Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

sexta-feira, 6 de março de 2015

O QUE É SER MAÇOM


INTRODUÇÃO
O presente trabalho tem por finalidade esclarecer o significado do que é ser maçom, na visão de um Ir.’.Apr.’.
Para tanto, mister se faz elucidar os requisitos necessários para que um profano venha a ser admitido nesta poderosa e sublime instituição, bem como os princípios a serem seguidos por ele durante toda a sua vida a partir de então, afinal, ninguém nasce maçom, todos advém da vida profana.
DESENVOLVIMENTO
Para que um profano seja admitido maçom, indispensável que este acredite na existência de um princípio criador; ser homem livre e de bons costumes; ser consciente de seus deveres para com a pátria, seus semelhantes e consigo mesmo; ter uma profissão ou ofício lícito e honrado, que lhe permita prover as suas necessidades pessoais e de sua família e a sustentação das obras da instituição.
Exige-se dele, em princípio, tudo aquilo que se exige ao ingresso em qualquer outra instituição, ou seja, respeito aos estatutos, regulamentos e acatamento às resoluções da maioria, tomadas de acordo com os princípios que as regem; amor à pátria; respeito aos governos legalmente constituídos; acatamento às leis do país em que viva; viver segundo os ditames da honra; praticar justiça; amar o próximo; trabalhar pelo progresso do homem, etc.
E, em particular: a guarda do sigilo dos rituais maçônicos: conduta correta e digna dentre e fora da maçonaria; a dedicação de parte do seu tempo para assistir às reuniões maçônicas: à prática da moral, da igualdade e da solidariedade humana e da justiça em toda a sua plenitude.
Ser maçom é ter a possibilidade de aperfeiçoar-se, de instituir-se, de disciplinar-se, de conviver com pessoas que, por suas palavras, por suas obras, podem constituir-se em exemplos; encontrar afetos fraternais em qualquer lugar em que se esteja dentro ou fora do país. Finalmente, a enorme satisfação de haver contribuído mesmo em pequena parcela, para a obra moral e grandiosa levada a efeito pelos homens.

A maçonaria não considera possível o progresso senão na base do respeito à personalidade, à justiça social e a mais estreita solidariedade entre os homens. Ostenta o seu lema “liberdade, igualdade e fraternidade” com a abstenção das bandeiras políticas e religiosas.
Assim, para ser maçom, necessário se faz que o homem não tenha preconceito de poderes e que tenha um mínimo de cultura que lhe permita praticar os seus sentimentos e tenha uma profissão ou renda com que possa atender às necessidades dos seus familiares, fazer face às despesas da sociedade e socorros aos necessitados.
Cabe aqui lembrar, que a maçonaria, ordem universal, é constituída por homens de todas as raças e nacionalidades, acolhidos por iniciação e congregados em lojas, nas quais, auxiliados por símbolos e alegorias, estudam e trabalham para o aperfeiçoamento da sociedade humana.
É fundada no amor fraternal e na esperança de que, com amor ao grande arquiteto do universo, à pátria, à família e ao próximo, com tolerância e sabedoria, constante e livre investigação da verdade, com a evolução do conhecimento humano pela filosofia, ciências e artes, sob a já citada tríade da liberdade, igualdade e fraternidade e dentro dos princípios da moral, da razão e da justiça, o mundo alcance a felicidade geral e a paz universal.

Conclui-se então, após o supra explanado que, ser maçom, perante a sociedade profana, é, na sua essência, amar ao GADU, a pátria, a família e a humanidade como um todo; praticar a beneficência, de modo discreto, sem humilhar; praticar a solidariedade maçônica, nas causas justas; defender os direitos e as garantias individuais; considerar o trabalho lícito e digno como dever do homem; fiscalizar e exigir de seus IIr.’. a boa reputação moral, cívica, social e familiar.
Pugnando pelo aperfeiçoamento dos costumes; tolerar toda a forma de manifestação de consciência, de religião ou de filosofia, cujos objetivos sejam os de conquistar a verdade, a moral, a paz e o bem social; lutar pelo princípio da equidade, dando a cada um o que for justo, de acordo com sua capacidade, obras e méritos e; combater o fanatismo, as paixões, o obscurantismo e os vícios.

Brilhantes as palavras proferidas pelo Grande Orador Guillermo Mattai, por ocasião da inauguração do templo da Grande Loja de Valparaiso, Chile, em 30 de outubro de 1872, cujo trecho passa-se a transcrever:

 “A profissão de maçom é a mais difícil de ser exercida, porque toda ela é praticar virtudes, vencer dificuldades, semear o bem que se colhe. Trabalhemos, eduquemos, cultivemos com solicitude e esmero as inteligências e os corações; exerçamos nossa profissão iniciando as novas gerações, realizando o progresso nas que hoje existem; e ao pisar estes umbrais do templo, ao inclinar nossas frontes ante a grandeza dos nossos símbolos, possamos estender os braços, louvar nossa missão e exaltar com o lábio agradecido nossas doutrinas e nossas convicções ao supremo criador dos mundos”.
Logo, ser maçom é, acima de tudo, a busca do “homem perfeito”, aquele que descobre a divindade em seu coração e também a percebe em seu semelhante. é aquele que contorna o ocidente, passa pelo norte e o sul até chegar ao oriente, de onde emana todo o conhecimento e sabedoria, a doutrina do amor e fraternidade.
Maçom é aprender a trabalhar com o número 3 (três), que é número da luz (fogo, chama e calor) e as 3 (três) qualidades que todo maçom deve ter em equilíbrio, a vontade, o amor e a inteligência. A vontade é um influxo divino que vem do alto, a inteligência gera poder que é uma força que realiza, deve estar equilibrada com o amor para que faça nascer dentro do ser a “sabedoria”.
Ser maçom é servir a parâmetros da fé moral (que nos guia), mostrando-nos que nossas ações devem ser retas, justas e perfeitas. é lembrar sempre dos quatro pontos fundamentais da maçonaria simbólica, a “justiça”, o caminho da retidão, a “temperança”, para contermos as paixões e desejos dos instintos e da materialidade, a “prudência” ou domínio do espírito sobre a matéria, e a “coragem” qualidade que todo iniciado deve ter e conservar.
Por fim, ser maçom é estar acima da dualidade das aparências e das ilusões, da vida e da morte, superando todas as adversidades, transformando-as em lições, pois compreendemos que existe uma grande e única verdade, tudo é regido pelo ser único e indivisível, o GADU viemos dele, estamos nele e com ele, sempre estaremos na eternidade.
Para estar entre IIr.: não há nada melhor do que o seio de uma grande família.
MM Ir.’. Celso Leite da Silva
ARLS CAVALEIROS DO GRAAL Nº 3511


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares