Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

segunda-feira, 7 de maio de 2012

"TOLERÂNCIA NÃO COMBINA COM CONIVÊNCIA"



Uma das palavras mais ouvidas e lidas no mundo maçônico é a tolerância.

O maçom é um Ser livre, ou seja, livre pensador, livre caminhante e de bons costumes, que significa ético, buscador de uma moral mais espiritualizada. No convívio em loja, nos deparamos com situações incongruentes com os ideais da Arte Real e, muitas vezes, nos calamos por conformismo, passividade, "politiquice", ou ainda nos escudamos na tolerância erroneamente compreendida.

Reconhecendo nossa própria mortalidade e pequenez, somos capazes de tolerar a falta de cultura do irmão por entendermos que em nosso país o acesso aos livros é privilégio de poucos, porém, não devemos nos abster de estimulá-lo a leitura (dando textos, emprestando livros, orientando em pesquisa, etc.)

Devemos tolerar as faltas dos Irmãos que comprovadamente estão impossibilitados de comparecer por motivos justos (doença e trabalho), entretanto não ser coniventes com omissões e malandragens. O maçom tem que ter palavra. No questionário de proposta, ele se comprometeu em ter pelo menos uma noite livre. Ele é um dente na engrenagem e sua falta afeta em vários prismas (formação da egrégora, composição dos cargos, comparecimento no tronco e mal exemplo). Você não acha? Então descruze os braços e tome uma atitude, pois quem cala consente.

E nos metais? Quanta inadimplência! Como iremos tolerar o Irmão que alega não contribuir por falta de dinheiro, crise no setor profissional, doença do sobrinho, mas quando observamos suas doações nos bares, sua vida regada num universo de soberba e hedonismo nos questionamos.

O não contribuir neste caso, é trair o compromisso com a loja, é jogar na lama a palavra que deu no momento de sua iniciação.

Vamos ter mais atenção e critério ao escolher nossos "afilhados".

Vejamos como procede em sua casa e no trabalho, observemos sua postura nos relacionamentos interpessoais e, consequentemente, sua atitude em grupo. A maçonaria é antes de tudo, uma equipe. Sondemos, investiguemos com profundidade e só depois apresentemos sua pré-proposta.

Caso falhemos, não o iniciemos, caso já seja iniciado, não o elevemos, caso seja elevado, não o exaltemos e caso já seja um mestre, o cobriremos a bem da Arte Real. Lugar de Maçom é em Loja. Ao profano de avental, tchau e um abraço...

Para ser um bom Venerável Mestre não é necessário elevar fulano, exaltar beltrano, etc. não se mensura uma administração por isso, entretanto pela qualidade de maçonaria que desenvolveu.

Não deve haver dois pesos e duas medidas (pau que dá em Chico se dá, também em Francisco).

A maçonaria enquanto filosofia, ideal e propósito é a flor mais bela no jardim do Grande Arquiteto Do Universo. Regue-a com justa medida, amor e respeito.

Obrigado, Grande Arquiteto Do Universo pelo privilégio de poder colocar três pontos no final de minha assinatura.

Otávio M. Vieira - Mestre Maçom - Loja "Estrela do Norte Sete n.º69" da Grande Loja do Estado do Rio de Janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares