Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

COLUNA BOAZ E COLUNA JACHIM


As COLUNAS B e J de nossa Loja representam as COLUNAS que ficavam no Átrio do Templo de Salomão e não pertencem à divisão clássica arquitetônica.

A COLUNA B ou “Booz” (Hebraico BOAZ), isto é, - “na força”, representa a regeneração; revela a estabilidade ponderada e deve ser branca.

As duas palavras reunidas significam, portanto: “Deus estabeleceu na força, solidamente, o templo e a religião de que ele é o centro”.

A Bíblia nos diz que as duas COLUNAS de bronze, foram erigidas à entrada do Templo de Salomão, uma à direita, sob o nome de Jachin, e a outra à esquerda, sob o nome de Booz. Jamais houve qualquer contestação sobre o sexo simbólico dessas duas COLUNAS, a primeira delas suficientemente caracterizada como masculina pelo Iod inicial que a designa comumente.

Com efeito, essa letra hebraica corresponde à masculinidade por excelência. Beth, a segunda letra do alfabeto hebraico, por outro lado, é considerada como essencialmente feminina, porque seu nome quer dizer casa, habitação, de onde a idéia de receptáculo, de caverna, de útero, etc. A COLUNA J é, portanto, masculino-ativa, e a COLUNA B feminino-passiva. O simbolismo das cores exige, conseqüentemente, que a primeira seja vermelha e a segunda branca ou negra.

A palavra Jachin, em hebraico, escreve-se com as letras Iod, Caph, Iod, Nun. Para evitar erro na pronúncia, escreve-se às vezes Jakin. A palavra Booz escreve-se com as letras Beth, Aïn (letra que não pode ser traduzida foneticamente senão por uma aspiração sonora, pelo espírito forte do grego), Zaïn. Muitas vezes escreve-se Booz em lugar de Boaz; no entanto, esta última ortografia está mais de acordo com o hebraico.

A Bíblia é formal: ela coloca Jachin à direita e Boaz à esquerda, o que está conforme com o simbolismo tradicional e universal.

O Rito Escocês coloca as duas COLUNAS desse modo, mas o Rito Francês inverteu as respectivas posições: ele coloca Jachín à esquerda e Boaz á direita, sendo que nada justifica essa mudança, nem mesmo o fato de essas COLUNAS terem sido transportadas do exterior para o interior do Templo.

Maçonicamente o Sol corresponde à COLUNA J e a Lua corresponde à COLUNA B e lhes são atribuídas às seguintes cores: Vermelho à COLUNA J, Branco ou Preto à COLUNA B, correspondendo assim ao Ativo e ao Passivo.

Se nos ativermos ao texto bíblico, as duas COLUNAS eram de bronze e ambas da cor natural desse metal. Para diferenciá-las, decidiram-se lhes adicionar as cores e tal decisão é arbitrária e discutível.

O lugar das COLUNAS varia de acordo com o lugar em que se coloca o observador: na frente ou atrás. Para a maioria dos símbolos, é preciso considerar o observador na sua frente.
É fácil notar que a cor branca corresponde perfeitamente à Sabedoria, à Graça e à Vitória; a cor vermelha, à Inteligência, ao Rigor e à Glória, enquanto que o azul está em harmonia com a Coroa, a Beleza, o Fundamento; o negro corresponde ao Reino.

Assim, portanto, ao lado direito (positivo) atribuímos a cor branca, ao lado esquerdo (passivo), a cor vermelha; no centro, a cor azul (neutra) e, na base, a cor negra (matéria).

Atribuindo o Branco à COLUNA da direita e, conseqüentemente, a Jachin, respeitamos o símbolo solar, atribuído a essa COLUNA, já que a luz do Sol é branca.

As três cores: azul, branco e vermelho figura na bandeira francesa.

A COLUNA J devia, portanto, ser branca e a COLUNA B vermelha; o azul é a cor do Céu e do Templo, da Abóbada Estrelada. A Maçonaria dá precisamente a cor branca a seus mais altos graus; a cor vermelha a seus graus intermediários e a cor azul a seus primeiros graus, cujos participantes, antes de qualquer coisa, devem praticar a tolerância.

As duas COLUNAS assinalam os limites do Mundo criado, os limites do mundo profano, de que a Vida e a Morte são a contradição extrema de um simbolismo que tende para um equilíbrio que jamais será conseguido.

 As forças construtivas não podem agir senão quando as forças destrutivas tiverem terminado sua tarefa. Essas forças opostas são “necessárias” uma à outra. Não se pode conceber a COLUNA J sem a COLUNA B, assim como o calor sem o frio e a luz sem as trevas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares