Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

terça-feira, 15 de novembro de 2011

PORQUE ÉS LIVRE E DE BONS COSTUMES. . .



. . .será que compreendemos realmente o que é  ser Livre e de Bons Costumes?
SER LIVRE
Ser livre é alguém que não sendo irresponsável ou escandaloso, agredindo a sociedade por sua vida condenável, não seja por outro lado, joguete passivo das circunstâncias e das pessoas que o rodeiam. É alguém que sabe o que quer, não tem medo, que possui liberdade de pensamento e condições psicológicas para absorver determinados ensinamentos, através do estudo e da reflexão, sem pré-julgamentos.
Ser Livre é ter coragem para criar, tendo sempre como objetivo o evoluir.
Ser livre significa ser independente, ganhar o suficiente para sua própria subsistência e de seus dependentes, atender aos seus compromissos sem prejuízo de quem quer que seja, ter consciência de seus deveres familiares, sociais, morais e religiosos, e executá-los com seriedade.
Não ter compromissos com organizações que proíbam o acesso a correntes espiritualistas. Ser livre é possuir autonomia, é ter direito de reger-se. Deve-se, também, ser subjetivamente livre: de preconceitos, superstições, maledicências e qualquer escravidão.
Ser livre é não ficar preso a um padrão estabelecido. Existem, no entanto, duas escalas de liberdade: a física e a psicológica, sendo que o cerceamento da liberdade física não impede que o indivíduo não experimente a liberdade espiritual.
Muitas vezes, o conceito de liberdade é confundido pelo homem. Acreditando-se livre, é prisioneiro de si mesmo, da sua ignorância, preconceitos e arrogância.
Liberdade é um estado de espírito; é poder ir à busca do desconhecido sem sentir-se preso a experiências passadas.
SER DE BONS COSTUMES
BONS COSTUMES, em Maçonaria, não devem ser encarados como se referindo apenas aos valores sociais consagrados. Deve, isto sim, ser entendido como um reto modo de vida, já que não há uma conotação meramente moralista nesse termo.
Ser de bons costumes é ter adquirido bons hábitos e salutares princípios que permitam conduzir-se a si mesmo em qualquer condição e lugar.
Ser de bons costumes é ser honrado, empenhando todos os seus esforços por se tornar melhor a cada dia que passa. Auxiliar, na medida do possível, àqueles que imploram por sua benevolência. Abrandar o coração para com os seus antagonistas. Deixar, por donde quer que passe, um rastro de luz benéfica que deve caracterizar todo “Verdadeiro Maçom”.
Ser honrado, justo, de bom entendimento e rigorosa moralidade.
Ser de bons costumes é ter hábitos sadios; ser capaz de superar obstáculos naturais – discussões interpessoais, ambientes confusos, dificuldades financeira, etc., através da coerência, do bom senso, da organização e do equilíbrio.
Bons costumes aplicam-se, principalmente, a ética do candidato. Mas a Ordem Maçônica espera tanto dos candidatos, como de seus integrantes, um espírito de verdadeira Fraternidade, Cooperação e Altruísmo.
Portanto BONS COSTUMES, em Maçonaria, não devem ser encarados como se referindo apenas aos valores sociais consagrados. Deve, isto sim, ser entendido como um reto modo de vida, já que não há uma conotação meramente moralista nesse termo.
Mas, O Que é Ser Livre e de bons costumes?
“O Homem verdadeiramente Livre é um Homem de Bons Costumes “
Falar sobre a liberdade é uma das questões mais fascinantes em nosso meio. Usamos muito essa palavra, mas temos dificuldade em conceituá-la. Todo  mundo afirma que quer ser livre, mas pouca gente sabe dizer o que quer fazer com a liberdade.
É comum pensar que se pode agir sem impor limites à nossa vontade. Aliás, não temos muita simpatia pela idéia de que viver bem é não abrir mão de nenhum tipo de desejo. Essa abordagem me parece ingênua e não leva em conta o fato de que, em nossa vida interior, há outras peças tão importantes quanto às do desejo.
Por exemplo: uma pessoa nos agride e temos vontade de revidar com toda a força e possamos até desejar matá-la. Mas temo dentro de nos um conjunto de valores morais. Se nos transgredi-los, experimentaremos uma dor íntima muito desagradável, que é a culpa. Os animais em geral não sentem outra coisa senão o desejo e o medo. O homem não: tem um cérebro sofisticado que “fabrica” conceitos e padrões de comportamento que as pessoas acham muito importante respeitar. Em muitos casos, as normas estão em oposição às nossas vontades. No exemplo citado, isso fica evidente. Pelos nossos valores éticos, não temos o direito de matar outro ser humano.
Como agir? Respeitamos a vontade ou os padrões? Acredito firmemente que devemos nos ater aos padrões. Devemos seguir nossos pontos de vista e nossas convicções. Agir sempre em concordância com a vontade é franca imaturidade, é não saber suportar frustrações e contrariedades.
Evidentemente que estamo-nos referindo às situações em que a razão está em oposição à vontade. No caso de ela não provocar nenhuma reação negativa, é lógico que devemos tentar realizá-la.
Não se trata, portanto, de desprezar nossos desejos. Se estivermos com boa saúde, podemos comer doces. Se for diabético, temos de ter a capacidade de abrir mão deles. Não acho acertado considerar mais livres as pessoas que não ligam para si mesmas e para os outros. Elas são mais irresponsáveis e até autodestrutivas. Se um homem sabe que o álcool lhe faz mal e continua bebendo, ele não é mais livre. É mais fraco.
Nos séculos passados, o ser humano vivia por normas exageradamente rígidas e alguns psicólogos acabaram concluindo que a verdadeira liberdade consistia em jogar fora essa camisa-de-força, guiando-nos a partir de nossos desejos. A idéia é boa, mas – na prática – é inviável. A vida em grupo exige que se preste atenção também aos outros. O amor e a solidariedade que sentimos naturalmente dentro de nós pedem isso. Não podemos magoar as pessoas que amamos sem sofrer. Nesse caso, antes de satisfazer a vontade, temos de refletir muito, avaliando e pensando nas conseqüências.
Liberdade não é realizar todas as vontades. Não é ser desta ou daquela maneira. Liberdade é a sensação íntima de prazer que deriva da coerência entre o que pensamos e a forma como atuamos. Sois livres se sois capaz de agir de modo coerente com o que pensas. Algumas vezes respeito à vontade; outras, as normas morais. Em cada situação nos tomamos decisões, válidas apenas para aquele momento. Si dizer “sim”, si dizer “não”. Tudo depende da importância do desejo e da permanente preocupação de equilibrar os nossos direitos e os direitos das demais pessoas. Aceitar certos limites para as nossas vontades é sinal de maturidade, não de resignação e conformismo. É sinal de força, não de fraqueza.
Vivemos em um mundo plástico, cujos valores positivos sempre recaem sobre aqueles que são belos, bem sucedidos e bem relacionados, onde os, Altruístas, os Livres Pensadores, homens LIVRES e de bons costumes, nem sempre atendem  as demandas de uma sociedade que, mais do que nunca, valoriza a imagem em detrimento do conteúdo.
O que resulta dessa super expectativa estética, é que crescemos sem aprender a lidar com estes valores e referências. Não o aceitamos, não o admitimos, nunca o confessamos. Sempre estamos tentando confeitá-lo ou empaná-lo com justificativas, de modo que o produto do nosso eu sempre pareça melhor do que realmente o é. Principalmente quando estes conceitos ou preconceitos se dá no meio da Maçonaria, aonde as exigências de um comportamento moralista intangível e inalcançável, por vezes, vão produzindo em nós uma capacidade enorme de teatralizar o nosso próprio eu.
Em nossa Maçonaria atual, reservamos pouco espaço em nossas Reuniões  para testemunhar os nossos erros (o que é uma pena). Só testemunhamos os feitos do passado, as nossas incríveis performances idearias, as nossas façanhas operadas num mundo histórico e muitas vezes, virtual de ética, de moralidade e da filantropia; nunca (ou quase nunca) os nossos erros, decepções, fracassos. Como seria bom de vez em quando ouvirmos:
“Irmãos, tal dia nós teremos uma reunião para compartilharmos os nossos erros, buscando soluções, com o que temos aprendido e experimentado “. Não! Não há espaço para isto porque praticamos uma Maçonaria de aparências, de marketing, onde se dá excessiva importância a imagem – e pouca importância ao conteúdo. Precisamos resgatar a Maçonaria que é menos ribalta e lantejoulas,  mais objetiva.
Existem  meios de tratar os nossos erros. Aceitá-los como erros, chamar o erro de erro dar nome aos erros, pode ser um começo. Qualquer outra atitude – negar, justificar, racionalizar, reinterpretar – além de ser inócua, é uma tentativa humana e desesperada de escondê-los.
O problema é que a história nos mostra que: Esconder o erro (seja qual for o método) não o elimina, mais cedo ou mais tarde ele é descoberto, vem à tona, nos acha.
Se quisermos lidar com os erros  de modo correto é preciso antes extirpar de nós este músculo adâmico da negação dos erros, a mentira. E aprendamos (pelo menos)  a reconhecer que: “… a régua de medir com o qual estamos selecionando os profanos que adentram em nossas lojas, está fora do padrão maçônico,… onde muitos de nós maçons, se comparados com a régua uma vez aferida, seriam comprovadamente descaracterizados como tal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares