Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

sábado, 1 de agosto de 2015

A MALDITA SOBERBA


Não se esqueça: terminado o jogo, o rei e o peão voltam à mesma caixa!

A soberba ocorre quando a criatura se julga pretensiosamente superior sobre as demais pessoas, portando-se com ostensiva arrogância, muitas vezes sem se dar conta. 

Um líder soberbo é movido por orgulho e por enorme vaidade fortalecida por bajuladores que o cercam num cerco tão espesso que o impede de ver  a realidade, pois a esses não há interesse de mudanças do "status quo".

 A manipulação da soberba e da pretensão de superioridade pode mobilizar conflitos onde uma massa humana pouco crítica acaba servindo aos interesses políticos, ideológicos ou religiosos de alguns líderes. 

Líderes soberbos que assim agiram não faltam na história humana, sendo o nazismo alemão um exemplo dentre muitos a se destacar e que como todos pregava a doutrina da superioridade de uma raça, de um povo, pregava a hegemonia.  

Isso mostra como a manipulação de líderes  soberbos levaram à derrocada seus seguidores, com sofrimento para muitos que nada tinham a ver com a paranóia, mas que silenciaram quando deveriam gritar. 

A soberba não é privilégio dos ricos e dos inteligentes. 

Pobres e medíocres também podem experimentá-la quando se consideram especiais e buscam  ser o que não são. 

O soberbo tende a estar enamorado com a própria existência, quer despertar a inveja e a admiração dos outros, quer ser mais importante que as outras pessoas. 

Quando  superado, quando se depara com alguém de maior prestígio ou mais articulado, aí se deixa dominar por  inveja doentia porque precisa sempre estar no topo, necessita sentir-se o parâmetro mais alto dentre todos que o cercam, precisa ser o centro das atenções; se superado, sente-se ameaçado, atingido, busca denegrir os que julgam oponentes, procura atingi-los, destruí-los, levá-los ao ostracismo. 

A soberba é incompatível com os valores liberdade, fraternidade e igualdade, especialmente com este último, pois onde indivíduos se reúnem sendo e vivendo como iguais, não há espaço para a soberba, não há como aceitar o desejo de se tornar diferente e mais especial que os outros.

A correção da soberba ocorre  simplesmente pelo exercício da humildade, pelo agir com simplicidade, evitando a ostentação, contendo as vaidades e olhando o mundo não apenas a partir de si, mas principalmente ao redor de si, e além.

Mas não nos confundamos com a falsa humildade,  ou mesmo com o excesso de humildade, que  é a soberba focada na inferioridade, o comportamento do soberbo que sendo mediano não se aceita ser como a média, não se aceita ser como os demais, precisa se destacar dos outros sendo o "mais", sendo o "maior". 

Se não consegue ser ou parecer ser o mais inteligente, então se fará parecer artificialmente como o mais ignorante, falando sobre isso o tempo todo para que seja interpretado por muitos como uma autodepreciação movida pela humildade, mas claro, pela falsa humildade.

Com isso engana a muitos e coleciona elogios de outros tantos que passam a elogiar o soberbo para não se destoarem da massa, para dar mostras ao menos de educação ou tolerância. Isso bastará ao soberbo que quer ser destacado dos outros que são medianos, essa será sua manobra!

Apesar de muitos se esquecerem dos valores  que nos movem, 
a liberdade, a fraternidade e a igualdade, nada vale a pena que não seja 
pelo amor e pela amizade, pois segundo as palavras de Dante Alighieri...


"...não se esqueça: terminado o jogo, o rei e o peão voltam à mesma caixa!"





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares