Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

UM POUCO MAIS DE... CADEIA DE UNIÃO


Alguns procedimentos maçônicos ao serem criados com finalidades específicas as com o passa dos tempos devido aos pensamentos e conhecimentos das novas gerações de obreiros, aliada ao enriquecimento e evolução da doutrina maçônica tiveram essas finalidades ampliadas para objetivos tão ou mais nobres quanto os iniciais.

Neste contexto quero me referir à Cadeia de União. Foi criada para possibilitar a divulgação sigilosa, segura e formal da Palavra Semestral, em 1773, no Grande Oriente de França, então na época denominado de Grande Loja de França.

 A Palavra Semestral,  por sua vez, foi criada para dar mais segurança às reuniões maçônicas que, dado ao descontrole existente, era comum muitos profanos se passarem por maçons e participarem das reuniões.

Tal modo de identificação e regularidade foi usado pela primeira vez, em 23 de agosto do ano de sua criação, na cerimônia de posse do Grão Mestre, Louis Philipe de Orleans, da casa real francesa. Este costume se institucionalizou no Grande Oriente de França, passou para o Grande Oriente Lusitano e foi incorporado pela maçonaria brasileira.

Procedimento que deveria ter o uso restrito a transmissão da Palavra Semestral, com o ocultismo presente na doutrina maçônica, tendo a frente os obreiros mais ligados ao misticismo e espiritualismo, passaram a se utilizar também da Cadeia de União para atingir outros objetivos, guiados pala fraternidade e pelo amor, objetivos tão importantes quanto ao primordial.

Aqueles que não creem em poderes místicos ou que julgam deva ser a Cadeia de União utilizada apenas para a qual foi criada, tudo o que for lido daqui para adiante será inócuo, sem sentido, imaginário. Que dispense sua leitura.

Aos que creem que “querer é poder”, que nossa vontade pode produzir tais realizações, na existência de uma força mental inata em cada um de nos, que nosso desejo/pensamento possam atuar a distâncias, para estes crédulos, poderemos continuar na abordagem do assunto.
Antes demais nada, para a obtenção de qualquer resultado, três fatores são fundamentais:

ACREDITAR – DESEJAR – DIRECIONAR.

ACREDITAR – A crença é o combustível que movimenta o procedimento, pois temos, obrigatoriamente, que acreditar que este procedimento possibilita resultado, que ele promove aquilo que desejamos; acreditar, também, na potencialidade de cada um de per si, potencialidade esta que é aumentada pelo somatório da quantidade dos irmãos que formam o conjunto (Cadeia); acreditar que nossos desejos, nossa força pensamento, possam atuar a distância; acreditar que a cadeia de União não é um mero formalismo; acreditar....acreditar....acreditar. Acreditar na que já foi feita, acreditar na que está sendo feita, acreditar nas futuras que serão feitas. Se acreditarmos, o objetivo pode ser alcançado; se não acreditarmos o objetivo jamais será alcançado.

DESEJAR – É ter a vontade de que realmente do resultado proposto seja alcançado; é querer, com a mais pura sinceridade, se realize, que aconteça. Não basta compor o grupo, mas compor com o desejo do grupo. Normalmente a fraternidade, o conhecimento, a amizade são fatores formadores ou intensificadores do “desejar”, pois este “desejar” é um ajudar. E quem não se sente bem, recompensado quando pode
oferecer uma ajuda?

DIRECIONAR – Esta, talvez, seja a parte mais difícil de ser realizada, ou melhor, de ser bem
realizada, e se não for feito corretamente todo o nosso ACREDITAR e DESEJAR serão em vão e nossa energia, a força de nosso pensamento enviada se perderá no espaço, vagando e se dissipando.

Direcionar não é só saber o caminho, mas qual o porto de chegada, conhecer o ponto final, já que tenho de, mentalmente, visualizar onde meu desejo quer chegar: é ali! É naquela pessoa! O “fim” tem que ser materializado no pensamento, ou seja, visualizado dentro de nossa mente.

Não havendo possibilidade desta visualização mental, nosso desejo jamais chegará a nosso objetivo. Pode-se estar se tornando repetitivo nesta condição, mas é de suma importância que nos conscientizemos que isso é fundamental.

O “alvo” tem que ser de nosso conhecimento, temos que formar sua imagem em nossa mente.

Como podemos criar a figura de algo que não conhecemos?

Imaginar o que não sabemos? Sem este conhecimento não resolve, não adianta! É enganarmos a nós mesmos.

E quando formos realizar um procedimento para um “alvo” não conhecido sem que as energias emanadas sem percam ou se tornem inócuas?

Vamos citar um exemplo prático, que embora hipotético, é muito comum e esclarecedor: um irmão angustiado comunica que determinado ente familiar seu, muito próximo, padece de grave enfermidade, hospitalizada, etc, etc, etc e solicita aos irmãos uma Cadeia de União para a tal pessoa.

Esta pessoa não é conhecida dos irmãos, e o que fazer?

Negar o procedimento de uma Cadeia de União?

Não atender o pedido de ajuda de um irmão?

Não! A cadeia de União deverá ser efetuada, a solicitação do irmão deverá ser atendida.

Mas como mentalizar o “alvo”?

Como materializar em nossa mente a figura de uma pessoa que não conhecemos?

É possível! É simples!

Quem for conduzir a Cadeia de União, os procedimentos iniciais, a sintonia entre os irmãos, a preparação psico/mental do grupo, pedirá ao irmão solicitante que, no momento adequado, mentalize e materialize em sua mente a pessoa necessitada e o beneficio a receber e que os demais irmãos participantes se fixem mentalmente naquele irmão e direcione a ele, através da força mental de cada, o desejo solicitado.

Assim nos canalizamos nossas energias para aquele irmão que por sua vez, sintonizado com a pessoa necessitada, as encaminhará para ela. É questão de conhecermos as “vias alternativas” de percurso para chegarmos, efetivamente, ao ponto final.

Convém lembrar que por mais que acreditemos, por maior que seja nosso desejo, por mais energias que emanemos, esta procedimento, que ocorre no campo astral, (um dos três campos de atuação da Maçonaria Adonhiramita) não podemos aguardar milagres.

Os mortos não vão se levantar, os cegos não irão enxergar ou os surdos ouvirem, nem os coxos voltarão a andar. Estes acontecimentos milagrosos ocorreram a mais de 2 000 anos e foi operado por Jesus, e nos não somos Jesus.

Cadeia de União não cura o incurável nem desfaz o já feito. E nem sempre, quando produz resultados (?????) são os exatamente solicitados.

 Eis um exemplo: “O fato a ser narrado foi comprovado apenas pelos familiares e sem explicação médica. Ocorreu no Oriente de Minas Gerais, procedido numa loja do REAA altamente espiritualizada”.

Certa feita o Irmão, quando todos em loja para inicio da sessão, solicita que ao final seja feita uma Cadeia de União para sua mãe, hospitalizada, padecendo de doença incurável em fase adiantada.

 Na loja, todos conheciam e gostavam daquela senhora que, freqüentemente, participava dos jantares comemorativos da loja, brincava com todos, sempre alegre, etc.

 Na realização da dita Cadeia de União, por ser conhecida, foi fácil materializá-la na mente de cada irmão; por ser querida de todos, a entrega de cada um, a energia liberada por cada integrante foi total; por ser conhecida de todos, todas a trouxeram a sua mente, a visualizaram como se presente estivesse.
E assim, com todos os requisitos exigidos para a realização de uma Cadeia de União exitosa, ela foi realizada.

E a senhora, melhorou, sarou ?
Não! Dentro de poucos dias veio a falecer. Mas ela, que no estágio final da doença, padecia diuturnamente de dores terríveis, naquela noite, mais precisamente no final daquela noite e por toda a madrugada, conforme testemunhado pela pessoa que a acompanhava, foi tomada de uma paz, de uma serenidade e sem dor nenhuma, dormiu profundamente como não fazia a muitos meses, e nesse estado ficou por grande parte da manhã.

 Ao final da manhã, já com o retorno das dores costumeiras, ao ser visitada por seu medico e lhe narrando aquele tempo sem dor, o médico ficou sem acreditar, atribuindo o fato à medicação, medicação que embora aliviasse a intensidade da dor, jamais a afastara totalmente.

O que teria realmente ocorrido? Teria sido o resultado da Cadeia de União? Se não foi, houve muita coincidência.

Os irmãos daquela loja, em especial o filho daquela senhora acreditam que tenha sido a  Cadeia de União.

Se eles acreditam, basta! Devemos saber que para a realização de uma perfeita Cadeia de União, os irmãos que a compõem devem estar harmonizados e sintonizados, ou seja, em uníssono, todos com um mesmo pensamento, com uma mesma vontade, com um mesmo foco, tudo a um único tempo.

Existem técnicas para se conseguir esta uniformidade e a intensidade de tal uniformidade vem com a prática.

Também temos que saber que quando liberamos esta energia cósmica, acarreta um certo cansaço mental que enfraquece a energia liberada.

 É necessário uma pequena interrupção para recuperação, um simples relaxamento, um “desligamento” são suficientes.

 E como cada objetivo necessita uma realização particular, Cadeia de União com múltiplos objetivos, levará, obrigatoriamente, a focar em um objetivo por vez, relaxar, nova preparação e realização para outro objetivo, relaxar, e assim por diante.

Como todo bom cirurgião para chegar ao estágio de “qualidade” necessita de conhecimento sempre constante do oficio, atualização e incessante prática, a Cadeia de União necessita igualmente do conhecimento de causa de seus integrantes e prática quanto a sua realização, de muita prática.

* Edison Carlos Ortiga (Ir.·.Feliciano)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares