Páginas


“SÓ PUBLICAMOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A ORDEM MAÇÔNICA”

ACEITAMOS A OPINIÃO DE TODOS, DESDE QUE O COMENTÁRIO SEJA ACOMPANHADO DE IDENTIFICAÇÃO E UM E-MAIL PARA CONTATO.


“NÃO SERÃO ACEITOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS”

domingo, 16 de outubro de 2011

O TEMPLO


Templo é em geral, o nome atribuído ao local das reuniões dos membros de instituições iniciáticas, como é o caso da Maçonaria.

Cada grau, dentro da Maçonaria, possui painel próprio, contendo elementos que devem figurar no Templo em que se reúnem as Lojas.

Antigamente, na falta de um local apropriado, realizava-se a reunião onde fosse possível, sendo a configuração do painel feita através de um desenho de giz, no solo.
Este desenho era apagado ao final da sessão. Assim, segundo Boucher, o Templo “é a realização material do painel da Loja. Simbolicamente, é orientado como as igrejas:
a entrada no ocidente, o sólio do Venerável no oriente, o lado direito ao meio-dia e o lado esquerdo no setentrião”.

A Maçonaria trata em seu simbolismo do Templo Humano, um templo espiritual, edificado no coração e na mente do Maçom, isto é no seu corpo e na sua alma, para recolhimento do Bem, do Amor Fraternal, da Beneficência e da Concórdia. Lê-se em João, II, 18-21: “... Destruí este templo e em três dias eu o construirei de novo...”, adiante o evangelista esclarece: “Ele dizia isto a respeito do templo de seu corpo”, e ainda em Coríntios, III, 16-17: “Não sabeis que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destrói o templo de Deus, Deus o destruirá.

Porque o templo de Deus – que sois vós – é sagrado”. O Templo Maçônico retrata alguns dados arquitetônicos do templo que Salomão mandou erigir em Jerusalém, na colina do Monte Moriah, citado na Bíblia, para com os referidos dados perpetuar seus ensinamentos sobre simbolismo. Maçonicamente é um templo apenas simbólico, uma imagem representativa do Universo, com suas maravilhas, e serve a ensino ministrado em Loja. 

Este primeiro Templo, também denominado Templo Santo, foi destruído pelo exército de Nabucodonosor, no ano décimo-primeiro do reinado de Sedécias, que foi o 21º rei da raça de David, fato referenciado no Grau Filosófico do R.·.E.·.A.·.A.·., na história da construção, bem como a descrição detalhada do Templo de Salomão podem ser lidas no Primeiro Livro dos Reis (1 REIS, V, 15 - VIII, 13).

Denomina-se Maçonaria Salomônica os graus atribuídos a Salomão, ou relacionados com a construção do Templo de Jerusalém, e Colunas Salomônicas as duas colunas situadas à entrada do Templo (B e J).

Salomão, nono filho de Davi, com Betsabéa foi o terceiro rei do povo hebreu, tendo TB 4 O TEMPLO 1 sucedido a seu pai. Governou por cerca de 40 anos, seu governo constitui-se num período de paz, de trabalho e prosperidade para Israel. Sua sabedoria tornou-se lendária em todo o Oriente, pois elevou à glória a monarquia israelita e construiu o Templo de Jerusalém. Edificou as muralhas da cidade e ampliou o cultivo das artes e das ciências. Seu nome acha-se ligado à ritualística maçônica, através de inúmeras lendas, e dos Graus Filosóficos do R.·.E.·.A.·.A.·., e do Rito de Misraim, entre outros.

Seu nome, de shalomon, de shalôm, significa “Paz, Pacífico, Santidade”. O Templo de Zerubabel, ou Zorobabel tinha o dobro das dimensões do primeiro. Afirma-se em relato bíblico que esta construção levou vinte e um anos devido à oposição dos samaritanos, ressentidos com os judeus desde a divisão do reino, cerca do ano 976 a.C.
Obs.: Um dos Graus Filosóficos faz alusão à construção do segundo Templo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão ACEITOS. Deixe seu nome completo e e-mail para resposta.
Contato: foco.artereal@gmail.com

Postagens populares