Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

sexta-feira, 27 de março de 2015

A ÉTICA NA MAÇONARIA



Em sentido lato, podemos dizer que a ética é a parte da filosofia que tem por objetivo elaborar uma reflexão sobre os problemas fundamentais da moral.

Entretanto, a ética na Maçonaria tem como um dos objetivos refletir quanto aos fundamentos dos princípios maçônicos, bem como sobre as obrigações e os deveres do Maçom.

Assim sendo, podemos afirmar que, tanto a ética quanto a moral são requisitos indispensáveis ao Maçom, para que realmente possamos nos dizer “livres e de bons costumes”, ou seja, termos atitude ética e moral compatíveis com os princípios que regem a Maçonaria.

Nesse sentido, pode-se dizer que, a ética maçônica está mais preocupada em detectar a importância dos princípios da Maçonaria, alinhados à sabedoria filosófica, bem como em elaborar uma reflexão sobre as razões de se desejar a justiça e a harmonia, além de refletir quanto aos meios de os alcançarmos.

Em contrapartida, a moral está mais preocupada na construção de um conjunto de prescrições destinadas a assegurar um bom convívio social. Lembramos que, para os gregos, a ética era um conjunto de princípios imutáveis.

Nessa perspectiva, podemos concluir que, a ética está na essência da alma humana e isso significa a possibilidade de se praticar o bem.

Todavia, na tradição romana, a ética seria o mesmo que moral ou costumes.
O problema é que, a moral ou os costumes são mutáveis, diferentemente do conjunto de princípios que definem a ética, segundo a ótica dos gregos.

Entendemos que, na Maçonaria devemos levar em conta essas duas vertentes. Isso significa dizer que, se para os gregos a ética está na essência do homem, para o maçom ela vai além, ou seja, tem que se concretizar na prática, seja através dos costumes ou da moral, como pregavam os romanos.

Finalmente, concluímos que, a ética maçônica, salvo melhor juízo, deve ter como fundamento tanto o pensamento grego quanto o romano, a fim de que possamos evoluir em nossa trajetória maçônica e, de fato nos tornarmos paradigma para nossos irmãos, família e para a sociedade em que vivemos.


AILDO VIRGINIO CAROLINO Secretário Estadual de Gabinete – GOB-RJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares