Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

quarta-feira, 11 de julho de 2012

SER MAÇOM NO SÉCULO XXI



Desde que entrei na Ordem Maçônica, questiono-me permanentemente sobre o que é ser Maçom, como posso ser um bom Maçom, e no fundo, como posso, sendo Maçom, fazer mais pelo bem-estar da comunidade, pelo desenvolvimento e pelo progresso coletivo?

Liberdade, Igualdade, Fraternidade, Paz e Humanismo, entre outros conceitos igualmente louváveis, para além de sons agradáveis ao ouvido, são valores insofismáveis e inquestionáveis para um Maçom; serão, porventura, dogmas irrecusáveis. Mas como praticá-los no nosso dia-a-dia, nas empresas, na família, junto dos amigos e nas instituições onde desenvolvemos qualquer atividade? Dizem-me que tenho que percorrer o caminho, assim como percorri o caminho que a antecedeu, livre e de bons costumes. Tenho que participar na edificação e construção de Catedrais.

Num mundo, que desaba a cada dia que passa mergulhado na total ausência de ética, de responsabilidade empresarial, cheio de individualismo, veneração do acionista, no desprezo pelos trabalhadores, no lucro fácil, nas crueldades ambientais, num consumismo desproporcional, e até no terror e outras formas de matar, enfim, numa total crise de valores humanos, questionarmo-nos sobre os “porquês” e os “para quês” parece razoavelmente pertinente.

Este mundo que nós conhecemos, ou julgamos conhecer, tem pouco a ver com a nossa qualidade de Maçon. Como é possível, passarmos por um mendigo e não o acolher? Como é possível criticar pessoas que vivem com a ajuda do Estado porque tiveram o azar de terem ficado sem emprego? Ou mesmo desdenhá-los por não terem as condições mínimas para garantir uma vida digna e decente? Como é possível, milhões de euros de lucros e milhares de pessoas no desemprego? Que sociedade é esta? Que mundo é este?

O mundo que conhecemos, é um mundo em que a injustiça, os preconceitos e os erros são tão atuais como a internet. Por cada banquete numa qualquer cidade da União Europeia, há milhões de africanos que anseiam que lhes caia do céu um saco de cereais despejado por um avião da Cruz Vermelha, ou de outra qualquer organização de solidariedade. A cada humano solidário continuam a corresponder milhões de umbigos solitários. A realidade deste início de século não é assim muito diferente das atrocidades com que a Humanidade se tem batido ao longo da sua evolução.

De construtor de catedrais a construtor de sonhos e fantasias, vai um passo de gigante. O convívio entre a suntuosidade mítica das catedrais e a miséria, a fome e a intolerância, acompanha ainda a contemporaneidade. Qual é então a Catedral que o Maçom deve procurar construir? Encomendas como na Idade Média já não existem e a catedral do coletivo, o templo ou loja, essa está já construída e a ser aperfeiçoada com o contributo de todos os maçons através da sua participação. Na Antiguidade, os Romanos legislaram no sentido das profissões serem hereditárias, impedindo-se, desse modo, a extinção de algumas delas. Na Idade Média as profissões organizaram-se em corporações ou ofícios, nos quais poucos tinham o ensejo de ingressar, tal à necessidade de cada corporação guardar ciosamente os seus segredos, os seus conhecimentos, tal aconteceu com os pedreiros livres, os Maçons, ou Arquitetos, responsáveis pelas construções de Catedrais.

Os seus ensinamentos só eram transmitidos a aprendizes, sendo estes homens de características especiais, a quem tinham sido reconhecidas capacidades de integrar uma comunidade tão eclética. Essa comunidade era a Maçonaria operativa. Os Maçons eram então autênticos edificadores, construtores ou arquitetos dos mais belos monumentos que ainda hoje se podem admirar. Construções sólidas, duradouras, quase intemporais, encerrando em si um saber acumulado, só desvendado ou acessível a muito poucos.

Tal fato transfere grandes responsabilidades para todos nós. A Maçonaria, hoje, já não é operativa, mas sim filosófica. Hoje guardamos a memória de homens que influenciaram positivamente a Humanidade e que lutaram permanentemente contra quem escravizou quem fez guerra e contra as desigualdades. Tem que ser possível, sendo nós homens de pensamento livre, liderar movimentos sociais, provocar mudanças, ser o guardião da esquadro e do compasso nas nossas atitudes e nos nossos feitos. Outros mais atuantes que nós arrastam a sociedade. Não serão necessariamente mais consequentes nem tão pouco mais honestos nos seus objetivos. Em relação a alguns podemos mesmo afirmar, antes pelo contrário.

Porque não começarmos então por ser melhores cidadãos? Lembram-se da primeira vez que vos falaram de cidadania e civismo? Eu não confesso. Mas lembro-me do sentimento de angústia que sempre tive desde que me tomaram como pessoa adulta e responsável, cada vez que me questionava como ser um melhor cidadão. Pois bem, apesar de diferente, o aperto no estômago é semelhante, quando penso se estarei a ser um bom Maçon. Ser cidadão é participar da vida em comunidade. Cada vez que agirmos a pensar não só em nós próprios, mas também no bem-estar de outros, estaremos a exercer a Cidadania. Porque a cidadania não é só direitos e deveres, mas também a consciência de que nos devemos esforçar para construir um mundo melhor, mesmo com pequenas ações. A ética, a moral, costumes, a deontologia profissional e porque não dizê-lo, o Direito, devem nortear a nossa conduta.

Estaremos a fazer Maçonaria se formos bons cidadãos? Seguramente que sim.

Mas só isso não será suficiente. A atual crise, mais do que uma crise financeira, é uma crise de valores. Isto significa que os homens e mulheres que provocaram a situação em que vivemos abstiveram-se, ao longo de anos, de honrar um código básico de valores e de colocar a palavra “ética” nos contratos chorosos que assinaram. E se muitos pensavam que escândalos como aqueles que abalaram a Enron e a WorldCom, no início do século, jamais se iriam repetir, eis que voltamos à era em que a vergonha e a responsabilidade, não constam do vocabulário financeiro.

Lembro-me das histórias de cowboys. No velho Oeste, quando alguém era apanhado a fazer uma vigarice, o castigo mais comum era cobrir os fora da lei com alcatrão e penas. Não estamos no velho Oeste, nem os especuladores financeiros são bandidos que fogem a cavalo, mas a verdade é que os senhores da “economia sem consequências” não se limitaram a brincar com dinheiro que não era deles, a fazer experiências com produtos inovadores, a provocar o caos global no clima financeiro e a destruir a vida de milhares de trabalhadores inocentes por todo o mundo.

Maior intervenção por parte dos governos, mais regulação para as instituições financeiras. Esta parece ser a fórmula que mais adeptos tem vindo a ganhar, nos últimos episódios da crise financeira global. Mas será que chega? Se o caminho a seguir parece ser, sem dúvida, o acima referido há quem teime em lembrar que ao longo dos últimos 150 anos, este capitalismo, agora endemoniado, provou o seu valor para milhares de milhões de pessoas.

Agora, depois da hecatombe, os governos estão a nacionalizar bancos – ou partes deles – porque acreditam que o capital público é imprescindível para que o dinheiro continue a circular. Mas não é mais governo que é necessário, mas sim melhor governança. Governação até de nós próprios e dos nossos atos.

Crise, crise e mais crise. É deprimente. E como bons portugueses que somos nada como conhecer um ou outro drama pessoal para apimentar um bom diálogo de café. A nostalgia, o cinzentismo, a culpabilização dos outros e a inveja, estão inscritos no código genético lusitano e nem a nossa aventura por terras do continente asiático consegui mudar o nosso traço. Como alguns de vós sabeis, a palavra crise no ideograma chinês é Wei-Ji. O curioso, é que esta palavra tem dois significados: O primeiro é perigo, e o segundo, oportunidade para mudar.

Quantos de nós estão a aproveitar verdadeiramente este mau momento para mudar? Mudar comportamentos, mudar atitudes, mudar de práticas, transformar e estar aberto às coisas novas? Como lia algures no outro dia, muita gente só muda quando está no fundo. É um comportamento humano clássico. De forma inata, todos resistimos à mudança. Mudar assusta porque o que vem é algo desconhecido, logo ameaçador. Temos que trazer luz ao desconhecido, para encontrar a segurança que tanto necessitamos. Temos que agir primeiro sobre nós próprios e depois então sobre os outros.

A Maçonaria e os Maçons, no século XXI, podem contribuir para um mundo melhor, mais humanista, mais solidário, mais fraterno e mais equilibrado. Somos livres para decidir. Temos naturalmente que buscar a perfeição, não só nos nossos rituais, mas também nos negócios em que participamos e nas relações humanas que desenvolvemos, enfim, em todos os comportamentos e atitudes que nos norteiam enquanto seres humanos. Nós, Maçons, acreditamos na igualdade e na solidariedade. Mas será que isso faz de nós guerreiros em busca da luz? A luz que construirá uma sociedade mais fraterna, contra a arrogância do poder, que sente misericórdia pelos mais fracos?

Penso que a vontade de exercer qualquer protagonismo consentâneo com os valores intrínsecos da Maçonaria, é uma vontade legítima. A operatividade da Maçonaria é notória em todas as transformações e convulsões do mundo ocidental nos últimos séculos. A História da modernidade atesta-o.

A questão de fundo é esta: será mais urgente e consequente à ação no mundo exterior, ou a ação determinada e constante sobre cada um de nós, pedra obviamente constitutiva do edifício universal? Por outras palavras, admitindo que a cada Maçom assista uma participação no mundo profano, será mais profícuo o trabalho sobre a pedra bruta ou essa urgência, por vezes histérica, de agir por agir e mostrar serviço na sociedade civil?

Estas são algumas angústias de um mero maçom que me atrevo, com toda a humildade, a partilhar convosco. Poderei mesmo ter a tentação fácil de concluir que a Catedral que o aprendiz terá de construir é a sua própria Catedral interior. Juntos, posso desejar que o somatório das nossas Catedrais fosse maior que a soma das partes individuais. Mas posso, mesmo assim, do posto de vista operativo, afirmar com convicção que a Maçonaria contribuiu para a construção de um mundo melhor e diferente. Sim, sem dúvida contribui, e sem a Maçonaria as coisas seriam bem piores! Podemos fazê-lo com descrição? Com certeza.

Com pequenos gestos, nas nossas decisões do dia-a-dia, combatendo a indiferença perante as desigualdades, participando ativamente nos movimentos sociais que visem objetivo nobres, denunciando o que está incorreta, doando o que não nos faz falta, ajudando quem mais necessita, sendo justos nas afirmações, no fundo, liderando a sociedade pelo exemplo.

Poderemos até não resolver todos os problemas, mas, seguramente, faremos parte de algumas soluções.

Elevando o desafio e a dimensão da questão, podemos e devemos, como homens livres, fazer mais para que a Humanidade deixe de ignorar a Declaração Universal dos Direitos Humanos, para que as empresas respeitem a Declaração da OIT relativa aos princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho, para que as famílias cumpram a Convenção Sobre os Direitos das Crianças e para que todos os cidadãos sejam sensíveis a Declaração do Rio sobre Ambiente e Desenvolvimento. Só assim será possível. Nós, temos responsabilidades por grandes acontecimentos na História da Humanidade nos séculos passados. E neste século? O que estamos dispostos a fazer?

Em última análise será a pressão da opinião pública que determinará uma nova era no comportamento dos políticos, dos empresários e das organizações. E a sociedade vai-nos empurrar para uma mudança profunda.

As pessoas querem mais garantias no plano social, da sustentabilidade ambiental e do respeito pela dimensão humana de qualquer projeto econômico, público ou privado. Nós, os Maçons, temos que liderar a mudança necessária para a construção de uma nova ordem econômica e social, pensando globalmente e agindo localmente.

Há Catedrais que faltam construir. Haja na Maçonaria força para fazê-lo.

Autor: Teseu (nome Simbólico).

Um comentário:

  1. Belíssimo artigo, caro Ir., realmente reflete a nossa realidade e a nossa difícil responsabilidade, infelizmente, nem todos os ir. tem esta consciência.

    ResponderExcluir

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares