Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

sábado, 22 de agosto de 2015

SÍNTESE DOS LANDMARKS


A maioria dos Irmãos tem a ideia que os Landmarks são leis antigas de difícil interpretação e que só interessam aos Doutores da Lei, porém é primordial que todos nós conheçamos as leis que regem a Ordem. Toda legislação tende a ter uma textualidade que pode causar desinteresse aos que acham que devem memorizar o número (do Landmark) e seu conteúdo integral.

Particularmente acredito ser mais viável que todos nós tenhamos ao menos a noção dos 25 Landmarks colecionados pelo Irmão Alberto G. Mackey, isto servirá de "fio da meada" para quando acontecer alguma situação na Instituição, possamos pensar:

Acho que já li algo sobre isso nos Landmarks! Aí procurar o texto completo e as interpretações/explicações de cada estudioso.

Baseado no livreto impresso pela GLMMG em 1998 que traz os Landmarks e a Constituição de Anderson vejamos uma síntese dos Landmarks:

A primeira coisa a se perpetuar é que somos reconhecidos principalmente por toques, palavras e sinais que nunca poderão ser mudados.

A Maçonaria Simbólica é dividida em três graus, mas há a possibilidade do Real Arco. Em todo Rito Maçônico tem que constar a lenda (na íntegra) do terceiro grau (JJJ).

Grão Mestre é o Oficial eleito que preside o governo da Fraternidade; Ao Grão Mestre cabe à prerrogativa de presidir todas as reuniões maçônicas, também ele pode conceder licença para conferir graus em tempos anormais, fundar e manter Lojas e até em casos ocasionais ou emergenciais na presença de outros seis Irmãos conferir os Graus 1, 2 ou 3 a quem ele julgar necessário.

Os trabalhos maçônicos são coletivos, portanto há necessidade de se congregarem os Maçons em uma Loja;

Não se aceita outra denominação para a direção da Loja que não seja um Venerável Mestre e dois Vigilantes, nenhuma reunião ritualística poderá acontecer se não estiver devidamente a coberta;

Todo o Irmão terá o direito de se manifestar/votar, não passando seu direito representativo a outro Irmão.

Todo maçom tem direito a recurso sobre decisões tomadas contra si. É inquestionável o direito do Maçom de visitar outra Oficina, porém nenhum visitante desconhecido poderá ser admitido sem antes ser trolhado;

Nenhuma Loja pode se intrometer em assuntos de outras Lojas nem ministrar graus a Irmãos de outra Oficina.

Uma vez iniciado todos nós estamos sujeitos às Leis e Regulamentos da Jurisdição Maçônica do nosso Oriente, pré-requisitos básicos para ser iniciado: homem, físico perfeito e completo, livre de nascimento e maior de idade, concomitantemente deve ter a crença na existência de um Ser Superior (Deus) e subsidiariamente a essa crença é exigida a crença em uma vida futura; é indispensável á presença de um "Livro da Lei" durante as sessões. Todos devem ser tratados como Irmãos, pois são absolutamente iguais dentro das Lojas;

Todo conhecimento considerado secreto, somente poderá ser transmitido entre Irmãos;

A fundação de uma ciência especulativa, segundo métodos operativos, e o uso simbólico e a explicação dos ditos métodos e de termos neles empregados, com propósito de ensinamento moral, constitui outro Landmark;

O último mantém a integridade dos demais: NOLUNUM LEGES MUTARI, nada poderá ser-lhes acrescido ou retirado.

Pronto! Basicamente é isto. A intenção desse pequeno artigo é motivar os Irmãos a apresentarem trabalhos em suas Oficinas, pois como disse o Irmão Milo Bazaga da ARLS Capitólio das Águias Uberabense 284 infelizmente ainda temos muitos Irmãos que nunca ouviram falar de Reconhecimento Conjugal, Banquete Maçônico, Lowtons e até mesmo dos Landmarks.

Grato pela atenção TFA
Sergio Quirino

Grande Loja do Estado de Minas Gerais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares