Se eu pensar em alguma coisa, isso é parte do meu pensamento. E o meu pensamento é o resultado do tempo, experiência, conhecimento e é sempre limitado. Assim, a alma ainda está dentro do domínio do tempo.
Assim, a ideia de continuidade de uma alma renasce uma e outra vez não fazem sentido, porque é a invenção de uma mente assustada, uma mente que deseja e procura duradoura através de permanência, que anseia por uma certeza, porque em que há esperança.
Nós tememos a morte, porque não sabemos como viver. Se soubéssemos como iríamos viver plenamente medo de morrer. Se nós amamos as árvores, o sol, a folha que cai, se nós amamos as aves; se estivermos atentos aos homens e mulheres que choram os pobres, se você realmente amor em nossos corações, sentimos que não teme a morte.
Nós não vivemos felizmente, não estamos felizes, não são de vital sensível às coisas, então nós queremos saber o que vai acontecer quando morremos.
A vida é dor para nós, e estamos muito mais interessados em morte.
Nós sentimos que talvez não haja mais felicidade após a morte. Mas isso é um problema enorme, e uma enorme paixão é necessária para investigar.
No final do dia, na parte inferior de tudo isto é o medo: medo de vida, medo da morte, o medo de sofrimento. Se você não pode entender o que é o que dá origem a medo e sofrimento, bem como a sua compreensão se dissipar, não importa muito se você está vivo ou morto.
Se alguém diz: "renascer" tem que saber o que é o "eu". Quando falamos de uma entidade espiritual, portanto, que entendemos algo que não está dentro do reino da mente.
Mas o "eu" não é entidade espiritual. Se uma entidade espiritual seria além de todo o tempo e, portanto, não poderia renascer e continuar. O pensamento não pode pensar em qualquer entidade espiritual, porque o pensamento é dentro da medida do tempo, o pensamento vem de ontem, a memória é um movimento contínuo, a resposta do passado.
Assim, o pensamento é, na sua essência, um produto do tempo. Se o pensamento pode pensar sobre o "eu", é a tempo parcial; consequentemente, o "eu" não é tempo livre e, portanto, não é espiritual, o que é óbvio. Assim, o "eu" é apenas um processo de pensamento; e nós queremos saber se esse processo de pensamento, continuando para além do corpo físico, é nascido de novo, ele é reencarnado em uma forma física.
Aquilo que continua não pode encontrar, de forma alguma, o real, o que está além do tempo e medida. Esse "eu", entidade, que é um processo de pensamento, não pode ser novo.
Se você não pode estar fresco, novo, então deve haver uma terminação para o pensamento. Qualquer coisa que continua é inerentemente destrutiva, e que tem continuidade jamais pode renovar. Enquanto pensamento continua através da memória, desejo, experiência, nunca ser renovada; consequentemente, o que é contínua não pode saber o real. Um pode renascer mil vezes, mas nunca pode saber o real, porque só o que morre que chega ao fim, você pode encontrar o desconhecido e renovado.
No morrendo sem renovação. Apenas na morte algo novo vem a ser. Com esse conhecimento não estamos dando conforto, isso não é algo que nós podemos acreditar ou pensar, ou que nós consideramos e aceitamos intelectualmente, porque então ela se tornaria outro consolo, já que agora acredita em reencarnação ou a continuidade do ali, etc.
Mas a verdade é que para o que continua, não há renascimento, nenhuma renovação. Portanto, renovação, renascimento está a morrer diariamente, de momento a momento. Essa é a imortalidade.
Na morte é a imoralidade; não a morte que nós e medo, mas na morte das anteriores conclusões, memórias, experiências, na morte de tudo o que temos identificado como o "I" assusta. Na morte do "eu" em cada momento não a eternidade, não imortalidade, há algo a ser experimentando; não é para especular ou palestras sobre ele, como fazemos com reencarnação e todos esses tipos de coisas.
Quando não se tem medo, porque há uma morte a cada minuto e, portanto, uma renovação, em seguida, é aberta ao desconhecido. A realidade é o desconhecido. A morte também é desconhecida. Mas dizer que a morte é lindo, maravilhoso, porque vamos continuar na vida após a morte e todo esse absurdo, nenhuma realidade. 
Adequadamente ver a morte como um fim, um final em que não há renovação, renascimento, sem continuidade. Pois o que continua se deteriora, e você tem o poder de renovar-se é eterno.
Consideramos algo diferente do que a morte da Vida. Nós criamos uma fronteira entre a vida e a morte e sem entender a vida, nós tememos a morte. Mas, na realidade, não há uma divisão entre a vida ea morte, exceto na ilusão da própria mente.
Quando falamos de vida, entendemos viver como um processo contínuo no qual nenhuma identificação. Eu e minha casa, eu e minha esposa, eu e minha conta bancária, eu e minha experiência bancária ... isso é o que queremos dizer com vida.
Viver é para a maioria de nós um processo de continuidade na memória, tanto consciente e inconsciente, com as suas várias lutas, brigas, incidentes, experiências, etc.
Tudo isso é o que chamamos de vida; e em oposição a tudo o que é a morte que termina tudo. Depois de criar o oposto da vida, morte e como o medo, começamos a olhar para a relação entre ela e a Vida; Tentamos preencher essa lacuna com alguma explicação, com a crença na continuidade, no passado, e assim ficamos satisfeitos.
Nós acreditamos na reencarnação ou alguma outra forma de continuidade de pensamento e, em seguida, tentar estabelecer uma relação entre o conhecido e o desconhecido.
Procuramos construir uma ponte entre o conhecido e o desconhecido, tentou encontrar a relação entre passado e futuro. Isso é o que fazemos quando investigar se existe alguma relação entre a vida e a morte.
Queremos saber como ligar o viver e morrer. Esse é o nosso desejo básico.
Vivendo como é agora, envolve tortura, desordem contínua, contradição; portanto, a nossa vida é conflito, confusão e miséria. O trajeto diário para o trabalho, a repetição de prazer, com as suas dores e ansiedade, tateando, incerteza, isso é o que chamamos de vida. Que tipo de vida que se acostumaram. Nós aceitamos isso, nós envelhecemos e morremos com ele.
Para descobrir o que é viver e descobrir o que está morrendo, é preciso entrar em contato com a morte. Ou seja, é preciso terminar cada dia com tudo o que você conhece. Você deve acabar com a imagem que tem atraído sobre si mesmo, sua família, seus relacionamentos, a imagem formada no prazer, a sua relação com a sociedade, ainda. Isso é o que vai acontecer quando a morte ocorre.
Podemos saber o final, que é a morte, como vivemos. Se nós podemos saber o que é a morte enquanto estamos vivos, não haverá problema para nós. Já que não podemos experimentar o desconhecido, enquanto vivemos, estamos com medo.
Nós somos o resultado do conhecido e nossa luta é para estabelecer uma relação com o desconhecido, o que chamamos de morte. Mas pode haver uma relação entre o passado e algo que a mente não pode conceber, que chamamos de morte.
Separado entes coisas porque nossas mentes só podem trabalhar no reino do conhecido, de continuidade.
Sabe-se apenas como um pensador, como um ator com certas memórias de miséria, de prazer, de amor, de afeto, de diferentes tipos de experiência. Sabe-se apenas como uma entidade permanente, porque senão eu não teria memória de si mesmo, não teria memória de ser algo.
Agora, quando algo que chega ao fim, o que chamamos de morte, medo do desconhecido surge. Queremos, portanto, para superar a angústia, o medo da morte, desenhe o desconhecido para o conhecido, e todo o nosso esforço é para dar continuidade ao desconhecido. Ou seja, nós não sabemos a vida, o que inclui a morte, mas queremos saber como continuar e não chegar ao fim. Nós não queremos saber sobre a vida ea morte, mas apenas como continuar sem fim.
O que permanece desconhecido renovação. Nada de novo, nada pode ser criativo no que está abaixo. Somente quando a continuidade termina há uma possibilidade de que o que é sempre novo a se manifestar, decorrentes da nossa consciência.
Mas esse final é o que nos dá medo, e vemos que no final só pode ser renovado, o criador, o desconhecido, não guardar um dia para o outro as nossas experiências, nossas memórias e infortúnios.
Só quando morrem todos os dias para o velho, pois o passado é quando ele pode emergir novamente.
O novo não pode estar onde houver continuidade, porque o novo é o criador, o desconhecido, o eterno, Deus ou o que você quiser chamar. A pessoa, a entidade sucessora que busca o real, o eterno, nunca mais encontrá-lo, porque você só pode encontrar o que se projeta, e isso não é real.
Só você está terminando, morrendo, você pode conhecer o novo. O homem que tenta ver a relação entre a vida  e a morte, o continuum de ponte e que ele acredita que está além da vida em um mundo fictício e irreal que é uma projeção de si mesmo, de sua própria mente.
Agora, podemos morrer em vida, isto é, finalmente, sendo que nada. Vivemos em um mundo onde tudo está em fluxo, onde tudo é carreirismo e luta para o sucesso superficial e rápido, e em tal mundo que conhecemos morte.
Temos que acabar com todas as memórias, não a memória dos fatos, a caminho de casa, como consertar uma máquina, etc.
Mas com o acessório interno à segurança psicológica através da memória, completo com memórias que você recolheu, armazenados, e em busca de segurança, prazer e felicidade.
Nós podemos pôr fim a tudo isso, ou seja, morrem todos os dias para que amanhã eu possa ser a renovação.
Só então saberemos a morte em vida, e só então morrer naquela extremidade, em seguida, acabar com a continuidade, há renovação, que a criação é eterna.


Tony Iñiguez

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares