Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

ORIGEM DA PALAVRA LANDMARK



Na Maçonaria, os landmarks (do inglês, ponto de referência, “marcos”), são definidos como preceitos antigos e inalteráveis. É um conjunto de princípios que não podem ser mudados.
O foco é que a unidade maçônica mundial seja mantida, e inclui, por exemplo, a obrigatoriedade dos maçons se filiarem a uma Loja e crerem em um ser superior “O Grande Arquiteto do Universo”. O 25º landmark sendo o último, dita que nada poderá ser mudado nos landmarks (Nolumus leges Mutari).
Estes princípios podem ser interpretados de várias formas, gerando controvérsias de reconhecimento, mas são cláusulas pétreas, portanto não passíveis de discussão. Alterá-los significa romper a sintonia maçônica mundial.
A palavra landmark, pode ter sua origem na bíblia (provérbio 22:28) “não remova os antigos marcos que teus pais fixaram”. Esta frase chama a atenção para os limites de terras que foram marcados por meio das colunas de pedra.
Há outra citação da lei judaica “Não remova os marcos (Landmarks) vizinhos, eles tem sido usados desde os tempos antigos, para definir as heranças” Isto chama a atenção para como os marcos designam os limites da herança.
Mark Tabbert, historiador curador de coleções maçônicas e fraternais no National Heritage Museum em Lexington (Massachusetts), acredita que as regulamentações atuais dos landmarks, são derivadas das regras medievais dos pedreiros ancestrais.
A classificação dos landmarks, uma delas, foi feita por Albert MACKEY em seu artigo “As Fundações da Lei Maçônica” escrito para a revista American Quarterly Review 0f Freemasonry, em 1858. Ele destacava três características básicas: Antiguidade imemorial nacional, universalidade, e absoluta irrevogabilidade.
Mackey depois incluiu esse mesmo artigo em seu livro “Text Book of Masonic Jurisprudence”. Desde então sua lista de 25 LANDMARKS foi adotada por várias Grandes Lojas Americanas, e o GOB a utiliza.
Outros maçons, posteriormente, fizeram lista de outros landmarks alguns com 40 e 54 itens, porém o mais adotado é o de Albert Gallatin Mackey.
*texto extraído livro de Fernando Moretti “MAÇONARIA NAS AMÉRICAS”
CONSIDERAÇÕES
Queremos esclarecer que a palavra Landmark apareceu pela primeira vez na “Constituição de Anderson, no ano de 1723, assunto para um próximo texto, pois tal constituição, baseada nos antigos Estatutos, escrita pelo pastor James Anderson, encerrava o período da maçonaria operativa e dava início à moderna maçonaria especulativa. Nela era dada a cada grande Loja, poder e autoridade para fazer novos regulamentos ou alterá-los em benefício da Ordem, mas todo cuidado seria dado para a preservação dos Landmarks. Onze anos mais tarde a obra foi editada por Benjamin Franklin (primeiro livro maçônico impresso nas Américas)
No GOB, segundo sua constituição em seu artigo V- parágrafo único vamos encontrar o seguinte “Serão respeitados os LANDMARKS, os postulados universais e os princípios da Instituição Maçônica.”
Enviado pelo Ir.’. Gustavo Velasquez Santos
União Araguarina 0924 GOB – Oriente de Araguari MG
Justiça e Verdade 1459 GOB – Oriente de Capinópolis MG

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares