Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

terça-feira, 4 de agosto de 2015

REGULARIDADE DAS POTÊNCIAS MAÇÔNICAS NO BRASIL


Declaração oficial do Honorável Irmão Derek Dinsmore,
Grande Chanceler da GLUI, na Assembleia Geral da CMI
— em Madrid. 15 de abril de 2015

                    Mui Venerável Irmão Presidente e Membros da CMI.
         
Agradeço-lhe, Irmão Presidente, tanto por permitir que eu e meu colega fôssemos observadores em sua Conferência como pelo privilégio de poder dirigir-lhes a palavra.

Na Inglaterra estamos bem conscientes de que não pudemos visitar sua Grande Loja por um tempo considerável. Assim, sua Conferência na Espanha nos pareceu uma oportunidade boa demais para desperdiçar, porque permitirá que nos encontremos informalmente com tantos líderes da Maçonaria na América Latina.

Também estamos muito conscientes do privilégio que muitos de vocês nos concederam ao permitir que Lojas, sob nossa Constituição, continuassem a trabalhar em seus países.

No pouco tempo como Grande Chanceler da Grande Loja Unida da Inglaterra, aprendi a posição exclusiva de minha Grande Loja, como a mais antiga Grande Loja no mundo.

Embora não tenhamos buscado sê-lo, parece que somos olhados pelo mundo maçônico regular como os árbitros e guardiães da regularidade maçônica.

Nossos pontos de vista e conselhos são regularmente procurados e, quando inquiridos, ficamos felizes em aconselhar, baseados em nossa longa experiência maçônica.

O que não podemos ser — e não desejamos ser — é uma espécie de policial maçônico internacional, arbitrando entre Grandes Lojas ou mesmo resolvendo disputas dentro de uma determinada Grande Loja. Um dos princípios fundamentais das relações maçônicas internacionais é que cada Grande Loja é soberana e independente, e nós, pela longa experiência, estamos conscientes da linha tênue entre aconselhar e, na verdade, interferir nos assuntos internos de uma Grande Loja Irmã.

A regularidade é algo absoluto: uma Grande Loja ou um Grande Oriente ou é regular ou não. Não há meio termo neste assunto. Na perspectiva inglesa, se uma Grande Loja ou Grande Oriente não preenche todos os nossos Princípios Básicos para o Reconhecimento de Grandes Lojas, não pode ser reconhecida como regular.

Onde diferimos de algumas Grandes Lojas regulares é que nossos princípios não incluem a jurisdição territorial exclusiva como um princípio de regularidade.

Por razões históricas, seria impossível para nós fazê-lo. Deveras, em algumas partes do mundo – por exemplo, como Índia, África do Sul, Nova Zelândia e África Ocidental – as três Grandes Lojas originais - agora dividem território com uma Grande Loja local que se desenvolveu de Lojas originalmente sob nossa Constituição.

Como eu disse antes, também temos o privilégio de ter Lojas, dentro do território, de um número de Grandes Lojas na América do Sul, aqui presentes hoje, que datam do século XIX.

Para nós, para a Irlanda e a Escócia, soberania e jurisdição territorial são dois conceitos inteiramente diferentes. Para nós, soberania é uma Grande Loja ter autoridade única sobre seus membros e Lojas, onde quer que essas Lojas possam localizar-se geograficamente.

Soberania não pode ser dividida. Território, por acordo mútuo, pode ser compartilhado, e compartilhar território de modo algum diminui a soberania das Grandes Lojas envolvidas.

 A frase chave é ‘por acordo mútuo’. Num Território, onde nós já reconheçamos uma Grande Loja, se houver uma segunda Grande Loja, que se enquadre em nossos Princípios Básicos para o Reconhecimento de Grandes Lojas, antes de estender a ela nosso reconhecimento, perguntaríamos à Grande Loja reconhecida, como cortesia, se ela teria alguma objeção a que o fizéssemos.

Esperamos, por causa do grande cuidado que temos em avaliar a regularidade de uma Grande Loja, que o acordo seja aceito. Não insistimos que as duas Grandes Lojas se reconheçam, mas, simplesmente, que compartilhem o território.

Esta foi a política que usamos em relação aos Estados Unidos da América, onde em muitos estados reconhecemos a Grande Loja Estadual e a Grande Loja Prince Hall; na Colômbia, onde agora reconhecemos seis Grandes Lojas; no Brasil, onde, em adição ao velho aliado, o Grande Oriente, nós agora reconhecemos quatro Grandes Lojas Estaduais; e, mais recentemente, no México, onde, por quase cem anos, reconhecíamos apenas a Grande Loja de York e, agora, reconhecemos a Grande Loja de Vera Cruz.

O reconhecimento, naturalmente, é um privilégio que pode ser revisto. Se uma Grande Loja afasta-se do caminho da regularidade ou parece estar levando a Maçonaria ao descrédito, ela pode ser suspensa e, se as coisas não melhorarem, o reconhecimento pode ser cancelado.

Naturalmente, essas opções são disponíveis, independentemente, para todos nós, como Grandes Lojas regulares, do modo como considerarmos adequado.

Vivemos em um tempo em que os Maçons regulares, em todo o mundo, deveriam estar unidos em um propósito comum: brecar o crescimento, muito facilitado pela internet, da maçonaria irregular.

Durante os problemas recentes na França, nós, na Inglaterra, nos espantamos ao descobrir que há cerca de oitenta grupos alegando ser Grandes Lojas.

O mesmo pode ser dito em outras partes da Europa e América do Norte. Muito dessas, assim chamadas Grande Lojas, são pequenos grupos com web sites atraentes — e aí reside o perigo.

Estamos buscando atrair jovens bem formados para que venham a ser o futuro de nossas Grandes Lojas. Na Inglaterra, chamamos os abaixo de quarenta anos de geração Google.

Se eles desejam alguma informação sobre o que quer que seja, eles ligam seus laptops, entram no Google ou outro navegador e vêem o que aparece.

O perigo é que eles acessem em um desses sites caprichados e sejam levados à maçonaria irregular, para, depois, descobrir que foram enganados e, desta forma, perdidos para a Maçonaria regular.
 
Muitos desses sites dão ao público uma visão distorcida da Maçonaria e empanturram, com essa mitologia barata que cresceu em volta da Maçonaria.

Seguramente, melhor do que levantar barreiras arbitrárias ou desnecessárias ao reconhecimento de Grandes Lojas, que sejam verdadeiramente regulares em seus atos e práticas, deveríamos acolhê-los em nosso círculo para que se juntassem a nós na batalha contra a irregularidade.

 Mui Veneráveis Presidente e Irmãos, obrigado pela cortesia de nos permitir estar com vocês, e por sua paciência em ouvir-me.

Colaboração do Irmão Jório Rodrigues Barbosa, Mestre Maçom e obreiro da Augusta, Respeitável e Grande Benfeitora Loja Simbólica “Amor ao Trabalho” no 202 - GOB


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares