Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

domingo, 15 de julho de 2012

O DIA DO NACIONAL DO RITO BRASILEIRO



Ao tempo que se comemora o “DIA NACIONAL DO RITO BRASILEIRO”, há de fazer uma reflexão analógica ante aos compromissos maçônicos por nós assumidos nos diversos graus filosóficos do Sistema Brasilista.

O Brasil maçônico possuía até 1914, cinco Ritos, todos egressos da Europa, oriundos do século passado, fundados em Nações detentoras de Impérios Coloniais, tais como Grã-Bretanha, França, Alemanha e Portugal. Cumpriram galhardamente o grande papel em trazer para o Brasil a Maçonaria Universal e aqui muito realizaram.

Entretanto com a fundação do Rito Brasileiro em 1914 por Lauro Sodré, pode-se dizer que foi consagrada à maioridade maçônica do Brasil, pela autodeterminação a que se propõe o Rito Brasileiro quando afirma conciliar a Tradição com a Evolução, impondo a consciência do povo maçônico do Brasil.

Sabemos que o Rito Brasileiro propõe ser o Rito da Renovação, servindo a legenda do GOB “Novae Sed Antiquae”, isto é, “antiga, porém nova”, exigindo assim, o convívio da Tradição com a Evolução, porque o Espírito Maçônico evolui com o tempo, o que nos leva a relembrar a afirmativa do Ilustre Filósofo e Teólogo Dinamarquês Sorem Kiergaard: “A vida só pode ser entendida olhando-se para frente”.

Nós maçons do Rito Brasileiro, vemos dentro e fora da jurisdição nacional, porque nosso Rito é, sem favor, o Rito da Renovação Maçônica, ele que é a maçonaria ambígena, como foi dito pelo Professor Álvaro Palmeira, sendo simultaneamente Contemplativa e Militante. Por esta razão em face do mundo exterior, temos que demonstrar AÇÃO, sair da inércia e não ficar olhando os fatos acontecerem. Abramos os nossos Rituais e recordemos os compromissos assumidos de cada grau.

A história contemporânea do Rito Brasileiro é a própria história de maçons ilustres que obstinadamente, desfraldaram a Bandeira Nacional e a transportaram para dentro do Templo Maçônico, não isoladamente como símbolo Augusto da Nação, mas como a própria Nação dentro da Maçonaria.

A Maçonaria espera do Rito Brasileiro que seja um guardião do sentimento cívico e patriótico que são fundamentais para a construção de um Brasil melhor e para preservação de nossos valores morais, pois, numa sociedade de consumo em que vivemos um irmão às vezes não conhece mais outro irmão com seus valores morais, éticos e culturais. A evolução social caminha a passos largos para a neurose coletiva, ante graves problemas tais como: a fome, o tóxico, o menor abandonado, a poluição ambiental e ecológica, a criminalidade, a violência, a injusta distribuição de renda, a corrupção desenfreada, o assalto continuo às riquezas nacionais, etc., etc.

Cabe, portanto, aos Irmãos Brasilistas uma grande parcela de responsabilidade na condução do “rebanho universal”. Os compromissos assumidos em todos os graus são simbólicos. Poderosos Missionários devem estar sempre presentes em nossas mentes para que os nossos atos não falhem.

O Rito Brasileiro não veio somente para trabalhar para hoje, para isto, torna-se necessário extirpar a falsa alquimia do meio maçônico, a vaidade e ostentação de graus, assim como os dogmas pessoais e a tola magia, substituindo-os pela verdadeira filosofia, e com sabedoria o espírito maçônico despertará para a sustentação do futuro alicerçado nas antigas tradições. É premente a revitalização do ideal maçônico. Já abordamos nesse assunto noutras oportunidades e temos a certeza e convicção de que o atingimento desse ideal será facilmente alcançado se conjugarmos esforços por uma Maçonaria Militante assentada sobre a verdadeira razão dissociada do falso misticismo e da superstição.

O Rito Brasileiro também não veio para formar uma determinada classe de maçons, porque, se assim fosse, seria superficial. Seu objetivo é o de unir os homens pelo aperfeiçoamento e prepará-los para o terceiro milênio, agrupando-se homens de todas as tendências em torno de um único ideal, cada um dando o que pode e recebendo o que não usurpa.

O Rito Brasileiro que eu entendi, não comporta o preconceito, a inveja e o sectarismo, ensinamento básico da Maçonaria Universal.

Somente refletindo profundamente seremos capazes de contemplar a obra acabada. O Rito é sem duvida a Maçonaria do amanhã que começou quando nasceu, assim, como a vida já existia quando o homem não conhecia a morte.

Em todo Sistema Brasilista, ou seja, nos seus trinta graus afetos à Potência Filosófica oferece ao maçom uma formação completa. Efetivamente, forma o homem como VALOR MORAL, e HOMEM SOCIAL, e o HOMEM CÍVICO, fechando a cúpula com o SERVIDOR DA ORDEM E DA PÁTRIA, quando então estará preparada para esta grande missão, a de servir, ai sim, então poderá dizer que de fato “Viu a Maçonaria”.

Todos que se alinham honrando e engrandecendo o Rito Brasileiro, merecem a homenagem de nosso bem querer e de nosso respeito. Não importa o que sejam que vale é o bem e que de bom os irmãos fazem, e que, tenhamos em cada canto do Brasil, do continente, do mundo, uma loja do Rito Brasileiro elevando mais a Maçonaria Universal.

Façamos, pois, a nossa participação vigorosa no momento que se passa. Sejamos o “Sal da Terra” de que falou o Grande Iniciado.

Meus Irmãos após estas colocações, retornamos aos fatos históricos que levaram identificar a data de 25 de abril como sendo o dia do Rito Brasileiro.

Curiosa é, a “priori”, não ser o dia de sua fundação (23/12) ou mesmo o dia de sua reimplantação (19/03), mas como sabemos tudo tem razão de ser, e esta não seria diferente.

O estabelecimento desta data decorreu do resultado de estudos e pesquisas realizadas por abnegados irmãos da Magna Reitoria, tendo levantado todas as datas dos diversos eventos ao longo de toda história do rito e, fazendo-se uma avaliação dos fatos, verificou-se que de nada adiantaria ter sido o rito fundado e reimplantado sem que de fato fosse colocado em prática, como fora outrora no período de 1914 a 1968.

É interessante notar que o Decreto 124 de 25 de agosto de 1970, instituiu o “DIA NACIONAL” do Rito Brasileiro como sendo o dia 7 de setembro, no sentido de reverenciar a emancipação política do Brasil.

Por outro lado, o Regulamento Especial do Supremo Conclave do Brasil (Art. 41) instituiu o dia 24 de maio como o “DIA DO RITO BRASILEIRO”, concluindo dia duas datas, ou seja, uma como DIA NACIONAL (7/09) e outro DIA DO RITO (24/05).

Diante dessa situação, a Oficina-Chefe do Rito resolveu definir efetivamente a data e, por ocasião da realização da I Convenção Nacional do Rito – 18/20 outubro 1974, Rio – foi feita a regulamentação de que consta do artigo 42 do Regulamento Especial reconhecida no dia 21 de setembro de 1976, data esta da aprovação do Regulamento Especial do Rito, hoje em vigor, como sendo O DIA NACIONAL DO RITO, o dia 25 DE ABRIL, que também se comemora a fundação do Supremo Conclave do Brasil.

Mas, o principal marco de sua efetiva existência no meio maçônico, como elo da Potência Filosófica – Oficina-Chefe do Rito, o Supremo Conclave e a Potência Simbólica, o Grande Oriente do Brasil, que o adotou, foi sem dúvida o advento da fundação da Primeira Loja Simbólica sob à Jurisdição do Grande Oriente do Brasil, e, esta ocorrera exatamente no dia 25 de abril de 1968, numa quinta-feira de lua crescente sob o signo de touro regido por Vênus tendo como seu elemento da natureza a TERRA, quando vários irmãos assinaram a ata de fundação da ARLS “Fraternidade e Civismo” nº 1796 ao oriente do Rio de Janeiro Palácio do Lavradio cuja regularização se deu no dia 24 de maio do mesmo ano.

A importância desta data é de fundamental relevância, pois, com esta homenagem dada à Loja Primaz do Rito, consolidou o fato como sendo o cordão umbilical que une as duas Potências Maçônicas – Filosófica e Simbólica.

Portanto, devemos render nossas mais sinceras homenagens de congratulações à feliz ideia e sábia decisão tomada pelos nossos dirigentes e que a renovação proposta pelo Rito seja sólida e crescente na forma preconizada nos ensinamentos doutrinários.

Assim, saudemos numa só voz,

Com vivas a maçonaria do Brasil,

Salve a Fraternidade entre nós,

Viva os Vinte e Cinco de Abril.

Sursum Corda

José Reinaldo de Melo
Goiânia - GO
Fonte: http://www.masonic.com.br/rito/trb07.htm


Fonte: Jornal "O Semeador" nº 32 de abril/1994
Supremo Conclave do Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares