Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

segunda-feira, 27 de abril de 2015

O APRENDIZ E O SILÊNCIO



Peço data venia aos que pensam em contrário, mas por entendermos que o Aprendiz Maçom está adentrando a um “mundo novo”, necessário se faz o silêncio do mesmo em Loja nos seus primeiros momentos, que é importante por, pelos menos, duas razões: para a compreensão da simbologia que o circunda e para a demarcação de prioridades no seu processo de aperfeiçoamento.

Sem sombra de dúvida que fazemos esta defesa sem querer que o silêncio seja na forma convencional que a Maçonaria defendia em tempos pretéritos, mesmo porque vivemos novos tempos, o que requer novas práticas.

O Aprendiz Maçom passa por um processo de integração num grupo novo, com regras específicas, com uma ligação interpessoal forte. Desejaria, porventura, ter uma atitude proativa de se dar a conhecer, de intervir, de mostrar o seu valor. Mas precisa ser prudente e moderado, porque tem o seu valor, e todo o grupo é sabedor - por isso o aceitou no seu seio -, o conhecimento advirá, nos dois sentidos, com o tempo e a naturalidade dos contatos entre todos.

Além disso, o Aprendiz Maçom está num processo de mudança de paradigma quanto à forma de estar social. Os valores apreciados nos meios profanos não serão os mesmos que são proferidos entre os maçons.

Na Maçonaria não se busca eficiência, produtividade, riqueza, estatuto, etc..

Na Maçonaria valoriza-se a força de caráter, o reconhecimento das próprias imperfeições, o desejo de melhorar, a ponderação, o respeito pelo outro, a tolerância, a paciência, etc..

Seria injusto para o Aprendiz Maçom que, vindo das realidades do mundo profano, está ainda em processo de adaptação aos objetivos do método maçônico de aperfeiçoamento, deixá-lo expressar opiniões, sem as devidas orientações, que cabe a todos os irmãos maçônicos, especialmente ao 1º Vigilante e ao Venerável.

Entendemos que a aprendizagem na Maçonaria é um processo de tentativa-erro-correção e o aperfeiçoamento pessoal é um processo, também, com estas vicissitudes. Além disso, errar é normal. Será, porventura, até necessário.

Os maçons experientes sabem-no. Mas quem está a soletrar as primeiras letras do novo alfabeto de valores e símbolos só com o tempo o verificará. E se após as básicas e necessárias orientações, por ventura errar publicamente, não deverá arrefecer seus ânimos e sentir-se diminuído com isso. Muito pelo contrário, deverá ser um elemento motivacional de crescimento e aperfeiçoamento humano-maçônico.
   
Entendemos, portanto que o silêncio inicial do Aprendiz lhe proporcionará a curto e médio prazo, o pensar, o refletir e o meditar que são “ferramentas” imprescindíveis para a comunicação com moderação e sensatez. Além disso, pensar, refletir, meditar e falar são atribuições também inerentes aos iniciados maçonicamente.


Por Ir.•. Vercil Rodrigues

Editor-fundador do jornal e site Maçônico “O Compasso” www.jornalocompasso.blogspot.com.br  e Membro da A.•. R.•.  L.•. S.•. Areópago Itabunense. Itabuna – Bahia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares