Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

OS CANHÕES DA MAÇONARIA



É este o nome dado pelos maçons aos “copos especiais” usados nos seus banquetes festivos (“Ágapes”), e nas “Ceias Místicas Capitulares”, e para que se tenha, desde logo, uma ideia do que se trata, ao lado está reproduzido um exemplar bastante interessante.
Revelaram as pesquisas do Irmão Douglas Ash, apresentadas no seu livro “English Drinking Glasses ande Decanters – 1680-1830” publicado em Londres, que os “Canhões Maçônicos” começaram a surgir depois de 1730, recebendo o apelido de “Firing Glasses” (Copos para dar tiros). Desde logo se destacaram dos copos comuns de vinho, mais pelo seu formato sui-generis, do que pelo seu posterior acabamento primoroso, que com o correr dos tempos foi produzindo verdadeiras obras de arte de lapidação.
A principio raramente eram maiores do que quatro polegadas (100 mm) de altura, tendo um pé maciço, sendo o corpo afunilado e com as paredes grossas, e tendo o pé mais tarde o formato de uma cebola. Para o uso era preciso um copo reforçado, cujo pé resistisse às repetidas, e muitas vezes bem “animadas” batidas, dadas nas diversas “saúdes”. O conteúdo era mais ou menos o de um copo de vinho comum.
O nome “canhão”, em alemão “kanone”, foi derivado das “batidas surdas” parecendo tiros. O vinho branco ou tinto, ou ainda os licores tomados destes copos recebeu o nome de “Pólvora Forte”, e o “ato de beber” passou a ser chamado de “... Fazer Fogo...”
Para evitar excessos de “animação”, em muitas lojas tornou-se habitual que, quem partisse o seu copo ao dar as batidas de “saúde”, seria obrigado a pagar todas as despesas da refeição. Cada Irmão tinha o seu copo pessoal. As atas de uma Loja de York Shire (Inglaterra) até consignam a punição: “O Irmão que quebrar o seu canhão é obrigado a pagar um shilling de multa”.
Como muitos maçons achavam os canhões antigos de pouco conteúdo, a partir de meados do século passado, em muitos casos o seu tamanho foi aumentando, e quando a loja não permitia o uso de “canhões” maiores, então muitas vezes o vinho era tomado em copos normais, e usavam-se os canhões apenas para dar as “salvas” ...
Estes “canhões” são relacionados quase exclusivamente com a Maçonaria, e por isso mesmo no comércio, eram negociados com maçons. Entretanto, outras Associações e Clubes de Canto também os usavam com frequência, bastando só citar os “Anacreonites” de Londres, cujos encontros eram na “Taberna Coroa e Âncora”,sendo que estes tinham até um “Hino próprio do seu clube” (To Anacreon In Heaven), cuja melodia, com novas e mais adequadas palavras, já no século XIX resultou no canto americano “The Sprangled Baner” (A bandeira salpicada de Estrelas).
De 1820 para cá, e ainda nos nossos dias, estes canhões passaram a ser feitos dos mais finos cristais, e até do mais legítimo “baccarat”, e lapidados com todo o tipo de símbolos maçônicos, em lapidação plana, facetada e opaca.
Ainda hoje, em muitas lojas da Europa estes canhões continuam a ser usados em lojas tradicionais. Modernamente no EUA., no Estado de Massachusetts, as “Lojas de Mesa” têm tido muita popularidade, com os seus rituais de banquete, com Sete Saúdes, o que veio aumentar o interesse pela história destes copos tradicionais.
Escrito por A Jorge
Adaptado de Texto de Autor Desconhecido

Um comentário:

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares